Ir direto para menu de acessibilidade.

Sarampo mata. A vacina é a única maneira de prevenir a doença

    Você está aqui:
  1. Página inicial
  2. >
  3. Ações e Programas
  4. >
  5. PROADI-SUS
  6. >
  7. Sobre o programa
Início do conteúdo da página

PROADI-SUS

Sobre o programa

Escrito por Leonardo | Publicado: Quarta, 16 de Agosto de 2017, 11h02 | Última atualização em Quinta, 22 de Fevereiro de 2018, 16h39
AVISO
Conteúdo está sendo atualizado para o novo triênio (2018-2020), conforme legislação vigente

Desenvolvido para colaborar com o fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS), o Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS) é financiado com recursos de isenção fiscal, concedida aos hospitais filantrópicos, com excelência reconhecida pelo Ministério da Saúde. O Programa visa promover a melhoria das condições de saúde da população.

Para tanto, o PROADI-SUS permite a transferência, desenvolvimento e incorporação de novos conhecimentos e práticas em áreas estratégicas para o SUS através da execução de projetos de apoio e na prestação de serviços de saúde ambulatoriais e hospitalares, enquadrados em áreas específicas, estabelecidas pela Lei nº 12.101, de 27 de novembro de 2009

Área I

Estudos  de  avaliação  e  incorporação  de  tecnologia:  Desenvolvimento  de  estudos  de  avaliação  e  incorporação  de tecnologias;  revisão  sistemática  de  literatura;  meta-análise  de  estudos clínicos; estudos clínicos; desenvolvimento de pesquisas e tecnologias úteis  ao  SUS  para  fins  de  diagnóstico,  tratamento  ou  controle  de doenças  e  promoção  da  qualidade  de  vida,  buscando  impacto  nos determinantes  de  saúde  com  recorte  étnico-racial  e  de  gênero;

Área II:

Capacitação  de  recursos  humanos:  Realização  de  cursos;  seminários;  palestras;  formação  e  capacitação  em serviços destinados à qualificação de profissionais de saúde/gestão de serviços,  de  acordo  com  as  necessidades  identificadas  pelos  gestores do  SUS  e  Política  Nacional  de  Educação  na  Saúde,  em  consonância com  as  diretrizes  traçadas  pelo  Ministério  da  Saúde;

Área III

Pesquisas  de  interesse  público  em  saúde:  Pesquisas  relacionadas  à  promoção  e  à  recuperação  da saúde,  prevenção  de  doenças  e  agravos;  monitoramento;  avaliação; mensuração  de  resultados  de  políticas/programas  de  saúde  com  recorte  étnico-racial  e  de  gênero;  ou

Área IV

Desenvolvimento  de  técnicas  e  operação  de  gestão  em serviços  de  saúde:  Desenvolvimento  e  implantação  de  técnicas  operacionais,  sistemas  e  tecnologias  da  informação  e  avaliação  de  projetos alinhados com a gestão de serviços de saúde vinculados ao SUS; da racionalização de custos e ampliação da eficiência operacional dos serviços  e  sistemas  regionais,  com  o  desenvolvimento  de  controle  de doenças  no  âmbito  populacional,  avançando  nas  metodologias  estruturadas  em  torno  de  metas  em  qualidade  de  vida  e  saúde,  incluindo,  se  necessário,  a  compra  de  materiais,  desenvolvimento  de softwares  e  equipamentos  requeridos  para  a  melhor  operação  das áreas acima referidas, bem como a efetivação de adequações físicas e de  instalações  necessárias  a  essas  incorporações.

A partir do Triênio 2018-2020, os projetos executados no Programa também devem ter suas ações alinhadas a pelo menos um dos objetivos e metas do Plano Nacional de Saúde (PNS), vigência 2016-2019.


OBJETIVOS E METAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE 2016-2019:

  1. Ampliar e qualificar o acesso aos serviços de saúde, em tempo adequado, com ênfase na humanização, equidade e no atendimento das necessidades de saúde, aprimorando a política de atenção básica e especializada, ambulatorial e hospitalar.
  2. Aprimorar e implantar as Redes de Atenção à Saúde nas regiões de saúde, com ênfase na articulação da Rede de Urgência e Emergência, Rede Cegonha, Rede de Atenção Psicossocial, Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência, e da Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas
  3. Promover o cuidado integral às pessoas nos ciclos de vida (criança, adolescente, jovem, adulto e idoso), considerando as questões de gênero, orientação sexual, raça/etnia, situações de vulnerabilidade, as especificidades e a diversidade na atenção básica, nas redes temáticas e nas redes de atenção à saúde.
  4. Reduzir e prevenir riscos e agravos à saúde da população, considerando os determinantes sociais, por meio das ações de vigilância, promoção e proteção, com foco na prevenção de doenças crônicas não transmissíveis, acidentes e violências, no controle das doenças transmissíveis e na promoção do envelhecimento saudável.
  5. Promover a atenção à saúde dos povos indígenas, aprimorando as ações de atenção básica e de saneamento básico nas aldeias, observando as práticas de saúde e os saberes tradicionais, e articulando com os demais gestores do SUS para prover ações complementares e especializadas, com controle social.
  6. Ampliar o acesso da população a medicamentos, promover o uso racional e qualificar a assistência farmacêutica no âmbito do SUS.
  7. Promover a produção e a disseminação do conhecimento científico e tecnológico, análises de situação de saúde, inovação em saúde e a expansão da produção nacional de tecnologias estratégicas para o SUS.
  8. Aprimorar o marco regulatório e as ações de vigilância sanitária, para assegurar a proteção à saúde e o desenvolvimento sustentável do setor.
  9. Aprimorar o marco regulatório da Saúde Suplementar, estimulando soluções inovadoras de fiscalização e gestão, voltadas para a eficiência, acesso e qualidade na atenção à saúde, considerando o desenvolvimento sustentável do setor.
  10. Promover, para as necessidades do SUS, a formação, a educação permanente, a qualificação, a valorização dos trabalhadores, a desprecarização e a democratização das relações de trabalho.
  11. Fortalecer as instâncias do controle social e os canais de interação com o usuário, com garantia de transparência e participação cidadã.
  12. Aprimorar a relação interfederativa e a atuação do Ministério da Saúde como gestor federal do SUS.
  13. Melhorar o padrão de gasto, qualificar o financiamento tripartite e os processos de transferência de recursos, na perspectiva do financiamento estável e sustentável do SUS.

Plano Nacional de Saúde 2016-2019 (PDF)

Fim do conteúdo da página