Ir direto para menu de acessibilidade.
Situações Emergenciais em Saúde
    Você está aqui:
  1. Página inicial
  2. >
  3. Ações e Programas
  4. >
  5. Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP)
  6. >
  7. Abril pela Segurança do Paciente
Início do conteúdo da página

Segurança do Paciente

Campanha Abril pela Segurança do Paciente

Escrito por Leonardo | Publicado: Segunda, 11 de Abril de 2016, 10h37 | Última atualização em Quinta, 29 de Março de 2018, 17h12

A Campanha

Este espaço é dedicado às ações voltadas à Segurança do Paciente desenvolvidas no Brasil.

A proposta é marcar abril como o mês da Segurança do Paciente. O lançamento do Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP) aconteceu em 1º de Abril de 2013 por meio da Portaria GM/MS nº 529.

A ocasião é um excelente momento para enfatizar a segurança do paciente e as iniciativas desenvolvidas em nosso país. É uma forma de compartilhar conhecimento e práticas seguras, além de divulgar o papel dos serviços, profissionais e universidades na promoção da segurança do paciente.

Vários países já realizaram campanhas com a finalidade de conscientização da importância do tema. Cada um de nós pode melhorar a segurança do paciente, seja profissional de saúde, trabalhador, usuário e acompanhante.

O sucesso da campanha depende da participação de todos nesse movimento.Compartilhe suas experiências entre si e conosco. Faça parte dessa atividade em prol da segurança do paciente.

O e-mail para envio das iniciativas é: abrilsegpaciente@saude.gov.br

Comunicação Digital

Divulgue a campanha: todos fazem a diferença pela segurança do paciente! Os serviços e profissionais de saúde podem promover a divulgação do seu jeito, no seu ritmo compartilhando as peças.

Faça o download das peças da campanha - PDF . JPG . PNG

Como participar

Encaminhe suas experiências: Podem ser encaminhadas qualquer iniciativa produzida por universidades, serviços de saúde, profissionais que possam ser compartilhadas, enfatizando a temática da segurança do paciente e as práticas seguras.

Conheça: Conheça o Programa Nacional de Segurança do Paciente, e as experiências divulgadas.

Inspire-se: Aprimore e replique as ideias e multiplique as experiências divulgadas. Gere e transforme o conhecimento sobre a segurança do paciente.

Compartilhe: Compartilhe as iniciativas da campanha nos serviços, universidades e entre profissionais difundindo a segurança do paciente e as práticas seguras.

Como posso participar da campanha?
Você pode enviar vídeos, textos, fotos, eventos, webinar, cursos ou depoimentos gravados em vídeos.

Quem pode enviar arquivos para avaliação?
As iniciativas enviadas podem ser de trabalhadores da saúde, seja de universidade, dos serviços de saúde, ou da gestão (secretarias de saúde e vigilância) desde que estejam de acordo com o escopo do Programa Nacional de Segurança do Paciente.

Qual é o formato dos arquivos a serem enviados?
O formato dos arquivos enviados será unicamente de links de acesso público (Ex: Youtube, VImeo, Tumblr, Instagran, Facebook, revistas digitais).
O e-mail para envio das iniciativas é: abrilsegpaciente@saude.gov.br
ATENÇÃO: Em razão da capacidade de recebimento dos conteúdos e diretrizes de uso de e-mail institucional, mensagens com anexo serão bloqueados.

Todas as iniciativas serão divulgadas?
As iniciativas recebidas serão avaliadas de acordo com critérios de inclusão/ exclusão.

Critérios de inclusão:
Resposta SIM a questão 4 do FAQ;
Qualidade de vídeo ou imagem;
Texto claro e objetivo;
Disponibilidade de conteúdo de utilização livre, preservada a identidade autoral.

Critérios de exclusão:
Material de marketing promocional de empresas;
Iniciativas de autopromoção de empresas privadas;
Textos de autopromoção individual;
Marketing de cursos.

Perguntas Frequentes

Tire suas dúvidas sobre a campanha ou conheça mais o Programa Nacional de Segurança do Paciente

Do que se trata o tema Segurança do Paciente?
A Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2004, demonstrando preocupação com a situação criou a World Alliance for Patient Safety. Os objetivos desse programa, (que passou a chamar-se Patient Safety Program) eram, entre outros, organizar os conceitos e as definições sobre segurança do paciente e propor medidas para reduzir os riscos e mitigar os eventos adversos.

Em diferentes pesquisas, foram encontradas de 17 a 24 diferentes definições de erro em saúde e 14 de evento adverso, o que motivou a OMS a desenvolver a Classificação Internacional de Segurança do Paciente (International Classification for Patient Safety – ICPS). O Centro Colaborador para a Qualidade do Cuidado e a Segurança do Paciente29 traduziu os conceitos chave do ICPS para a língua portuguesa.

Nesse contexto, o Ministério da Saúde instituiu o Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP), por meio da Portaria MS/GM nº 529, de 1° de abril de 2013, com o objetivo geral de contribuir para a qualificação do cuidado em saúde, em todos os estabelecimentos de Saúde do território nacional, quer públicos, quer privados, de acordo com prioridade dada à segurança do paciente em estabelecimentos de Saúde na agenda política dos estados-membros da OMS e na resolução aprovada durante a 57a Assembleia Mundial da Saúde.

O desenvolvimento de estratégias para a segurança do paciente neste País depende do conhecimento e do cumprimento do conjunto de normas e regulamentos que regem o funcionamento dos estabelecimentos de Saúde, condição básica para que estes estabelecimentos possam dar novos passos, como a elaboração de planos locais de qualidade e segurança do paciente, com ações monitoradas por indicadores, gerido por uma instância (núcleo) responsável e de uma política de estímulo à utilização rotineira de protocolos e diretrizes clínicas.

O PNSP não pode ser visto como a única medida capaz de mudar esse quadro. Ao contrário, suas ações devem se articular aos esforços de políticas de Saúde que objetivam desenvolver: linhas de cuidado em redes de atenção; ações organizadas conforme contratos por região; reorientação do sistema, a partir da atenção básica; ações reguladas e melhoria do financiamento da saúde. Se, por um lado, o PNSP tem seus limites, por outro, pode ter uma função impulsionadora das demais políticas, considerando sua potencialidade de promover o protagonismo dos profissionais e das equipes nos processos de qualificação do cuidado.

Até quando a campanha ficará no ar?
A campanha ficará no ar durante todo o ano, e seus conteúdos serão atualizados frequentemente.

Qual é o papel do Ministério da Saúde nesta campanha?
O Ministério da Saúde é o promotor da campanha e fará a avaliação e divulgação das iniciativas enviadas no hotsite.

Fim do conteúdo da página