Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
  • Ações preventivas de saúde da mulher são realizadas na região do Alto Rio Negro (AM)

    Sesai/MS promove atividade com ações coletivas para avaliação ginecológica e prevenção de câncer de colo do útero

    Com o objetivo de garantir a continuidade do acompanhamento ginecológico de mulheres indígenas do Alto Rio Negro, no extremo oeste do Amazonas, a Secretaria Especial de Saúde Indígena do Ministério da Saúde (Sesai/MS) realiza, nesta semana, mais um mutirão de ações para o cuidado da saúde da mulher.

    Nesse ano, em articulação com o Projeto Xingu, a Sesai/MS promove uma nova ação coletiva para avaliação ginecológica e prevenção ao colo do útero, que também é realizada no município de São Gabriel da Cachoeira (AM).  No ano passado, equipes de saúde do Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) Alto Rio Negro e médicos e enfermeiros dos Expedicionários da Saúde (EDS), com apoio do Exército Brasileiro, realizaram pela primeira vez a atividade.

    O objetivo da ação é ofertar avaliação ginecológica e exames de colposcopia, serviço não disponível na rede local de atenção, com o intuito de garantir assistência qualificada, promover resolutividade e cuidado integral, reduzindo a necessidade de períodos de longa permanência das mulheres indígenas fora de seus domicílios, bem como o deslocamento de seus familiares e filhos pequenos até a capital.

    Box Title

    Foto: Sesai-MS/Divulgação

    Legenda: Ministério da Saúde realiza mais um mutirão de ações para o cuidado da saúde de mulheres indígenas Alto Rio Negro (AM)

    Estão previstos mais de 30 atendimentos para mulheres indígenas de 25 etnias, com idades entre 20 e 68 anos, que moram em diversas comunidades.  O acompanhamento está sendo realizado por uma médica especialista, auxiliada por uma servidora da Sesai/MS e profissionais do DSEI ARN. Após os exames, havendo necessidade de acompanhamento ou prosseguimento de tratamento de maior complexidade, as indígenas terão seu encaminhamento médico garantido para a rede estadual de saúde.

    O DSEI Alto Rio Negro, no extremo oeste do Amazonas, atende a uma população com quase 42 mil indígenas, sendo 20.483 mulheres.

    Ação anterior

    A ação realizada em 2017 foi inédita na região e possibilitou que 65 mulheres, residentes em comunidades afastadas do município, recebessem avaliação ginecológica, com encaminhamento imediato para Cirurgias de Alta Frequência (CAF) em 16 delas.  O procedimento é uma intervenção cirúrgica que demora em média 30 minutos, e que ajuda a diminuir em até 100% as chances de desenvolvimento do câncer de colo do útero.

    Ações de saúde da mulher na região

    O trabalho das equipes do DSEI ARN com foco na saúde das mulheres indígenas envolve inúmeras outras ações. Enfermeiros, médicos e agentes de saúde indígena realizam ações educativas, como rodas de conversa nas comunidades, para esclarecimentos sobre métodos preventivos de doenças sexualmente transmissíveis e outros cuidados para a saúde feminina, como exames preventivos de papanicolau e autoexame de mama, além da orientação para o planejamento familiar e gestação de risco, principalmente para mulheres jovens.

    Sesai e a saúde da mulher  

    Em 2017, a fim de ampliar as discussões acerca da atenção à saúde ofertada às mulheres indígenas, a SESAI apoiou a realização da 1ª Conferência Livre de Saúde das Mulheres Indígenas, que resultou em um conjunto de 69 propostas, reunidas na Carta das Mulheres. Além disso, a conferência livre fortaleceu a participação das mulheres indígenas no processo da 2ª Conferência Nacional de Saúde das Mulheres, realizada em agosto do ano passado.

    As propostas que compõem a Carta das Mulheres foram organizadas em 9 tópicos: Pré-natal, parto e puerpério; planejamento familiar; Prevenção das Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) e do câncer de colo de útero; Saúde mental e prevenção da violência contra as mulheres indígenas; Contratação, formação e capacitação dos profissionais de saúde que atendem às populações indígenas; Atendimento nas unidades de referência do SUS nos estados e municípios; Gestão e controle social da saúde indígena; Alimentação, acesso à água e sustentabilidade; e Impactos de empreendimentos à saúde.

    A área de saúde das mulheres da Sesai/MS, em consonância com a Constituição Federal e determinações das Leis Orgânicas, atribui grande valor às instâncias populares na fiscalização e controle das ações do Estado, considerando as especificidades de cada grupo étnico para a organização da atenção à saúde. Dessa forma, a Secretaria, além de desenvolver as ações previstas em anos anteriores, vem se reorganizando de forma a atender aos anseios apresentados pelas mulheres indígenas nas propostas contidas na carta e seguidas de demandas de todas localidades do país.

    Por Tiago Pegon, do Nucom Sesai 
    Atendimento à imprensa  
    (61) 3315-3580 / 2745 / 2351

  • Acompanhe ao vivo o 1º Ciclo de Estudos de 2018

    Encontro  tratará de temas relacionados à saúde da mulher

    Acompanhe agora, ao vivo, o 1º Ciclo de Estudos de 2018 realizado pela Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS). O tema do evento são os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e indicadores relacionados à Saúde da Mulher. O evento será realizado no auditório do Edifício PO 700, entre 15h e 17h.

    Entre os temas que serão discutidos esta a adequação do pré-natal e indicações de cesária por grupo de risco epidemiológico e questões sobre estupro e gravidez de adolescentes no Brasil. Na oportunidade será apresentada uma análise de dados, entre 2000 e 2015, sobre a mortalidade materna no Brasil.

    Na edição, estarão presentes como palestrantes as representantes da SVS, Ana Cláudia Medeiros de Souza, Isabella Vitral Pinto e Denise Lopes Porto, e a representante da Universidade de Brasília (UnB), Daphne Rattner, e da Secretaria de Atenção à Saúde (SAS/MS), Gracielly Alves Delgado. O mediador da sessão será o coordenador de Informação e Análise Epidemiológica (CGIAE/SVS/MS), Dácio de Lyra Rabello Neto.

    Após a realização das palestras, tanto os participantes presentes, quanto os que acompanharem o debate pela internet, poderão interagir com os palestrantes, tirar dúvidas e trazer contribuições. As questões poderão ser enviadas para o e-mail ciclodeestudos.svs@saude.gov.br ou pelo Whats App (61) 99621-9822 e serão respondidas ao vivo.

    Acompanhe o evento pela internet

    Por Núcleo de Comunicação da SVS
    Atendimento à imprensa 
    (61) 3315-3580 / 2745 / 2351

  • Acre recebe investimento para aprimorar assistência farmacêutica

    O recurso no valor de R$ 12 mil será destinado paraimplementação e integração dos serviços, de dois municípios. O montante poderá ser utilizado para conectividade e contratação de novos profissionais

    No estado do Acre, os municípios de Bujari e Porto Walter receberão um incentivo financeiro do Ministério da Saúde para aprimorar a qualidade e estrutura dos serviços farmacêuticos das unidades de saúde. São R$ 12 mil para o estado, sendo R$ 6 mil para cada município beneficiado. A iniciativa faz parte do Programa Nacional de Qualificação da Assistência Farmacêutica no âmbito do Sistema Único de Saúde (Qualifar-SUS). O recurso também poderá ser destinado para a contratação de novos profissionais e aprimoramento dos serviços de conectividade dos locais, para dar maior agilidade no atendimento à população e uma melhor organização dos estoques de medicamentos. O recurso foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) da última segunda-feira (20/11).

    No total, o Ministério da Saúde destinou cerca de R$ 6,1 milhões para mais de mil municípios do país. A ampliação no investimento e no aprimoramento da informatização é um dos principais objetivos do Ministério da Saúde.A estratégia de qualificar os serviços de saúde integra o conjunto de investimentos já realizados por meio do Projeto de Qualificação da Assistência Farmacêutica e Intervenção Sistêmica da Assistência Farmacêutica nas Redes de Atenção à Saúde – QualiSUS-Rede. O projeto foi desenvolvido em 15 regiões do país, em 486 municípios, com entrega de computadores, realização de pesquisa diagnóstica sobre os serviços farmacêuticos e ofertas educacionais na modalidade à distância para mais de 5 mil profissionais de saúde. Desde a criação do QualiSUS-Rede, em 2012, a pasta já designou mais de R$ 105 milhões para 1.582 municípios.

    Para ver a lista completa de municípios contemplados clique aqui.

    O PROGRAMA- Para participar do Qualifar-SUS, o município deve fazer parte de programas da Atenção Básica, como o Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ), Programa de Requalificação das Unidades Básicas de Saúde (Requalifica UBS), e o Hórus, sistema de Assistência Farmacêutica que permite o controle da compra, armazenamento, distribuição e dispensação dos medicamentos.

    Organizado em quatro eixos (estrutura, educação, informação e cuidado), o programa engloba desde investimentos na estruturação dos serviços farmacêuticos até ações de cuidado ao usuário. A proposta é contribuir para o aprimoramento, implementação e integração das atividades da assistência farmacêutica nas ações e serviços de saúde, visando uma atenção contínua, integral, segura, responsável e humanizada.

    UF

    Município

    Valor

    AC

    BUJARI

    R$ 6.000,00

    AC

    PORTO WALTER

    R$ 6.000,00

    Por Victor Araújo, da Agência Saúde
    Atendimento à Imprensa - (61) 3315-3174/3580

  • Alagoas recebe incentivo para aprimorar assistência farmacêutica

    O recurso no valor de R$ 282 mil será destinado paraimplementação e integração dos serviços, de 47 municípios. O montante poderá ser utilizado para conectividade e contratação de novos profissionais

    No estado de Alagoas, 47 municípios receberão incentivo financeiro do Ministério da Saúde para aprimorar a qualidade e estrutura dos serviços farmacêuticos nas unidades de saúde. São 282 mil para o estado, sendo R$ 6 mil para cada município beneficiado. A iniciativa faz parte do Programa Nacional de Qualificação da Assistência Farmacêutica no âmbito do Sistema Único de Saúde (Qualifar-SUS). O recurso também poderá ser destinado para a contratação de novos profissionais, além do aprimoramento dos serviços de conectividade dos locais, para dar maior agilidade no atendimento à população e uma melhor organização dos estoques de medicamentos. O recurso foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) da última segunda-feira (20/11).

    No total, o Ministério da Saúde destinou cerca de R$ 6,1 milhões para mais de mil municípios do país. A ampliação no investimento e no aprimoramento da informatização é um dos principais objetivos do Ministério da Saúde. A estratégia de qualificar os serviços de saúde integra o conjunto de investimentos já realizados por meio do Projeto de Qualificação da Assistência Farmacêutica e Intervenção Sistêmica da Assistência Farmacêutica nas Redes de Atenção à Saúde – QualiSUS-Rede. O projeto foi desenvolvido em 15 regiões do país, em 486 municípios, com entrega de computadores, realização de pesquisa diagnóstica sobre os serviços farmacêuticos e ofertas educacionais na modalidade à distância para mais de 5 mil profissionais de saúde. Desde a criação do QualiSUS-Rede, em 2012, a pasta já designou mais de R$ 105 milhões para 1.582 municípios.

    Para ver a lista completa de municípios contemplados clique aqui.

    O PROGRAMA- Para participar do Qualifar-SUS, o município deve fazer parte de programas da Atenção Básica, como o Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ), Programa de Requalificação das Unidades Básicas de Saúde (Requalifica UBS), e o Hórus, sistema de Assistência Farmacêutica que permite o controle da compra, armazenamento, distribuição e dispensação dos medicamentos.

    Organizado em quatro eixos (estrutura, educação, informação e cuidado), o programa engloba desde investimentos na estruturação dos serviços farmacêuticos até ações de cuidado ao usuário. A proposta é contribuir para o aprimoramento, implementação e integração das atividades da assistência farmacêutica nas ações e serviços de saúde, visando uma atenção contínua, integral, segura, responsável e humanizada.

    AL

    ÁGUA BRANCA

     R$           6.000,00

    AL

    ANADIA

     R$           6.000,00

    AL

    BATALHA

     R$           6.000,00

    AL

    BELO MONTE

     R$           6.000,00

    AL

    CACIMBINHAS

     R$           6.000,00

    AL

    CAMPO GRANDE

     R$           6.000,00

    AL

    CANAPI

     R$           6.000,00

    AL

    CHÃ PRETA

     R$           6.000,00

    AL

    COITÉ DO NÓIA

     R$           6.000,00

    AL

    CRAÍBAS

     R$           6.000,00

    AL

    DELMIRO GOUVEIA

     R$           6.000,00

    AL

    DOIS RIACHOS

     R$           6.000,00

    AL

    ESTRELA DE ALAGOAS

     R$           6.000,00

    AL

    FEIRA GRANDE

     R$           6.000,00

    AL

    FELIZ DESERTO

     R$           6.000,00

    AL

    IGACI

     R$           6.000,00

    AL

    IGREJA NOVA

     R$           6.000,00

    AL

    INHAPI

     R$           6.000,00

    AL

    JACARÉ DOS HOMENS

     R$           6.000,00

    AL

    JARAMATAIA

     R$           6.000,00

    AL

    LAGOA DA CANOA

     R$           6.000,00

    AL

    LIMOEIRO DE ANADIA

     R$           6.000,00

    AL

    MAJOR ISIDORO

     R$           6.000,00

    AL

    MONTEIRÓPOLIS

     R$           6.000,00

    AL

    NOVO LINO

     R$           6.000,00

    AL

    OLHO D'ÁGUA DAS FLORES

     R$           6.000,00

    AL

    OLHO D'ÁGUA DO CASADO

     R$           6.000,00

    AL

    OLHO D'ÁGUA GRANDE

     R$           6.000,00

    AL

    OLIVENÇA

     R$           6.000,00

    AL

    PALESTINA

     R$           6.000,00

    AL

    PALMEIRA DOS ÍNDIOS

     R$           6.000,00

    AL

    PÃO DE AÇÚCAR

     R$           6.000,00

    AL

    PARICONHA

     R$           6.000,00

    AL

    PIAÇABUÇU

     R$           6.000,00

    AL

    POÇO DAS TRINCHEIRAS

     R$           6.000,00

    AL

    PORTO DE PEDRAS

     R$           6.000,00

    AL

    PORTO REAL DO COLÉGIO

     R$           6.000,00

    AL

    QUEBRANGULO

     R$           6.000,00

    AL

    SANTANA DO IPANEMA

     R$           6.000,00

    AL

    SÃO BRÁS

     R$           6.000,00

    AL

    SÃO JOSÉ DA TAPERA

     R$           6.000,00

    AL

    SÃO SEBASTIÃO

     R$           6.000,00

    AL

    SENADOR RUI PALMEIRA

     R$           6.000,00

    AL

    TANQUE D'ARCA

     R$           6.000,00

    AL

    TAQUARANA

     R$           6.000,00

    AL

    TRAIPU

     R$           6.000,00

    AL

    VIÇOSA

     R$           6.000,00

    Por Victor Araújo, da Agência Saúde
    Atendimento à Imprensa - (61) 3315-3174/3580

  • Amapá recebe incentivo para aprimorar assistência farmacêutica

    O recurso no valor de R$ 6 mil será destinado para implementação e integração dos serviços, do município de Vitória do Jeri. O montante poderá ser utilizado para conectividade e contratação de novos profissionais

    No estado do Amapá, o município de Vitória do receberá incentivo financeiro de R$ 6 mil, do Ministério da Saúde, para aprimorar a qualidade e estrutura dos serviços farmacêuticos de unidades de saúde. A iniciativa faz parte do Programa Nacional de Qualificação da Assistência Farmacêutica no âmbito do Sistema Único de Saúde (Qualifar-SUS). O recurso também poderá ser destinado para a contratação de novos profissionais ou para aprimoramento dos serviços de conectividade dos locais, para dar maior agilidade no atendimento à população e uma melhor organização dos estoques de medicamentos. O recurso foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) da última segunda-feira (20/11).

    No total, o Ministério da Saúde destinou cerca de R$ 6,1 milhões para mais de mil municípios do país. A ampliação no investimento e no aprimoramento da informatização é um dos principais objetivos do Ministério da Saúde.A estratégia de qualificar os serviços de saúde integra o conjunto de investimentos já realizados por meio do Projeto de Qualificação da Assistência Farmacêutica e Intervenção Sistêmica da Assistência Farmacêutica nas Redes de Atenção à Saúde – QualiSUS-Rede. O projeto foi desenvolvido em 15 regiões do país, em 486 municípios, com entrega de computadores, realização de pesquisa diagnóstica sobre os serviços farmacêuticos e ofertas educacionais na modalidade à distância para mais de 5 mil profissionais de saúde. Desde a criação do QualiSUS-Rede, em 2012, a pasta já designou mais de R$ 105 milhões para 1.582 municípios.

    Para ver a lista completa de municípios contemplados clique aqui.

    O PROGRAMA- Para participar do Qualifar-SUS, o município deve fazer parte de programas da Atenção Básica, como o Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ), Programa de Requalificação das Unidades Básicas de Saúde (Requalifica UBS), e o Hórus, sistema de Assistência Farmacêutica que permite o controle da compra, armazenamento, distribuição e dispensação dos medicamentos.

    Organizado em quatro eixos (estrutura, educação, informação e cuidado), o programa engloba desde investimentos na estruturação dos serviços farmacêuticos até ações de cuidado ao usuário. A proposta é contribuir para o aprimoramento, implementação e integração das atividades da assistência farmacêutica nas ações e serviços de saúde, visando uma atenção contínua, integral, segura, responsável e humanizada.

    Por Victor Araújo, da Agência Saúde
    Atendimento à Imprensa - (61) 3315-3174/3580

     

     

  • Amazonas recebe investimento para aprimorar assistência farmacêutica

    O recurso no valor de R$ 30 mil será destinado paraimplementação e integração dos serviços, de cinco municípios. O montante poderá ser utilizado para conectividade e contratação de novos profissionais

    No estado do Amazonas, cinco municípios receberão um reforço do Ministério da Saúde para aprimorar a qualidade e estrutura dos serviços farmacêuticos das unidades de saúde. São R$ 30 mil para estado, sendo R$ 6 mil para os municípios de Anamã, Beruri, Borba, Eirunepé e Nhamundá. A iniciativa faz parte do Programa Nacional de Qualificação da Assistência Farmacêutica no âmbito do Sistema Único de Saúde (Qualifar-SUS). O recurso também poderá ser destinado para a contratação de novos profissionais e aprimoramento dos serviços de conectividade dos locais, para dar maior agilidade no atendimento à população e uma melhor organização dos estoques de medicamentos. O recurso foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) da última segunda-feira (20/11).

    No total, o Ministério da Saúde destinou cerca de R$ 6,1 milhões para mais de mil municípios do país. A ampliação no investimento e no aprimoramento da informatização é um dos principais objetivos do Ministério da Saúde. A estratégia de qualificar os serviços de saúde integra o conjunto de investimentos já realizados por meio do Projeto de Qualificação da Assistência Farmacêutica e Intervenção Sistêmica da Assistência Farmacêutica nas Redes de Atenção à Saúde – QualiSUS-Rede. O projeto foi desenvolvido em 15 regiões do país, em 486 municípios, com entrega de computadores, realização de pesquisa diagnóstica sobre os serviços farmacêuticos e ofertas educacionais na modalidade à distância para mais de 5 mil profissionais de saúde. Desde a criação do QualiSUS-Rede, em 2012, a pasta já designou mais de R$ 105 milhões para 1.582 municípios.

    Para ver a lista completa de municípios contemplados clique aqui.

    O PROGRAMA- Para participar do Qualifar-SUS, o município deve fazer parte de programas da Atenção Básica, como o Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ), Programa de Requalificação das Unidades Básicas de Saúde (Requalifica UBS), e o Hórus, sistema de Assistência Farmacêutica que permite o controle da compra, armazenamento, distribuição e dispensação dos medicamentos.

    Organizado em quatro eixos (estrutura, educação, informação e cuidado), o programa engloba desde investimentos na estruturação dos serviços farmacêuticos até ações de cuidado ao usuário. A proposta é contribuir para o aprimoramento, implementação e integração das atividades da assistência farmacêutica nas ações e serviços de saúde, visando uma atenção contínua, integral, segura, responsável e humanizada.

    AM

    ANAMÃ

     R$           6.000,00

    AM

    BERURI

     R$           6.000,00

    AM

    BORBA (PILOTO)

     R$           6.000,00

    AM

    EIRUNEPÉ

     R$           6.000,00

    AM

    NHAMUNDÁ

     R$           6.000,00

    Por Victor Maciel, da Agência Saúde
    Atendimento à Imprensa - (61) 3315-3174/3580

     

  • Bahia recebe investimento para aprimorar assistência farmacêutica

    O recurso no valor de R$ 840 mil será destinado paraimplementação e integração dos serviços, de 139 municípios. O montante poderá ser utilizado para conectividade e contratação de novos profissionais

    No estado do Bahia, 139 municípios receberão incentivo financeiro do Ministério da Saúde para aprimorar a qualidade e estrutura dos serviços farmacêuticos de unidades de saúde. São R$ 840 mil para o estado, sendo R$ 6 mil para cada município. A iniciativa faz parte do Programa Nacional de Qualificação da Assistência Farmacêutica no âmbito do Sistema Único de Saúde (Qualifar-SUS). O recurso também poderá ser destinado para a contratação de novos profissionais e aprimoramento dos serviços de conectividade dos locais, para dar maior agilidade no atendimento à população e uma melhor organização dos estoques de medicamentos. O recurso foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) da última segunda-feira (20/11).

    No total, o Ministério da Saúde destinou cerca de R$ 6,1 milhões para mais de mil municípios do país. A ampliação no investimento e no aprimoramento da informatização é um dos principais objetivos do Ministério da Saúde. A estratégia de qualificar os serviços de saúde integra o conjunto de investimentos já realizados por meio do Projeto de Qualificação da Assistência Farmacêutica e Intervenção Sistêmica da Assistência Farmacêutica nas Redes de Atenção à Saúde – QualiSUS-Rede. O projeto foi desenvolvido em 15 regiões do país, em 486 municípios, com entrega de computadores, realização de pesquisa diagnóstica sobre os serviços farmacêuticos e ofertas educacionais na modalidade à distância para mais de 5 mil profissionais de saúde. Desde a criação do QualiSUS-Rede, em 2012, a pasta já designou mais de R$ 105 milhões para 1.582 municípios.

    Para ver a lista completa de municípios contemplados clique aqui.

    O PROGRAMA- Para participar do Qualifar-SUS, o município deve fazer parte de programas da Atenção Básica, como o Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ), Programa de Requalificação das Unidades Básicas de Saúde (Requalifica UBS), e o Hórus, sistema de Assistência Farmacêutica que permite o controle da compra, armazenamento, distribuição e dispensação dos medicamentos.

    Organizado em quatro eixos (estrutura, educação, informação e cuidado), o programa engloba desde investimentos na estruturação dos serviços farmacêuticos até ações de cuidado ao usuário. A proposta é contribuir para o aprimoramento, implementação e integração das atividades da assistência farmacêutica nas ações e serviços de saúde, visando uma atenção contínua, integral, segura, responsável e humanizada.

    BA

    BOA VISTA DO TUPIM

     R$           6.000,00

    BA

    ÁGUA FRIA

     R$           6.000,00

    BA

    ARACI

     R$           6.000,00

    BA

    LAMARÃO

     R$           6.000,00

    BA

    NORDESTINA

     R$           6.000,00

    BA

    QUEIMADAS

     R$           6.000,00

    BA

    ANDARAÍ

     R$           6.000,00

    BA

    CAFARNAUM

     R$           6.000,00

    BA

    IBIPITANGA

     R$           6.000,00

    BA

    IRAQUARA

     R$           6.000,00

    BA

    MULUNGU DO MORRO

     R$           6.000,00

    BA

    SOUTO SOARES

     R$           6.000,00

    BA

    MACAJUBA

     R$           6.000,00

    BA

    UTINGA

     R$           6.000,00

    BA

    ANGUERA

     R$           6.000,00

    BA

    ANTÔNIO CARDOSO

     R$           6.000,00

    BA

    BAIXA GRANDE

     R$           6.000,00

    BA

    CAPELA DO ALTO ALEGRE

     R$           6.000,00

    BA

    IPECAETÁ

     R$           6.000,00

    BA

    MUNDO NOVO

     R$           6.000,00

    BA

    NOVA FÁTIMA

     R$           6.000,00

    BA

    PÉ DE SERRA

     R$           6.000,00

    BA

    PINTADAS

     R$           6.000,00

    BA

    TANQUINHO

     R$           6.000,00

    BA

    BARRA DO MENDES

     R$           6.000,00

    BA

    JOÃO DOURADO

     R$           6.000,00

    BA

    SÃO GABRIEL

     R$           6.000,00

    BA

    UIBAÍ

     R$           6.000,00

    BA

    CAÉM

     R$           6.000,00

    BA

    CALDEIRÃO GRANDE

     R$           6.000,00

    BA

    CAPIM GROSSO

     R$           6.000,00

    BA

    GAVIÃO

     R$           6.000,00

    BA

    JACOBINA

     R$           6.000,00

    BA

    MAIRI

     R$           6.000,00

    BA

    MIGUEL CALMON

     R$           6.000,00

    BA

    MIRANGABA

     R$           6.000,00

    BA

    MORRO DO CHAPÉU

     R$           6.000,00

    BA

    PIRITIBA

     R$           6.000,00

    BA

    QUIXABEIRA

     R$           6.000,00

    BA

    SAÚDE

     R$           6.000,00

    BA

    SERROLÂNDIA

     R$           6.000,00

    BA

    VÁRZEA DO POÇO

     R$           6.000,00

    BA

    VÁRZEA NOVA

     R$           6.000,00

    BA

    CABACEIRAS DO PARAGUAÇU

     R$           6.000,00

    BA

    CASTRO ALVES

     R$           6.000,00

    BA

    ELÍSIO MEDRADO

     R$           6.000,00

    BA

    ITATIM

     R$           6.000,00

    BA

    JAGUARIPE

     R$           6.000,00

    BA

    JIQUIRIÇÁ

     R$           6.000,00

    BA

    SANTA TERESINHA

     R$           6.000,00

    BA

    VARZEDO

     R$           6.000,00

    BA

    ARAÇÁS

     R$           6.000,00

    BA

    CONDE

     R$           6.000,00

    BA

    CRISÓPOLIS

     R$           6.000,00

    BA

    ENTRE RIOS

     R$           6.000,00

    BA

    RIO REAL

     R$           6.000,00

    BA

    BANZAÊ

     R$           6.000,00

    BA

    CIPÓ

     R$           6.000,00

    BA

    FÁTIMA

     R$           6.000,00

    BA

    HELIÓPOLIS

     R$           6.000,00

    BA

    OLINDINA

     R$           6.000,00

    BA

    QUIJINGUE

     R$           6.000,00

    BA

    RIBEIRA DO AMPARO

     R$           6.000,00

    BA

    GLÓRIA

     R$           6.000,00

    BA

    RODELAS

     R$           6.000,00

    BA

    SANTA BRÍGIDA

     R$           6.000,00

    BA

    ANDORINHA

     R$           6.000,00

    BA

    ANTÔNIO GONÇALVES

     R$           6.000,00

    BA

    ITIÚBA

     R$           6.000,00

    BA

    PONTO NOVO

     R$           6.000,00

    BA

    SENHOR DO BONFIM

     R$           6.000,00

    BA

    CURAÇÁ

     R$           6.000,00

    BA

    PILÃO ARCADO

     R$           6.000,00

    BA

    REMANSO

     R$           6.000,00

    BA

    SOBRADINHO

     R$           6.000,00

    BA

    UAUÁ

     R$           6.000,00

    BA

    ANGICAL

     R$           6.000,00

    BA

    BREJOLÂNDIA

     R$           6.000,00

    BA

    RIACHÃO DAS NEVES

     R$           6.000,00

    BA

    SÃO DESIDÉRIO

     R$           6.000,00

    BA

    TABOCAS DO BREJO VELHO

     R$           6.000,00

    BA

    WANDERLEY

     R$           6.000,00

    BA

    BOM JESUS DA LAPA

     R$           6.000,00

    BA

    CORRENTINA

     R$           6.000,00

    BA

    FEIRA DA MATA

     R$           6.000,00

    BA

    JABORANDI

     R$           6.000,00

    BA

    SÃO FÉLIX DO CORIBE

     R$           6.000,00

    BA

    BARRA

     R$           6.000,00

    BA

    IPUPIARA

     R$           6.000,00

    BA

    PARATINGA

     R$           6.000,00

    BA

    BARRA DO CHOÇA

     R$           6.000,00

    BA

    BELO CAMPO

     R$           6.000,00

    BA

    BOM JESUS DA SERRA

     R$           6.000,00

    BA

    CÂNDIDO SALES

     R$           6.000,00

    BA

    CONDEÚBA

     R$           6.000,00

    BA

    CORDEIROS

     R$           6.000,00

    BA

    ENCRUZILHADA

     R$           6.000,00

    BA

    MAETINGA

     R$           6.000,00

    BA

    PIRIPÁ

     R$           6.000,00

    BA

    PLANALTO

     R$           6.000,00

    BA

    POÇÕES

     R$           6.000,00

    BA

    PRESIDENTE JÂNIO QUADROS

     R$           6.000,00

    BA

    RIBEIRÃO DO LARGO

     R$           6.000,00

    BA

    BOTUPORÃ

     R$           6.000,00

    BA

    CACULÉ

     R$           6.000,00

    BA

    CARINHANHA

     R$           6.000,00

    BA

    GUAJERU

     R$           6.000,00

    BA

    GUANAMBI

     R$           6.000,00

    BA

    IBIASSUCÊ

     R$           6.000,00

    BA

    IGAPORÃ

     R$           6.000,00

    BA

    IUIÚ

     R$           6.000,00

    BA

    LICÍNIO DE ALMEIDA

     R$           6.000,00

    BA

    MATINA

     R$           6.000,00

    BA

    MORTUGABA

     R$           6.000,00

    BA

    PALMAS DE MONTE ALTO

     R$           6.000,00

    BA

    SEBASTIÃO LARANJEIRAS

     R$           6.000,00

    BA

    ITAPETINGA

     R$           6.000,00

    BA

    ITORORÓ

     R$           6.000,00

    BA

    POTIRAGUÁ

     R$           6.000,00

    BA

    BARRA DA ESTIVA

     R$           6.000,00

    BA

    BRUMADO

     R$           6.000,00

    BA

    DOM BASÍLIO

     R$           6.000,00

    BA

    ÉRICO CARDOSO

     R$           6.000,00

    BA

    IBICOARA

     R$           6.000,00

    BA

    MALHADA DE PEDRAS

     R$           6.000,00

    BA

    MIRANTE

     R$           6.000,00

    BA

    PARAMIRIM

     R$           6.000,00

    BA

    RIO DO PIRES

     R$           6.000,00

    BA

    CAMAMU

     R$           6.000,00

    BA

    IGRAPIÚNA

     R$           6.000,00

    BA

    NILO PEÇANHA

     R$           6.000,00

    BA

    TAPEROÁ

     R$           6.000,00

    BA

    TEOLÂNDIA

     R$           6.000,00

    BA

    PAU BRASIL

     R$           6.000,00

    BA

    CRAVOLÂNDIA

     R$           6.000,00

    BA

    ITIRUÇU

     R$           6.000,00

    BA

    JITAÚNA

     R$           6.000,00

    BA

    MANOEL VITORINO

     R$           6.000,00

    BA

    MARACÁS

     R$           6.000,00

    BA

    NOVA ITARANA

     R$           6.000,00

    Por Victor Maciel, da Agência Saúde
    Atendimento à Imprensa - (61) 3315-3174/3580

  • Bancos de armazenamento de cordão umbilical têm 23.850 unidades preservadas

    Rico em células-tronco, cordão umbilical pode ser armazenado e doado a pacientes que necessitam de transplante de medula óssea

     

     

    Você sabia que mais de 80 doenças podem ser tratadas por meio do transplante de células-tronco presentes no cordão umbilical de recém-nascidos?

    Isso porque o sangue de sua estrutura, rico em células-tronco hematopoéticas, pode ser coletado após o nascimento do bebê e armazenado para ser doado a pacientes que necessitam de transplante de medula óssea. O procedimento acontece de forma indolor e segura.

    Segundo a pediatra e neonatologista Marily Soriano, do Hospital Santa Luzia, em Brasília, "o transplante de medula óssea é indicado como tratamento de diversas doenças, como leucemias, linfomas, anemias graves, anemias congênitas, hemoglobinopatias, imunodeficiências congênitas e mieloma múltiplo".

    De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), até setembro de 2017, foram preservados 23.850 unidades de cordão umbilical nos bancos públicos do País e 186 unidades utilizadas em transplantes.

    Os bancos de sangue de cordão umbilical são os responsáveis pela obtenção, realização de exames, processamento, armazenamento e fornecimento de células-tronco hematopoéticas de sangue de cordão umbilical. O uso terapêutico desse material segue critérios da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

    Segundo a Anvisa, existem 13 bancos públicos e 19 bancos privados em atividade no País. Entre 2013 e 2016, observou-se a tendência de diminuição no número de unidades coletadas e armazenadas pelos bancos. A queda nas coletas foi de 48% para o setor privado e em torno de 30% para o setor público.

    Como aderir

    O Inca informa que os bancos da rede pública, unidos na chamada “Rede BrasilCord”, atuam em maternidades previamente selecionadas, nas quais, por meio de protocolo uniformizado, as gestantes são abordadas nos ambulatórios de pré-natal e no pré-parto.

    A elas são aplicados formulários que apresentam informações pessoais, da gestação do parto e do recém-nascido e um termo de consentimento informado.

    Essas gestantes são orientadas sobre a importância da doação do sangue do cordão umbilical por profissionais treinados pelos bancos. Também recebem informações sobre a segurança da doação para elas e para o bebê e são checados os exames realizados no pré-natal, a evolução da gestação e os fatores de risco.

    Os centros de saúde que realizam o procedimento e compõem a Rede Brasil Cord são: o Inca, no Rio de Janeiro; os Hospitais Albert Eisntein e Sírio Libanês, em São Paulo; além dos hemocentros de Campinas, Ribeirão Preto, Belo Horizonte, Belém, Fortaleza, Recife, Brasília, Porto Alegre, Curitiba e Florianópolis.

    Fonte: Governo do Brasil, com informações da Anvisa e Inca

  • Belo Horizonte (MG) ganha reforço de R$ 9,3 milhões para qualificar 97 leitos

     

    O recurso é destinado ao Hospital Metropolitano Dr. Célio de Castro (HMDCC), para melhoria dos serviços de urgência e emergência oferecidos por meio do SUS

    A população de Belo Horizonte (MG) ganhou um incremento de R$ 9,3 milhões destinado para qualificação de 97 novos leitos – sendo 87 de enfermaria clínica e 10 de UTI – do Hospital Metropolitano Dr. Célio de Castro (HMDCC). A portaria está disponível no Diário Oficial da União (D.O.U) e autoriza o repasse para melhorar os atendimentos de média e alta complexidade na urgência e emergência, além de atendimentos na clínica médica da unidade hospitalar, oferecidos por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

    “Tenho certeza que esse incremento chegou em boa hora e vai ajudar nos serviços oferecidos por esta instituição. A qualificação de serviços merece ser destacada e isso quer dizer que a unidade já presta um atendimento de ponta e agora faz jus a um recurso extra, ou seja, é um incentivo para que continue melhorando cada vez mais”, destacou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

    O HMDCC é um hospital geral sem fins lucrativos e possui contratualização com o município de Belo Horizonte. É uma unidade hospitalar voltada para urgência e emergência nas especialidades clínica, cirúrgica e AVC, sendo referência para atendimentos de alta complexidade em clínica médica, ortopedia, cirurgia geral, cirurgia vascular, neurocirurgia, neurologia e urologia. Atualmente, possui 260 leitos, sendo 100 de clínica médica, 40 de UTI, 80 cirúrgicos, 15 de AVC, 15 de Hospital Dia, 10 de decisão clínica e outras seis salas de cirurgia.

    Com capacidade para realizar 20 mil atendimentos e 2,2 mil internações, o hospital conta ainda com uma estrutura para exames de média e alta complexidade, como tomografia, biópsia guiada por imagem, endoscopia, colonoscopia, gastrostomia, CPRE (Colangiopancreatografia Retrógrada Endoscópica), ecocardiografia, raio-X e ultrassonografia. Por mês, a unidade ainda realiza 3,4 mil consultas de pré e pós-operatórios e 27,8 mil exames.

    “Nota-se a importância desse hospital para a população e para o SUS. Sabemos que todo investimento feito aqui é revertido diretamente para quem precisa da rede pública. Em uma parceria bem alinhada com os gestores dos estados e municípios, estamos conseguindo avançar na qualificação dos serviços de saúde oferecidos à população em todo o país”, completou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

    O Fundo Nacional de Saúde é responsável pela transferência dos recursos liberados. O valor será repassado em parcelas mensais de R$ 775 mil diretamente ao Fundo Municipal de Saúde de Belo Horizonte, totalizando o recurso anual de R$ 9,3 milhões.

    INVESTIMENTOS EM MINAS GERAIS – Apenas nesta gestão, o estado de Minas Gerais ganhou um incremento de R$ 1,1 bilhão para qualificação e ampliação dos serviços oferecidos à população. São recursos para o custeio e funcionamento de mil serviços de média e alta complexidade, 21 Unidades de Pronto Atendimento, 1.456 novas equipes de atenção básica e 2.201 Agentes Comunitários de Saúde. Atualmente, existem 5.225 Equipes de Saúde da Família credenciadas em 848 municípios de Minas Gerais, cobrindo 79,7% da população local (15,8 milhões de pessoa) ao custo de R$ 36,5 milhões por ano.

    Por Gustavo Frasão, da Agência Saúde
    Atendimento à imprensa
    (61) 3315- 3533 / 3580

     

  • Brasil apoia criação da rede de bancos de leite em oito países

    Assinatura do termo garante expansão da transferência de tecnologia para países da Comunidade de Língua Portuguesa (CPLP). Também será criado um grupo de trabalho para implementação do Telessaúde

    Reunião de ministros de saúde da CPLP. Brasília, 26/10/2017.

    Para incentivar a cooperação entre os países de língua portuguesa e a conciliação política em diversos setores, incluindo a saúde, o Brasil sedia, nesta quinta-feira (26), a IV Reunião de Ministros da Saúde da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em Brasília (DF). Durante o evento foi assinado um termo de cooperação entre os países membros para incentivar a criação de uma Rede de Bancos de Leite Humano. O Brasil será responsável pela transferência da tecnologia para Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. O Brasil já possui uma cooperação com quatros países da CPLP, que já adotam o modelo brasileiro de Banco de Leite: Angola, Cabo Verde, Moçambique e Portugal. A partir de agora todos os países da CPLP poderão atuar de forma integrada na criação de um banco de leite que atenda às necessidades da população.

    Para o ministro da Saúde, Ricardo Barros, a medida visa uma troca de experiências entre os países a fim de avançar na assistência ofertada à população. “Queremos multiplicar os bancos de leites em todos os países da CPLP. Precisamos garantir que nosso modelo seja adotado por outros serviços e é através da expansão da nossa tecnologia de coleta, armazenamento e distribuição que poderemos contribuir para essa ação. A criação da Rede de Bancos de Leite Humano e do grupo de trabalho em Telemedicina e Telessaúde, por exemplo, poderão impactar em aspectos como a redução da mortalidade infantil e a simplificação do acesso aos serviços de saúde”, reforçou o ministro Ricardo Barros.

    O Brasil é referência e possui a maior e mais complexa rede de banco de leite humano do mundo. O país possui 221 bancos de leite, em todos os estados e Distrito Federal, com 190 postos de coleta, além da coleta domiciliar. O modelo brasileiro é focado na promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno exclusivo até os seis meses, e a continuidade da amamentação por pelo menos dois anos. Em 2001, a Organização Mundial da Saúde (OMS) reconheceu a Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano como uma das ações que mais contribuíram para redução da mortalidade infantil no mundo, na década de 1990. De 1990 a 2012, a taxa de mortalidade infantil no Brasil teve redução de 70,5%.

    RÁDIO

    Além da criação de um Banco de Leite, os membros da CPLP aprovaram a criação de um grupo de trabalho para implementação do Telessaúde. Outras oito resoluções foram discutidas com base no tema “CPLP e Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável”. Os participantes dos países membros visam a criação de uma agenda estratégica para garantir uma troca de experiências exitosas na área da saúde. Em 2016, o Brasil assumiu a presidência da CPLP, por um período de dois anos.

    TECNOLOGIA ALIADA À SAÚDE – Outro tema debatido foi a criação de um Grupo de Trabalho (GT) permanente da CPLP em Telemedicina e Telessaúde. O GT contará com pontos focais de todos os países, que trabalharão para que o programa seja adotado e fortalecido como política de saúde nacional, bem como a promoção do intercâmbio de informações. Com isso, os países poderão compartilhar suas experiências, visando estabelecer a Telemedicina/Telessaúde como um instrumento para cobertura e acesso universal aos serviços de saúde, aproximando as populações aos cuidados de saúde, incluindo a prevenção, o diagnóstico, o tratamento e a reabilitação.

    O Telessaúde traz diversos benefícios, como a diminuição de riscos, agravos e custos com deslocamentos e remoções de pacientes, valorização e qualificação dos profissionais de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS), estímulo à fixação de profissionais em áreas remotas ou de difícil acesso, melhoria da resolubilidade nos serviços de atenção à saúde, e inclusão social e digital. Em 2017, foram realizados mais de 600 mil teleconsultorias e mais de quatro milhões de telediagnósticos.

    O programa tem atuado no Programa Mais Médicos onde, de 2013 a 2017, foram realizadas mais de 52 mil teleconsultorias e 80 mil telediagnósticos. O Telessaúde é uma potente ferramenta para o fortalecimento da Atenção Primária em Saúde como coordenadora da Rede de Atenção à Saúde, elevando a resolutividade do atendimento e ampliando as ofertas de Educação Permanente em Saúde, permitindo a qualificação adequada dos profissionais.

    PAUTAS EM DISCUSSÃO – Outros temas também foram abordados como avanços e desafios para a implementação da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, o novo ePORTUGUÊSe uma plataforma de apoio ao desenvolvimento de recursos humanos na área da saúde dos países de língua portuguesa, fortalecendo a colaboração na área da informação e capacitação.

    A cooperação técnica do Brasil no setor de saúde com os países de língua portuguesa tem ganhado destaque nos últimos anos, contando com 18 projetos em andamento em áreas como o combate ao HIV/AIDS, vigilância epidemiológica, formação de recursos humanos e saúde materno-infantil. Entre as principais iniciativas estão a implementação de Laboratório de Tuberculose em São Tomé e Príncipe. o Fortalecimento do Combate ao HIV/Aids em Guiné-Bissau, o apoio à redução da taxa de morbimortalidade por doença falciforme em Angola e o apoio ao desenvolvimento da Política Nacional de Saúde Oral de Moçambique.

    Por Camila Bogaz e Fernanda Lima, da Agência Saúde
    Atendimento à imprensa
    (61) 3315-3580

  • Brasil terá primeiro centro de treinamento em radioterapia

    Unidade faz parte de contrapartida da empresa no acordo com o Ministério da Saúde para o fornecimento de aceleradores lineares no país. Equipamento é o mais moderno no tratamento de câncer

    Foto: Erasmo Salomão

    “Com a construção dessa fábrica, em Jundiaí, parte dos 100 aceleradores lineares será fabricada no Brasil”, disse o ministro Ricardo Barros

    O primeiro centro de treinamento de radioterapia do Brasil entra em funcionamento nesta segunda-feira (20/11). A inauguração contou com a presença do Ministro da Saúde, Ricardo Barros. A unidade de capacitação faz parte do Acordo de Compensação Tecnológica (ACT) assinado entre a empresa e o Ministério da Saúde. A partir dessa parceria, será possível produzir no Brasil aceleradores lineares, equipamentos considerados mais modernos no tratamento do câncer e ampliar a oferta de tratamento da doença.

    “Fizemos a maior compra pública de aceleradores lineares do mundo: são 100 equipamentos, eram 80 e adicionamos mais 20. Com a construção dessa Fábrica, em Jundiaí, alguns desses equipamentos serão fabricados aqui, mas, principalmente, teremos manutenção, horas/ técnicos e peças para reposição com valores em reais. Esse centro de treinamento é fundamental nesse início, para que as pessoas se qualifiquem para operar os equipamentos que já começaram a ser entregues este ano no país”, enfatizou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

    Instalado em Jundiaí (SP) na fábrica da Varian Medical, a unidade tem capacidade de capacitar 1.500 pessoas por ano para manuseio de aceleradores lineares. O centro de capacitação vai auxiliar a expansão da radioterapia no país e internalizar a tecnologia, diminuindo os gastos públicos além da dependência do mercado externo. A empresa tem expectativa de oferecer regularmente 13 cursos, formando uma rede de treinamento em parceria com Universidades.

    O acordo com o Ministério da Saúde prevê investimentos de R$ 500 milhões para a aquisição de 80 aceleradores lineares e realização de projetos e obras. A produção nacional desses equipamentos vai viabilizar uma economia de aproximadamente R$ 25 milhões em relação ao que era realizado por meio de convênios. Desde o início deste acordo, a empresa já conseguiu concluir 42% do cumprimento das obrigações assumidas.

    Para ter um centro regional estratégico no mundo e o primeiro da América Latina, a Varian já investiu US$ 20 milhões. O complexo da empresa, que tem 4.700m2, compreenderá a sede na América Latina da Varian, o centro de treinamento e educação, além da produção de aceleradores lineares (equipamentos de radioterapia) e site de pesquisa e desenvolvimento de software.

    PLANO DE EXPANSÃO – A compra de aceleradores lineares faz parte do Plano de Expansão da Radioterapia, que tem como objetivo ampliar o acesso da população a procedimentos oncológicos SUS. O Ministério da Saúde já entregou cinco aceleradores lineares no país, beneficiando a população de Maceió (AL), Campina Grande (PB), Feira de Santana (BA) e Curitiba (PR). Em julho, o Hospital Universitário de Brasília (HUB) recebeu o quinto aparelho e deve colocar em funcionamento até o final deste mês.

    Cabe ressaltar que os aceleradores lineares são equipamentos de altíssima complexidade tecnológica e não podem ser instalados sem os devidos cuidados com a proteção radiológica. As instalações exigem espaço físico com características peculiares e distintas das construções tradicionais de estabelecimentos e unidades de saúde, uma vez que envolve, por exemplo, sistemas de climatização específicos, refrigeração da água, sistema elétrico diferenciado e maior espessura das paredes.

    ASSISTÊNCIA – A oferta da radioterapia no país é crescente. Em 2010, foram realizados 8,3 milhões procedimentos de radioterapia. Em 2016 foram 10,45 milhões, um aumento de 25,9%. Vale ressaltar que essa ampliação também é resultado do investimento realizado pelo Ministério da Saúde na compra de aceleradores lineares, por meio de convênios.

    A Pasta já ampliou, em seis anos, 46% os recursos para tratamentos oncológicos (cirurgias, radioterapias e quimioterapias), passando de R$ 2,27  bilhões, em 2010, para R$ 3,33 bilhões, em 2016. Em 2017, até o momento, foram investidos R$ 672,8 milhões. Somados a esses valores, há ainda os recursos relacionados às ações de média complexidade, como consulta com especialista e realização de exames, além dos medicamentos oncológicos.

    Por Victor Maciel, da Agência Saúde 
    Atendimento à imprensa – Ascom/MS 
    (61) 3315-3174/3580/2351

     

  • Caderno de Especificações para serviços de implantação de Prontuário Eletrônico

     
    ABERTURA
    ENCERRAMENTO

    Caderno de Especificações para serviços de implantação de Prontuário Eletrônico

    03/03/2017

    20/03/2017

  • Campanha de multivacinação vai beneficiar mais de 100 mil indígenas aldeados em todo o país

    Todos os imunobiológicos previstos no Calendário Nacional de Vacinação dos Povos Indígenas serão ofertados, especialmente para as áreas de mais difícil acesso

    O Ministério da Saúde começa, a partir deste sábado (21), a vacinar os 115 mil indígenas que vivem aldeados em todas as regiões do Brasil. A 12ª edição do Mês de Vacinação dos Povos Indígenas (MVPI), levará às áreas indígenas, especialmente as de difícil acesso e com baixas coberturas vacinais, todos os imunobiológicos previstos no Calendário Nacional de Vacinação dos Povos Indígenas. O lançamento ocorre sábado (21/4) na Aldeia Praia de Almofala, no município de Itarema (CE) e conta com a presença do secretário Especial de Saúde Indígena, Marco Antonio Toccolini, além de autoridades locais.

    Crédito: Alejandro Zambrana/Sesai/MS

    A Campanha de Multivacinação é realizada pelo Ministério da Saúde e integra a Semana Mundial de Vacinação, organizada pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS∕OMS). A campanha se estende até 20 de maio, abrange 1.012 comunidades e 138 etnias indígenas. Estarão envolvidos na ação mais de dois mil profissionais que compõem as Equipes Multidisciplinares de Saúde Indígena (EMSI), inclusive Agentes Indígenas de Saúde (AIS) e de Saneamento (AISAN). A logística dessa vacinação é diferenciada, levando em consideração as especificidades dessa população e as necessidades de transporte das equipes e insumos até as aldeias, seja por carro, barco, helicóptero ou avião.

    Em março deste ano, profissionais dos 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI) estiveram reunidos em Brasília para avaliar as ações realizadas em 2017. Também foi feito um planejamento de atividades para a edição 2018, com o objetivo de aprimorar as ações de imunização e vigilância epidemiológica das doenças imunopreveníveis nas áreas indígenas.

    A vacinação indígena é uma ação universal, que abrange todos os DSEIs brasileiros e transversal, já que acompanha o ciclo de vida do indivíduo. É uma ação complexa por diversos fatores: como a diversidade cultural, dispersão geográfica, rotatividade dos recursos humanos contratados, dificuldade na coleta, registro e análise dos dados e a necessidade de acondicionamento, conservação e transporte dos imunobiológicos em condições especiais.

     

    Por Nucom Sesai e Agência Saúde
    Atendimento à Imprensa
    (61) 3315-3580

  • Campanha do Dia da Mulher na SESAI deixa de lado as flores e fala sobre assédio e ascensão profissional

    Ação envolve realização de pesquisa entre trabalhadores e trabalhadoras e depoimentos anônimos, cujos resultados vão subsidiar discussões da rede de apoio de mulheres que trabalham na saúde indígena

    Box Title

    No dia em que é celebrado o Dia Internacional da Mulher, a Secretaria Especial de Saúde Indígena lançou, na manhã desta quinta-feira (08), a campanha Sesai por Elas, que pretende sensibilizar os trabalhadores e trabalhadoras da Secretaria sobre as questões de gênero nas relações de trabalho na instituição. Um café da manhã marcou o lançamento da campanha, que visa à construção de um ambiente de trabalho mais igualitário, justo e seguro.

    O ato contou com a presença de lideranças indígenas femininas, como a secretária-executiva do Fórum de Presidentes dos Conselhos Distritais de Saúde Indígena (FPCondisi), Lucia Tremembé e a presidente do Condisi Alagoas⁄Sergipe, cacique Nina Katókinn, que contaram da luta que empreenderam ao longo da vida para serem reconhecidas como lideranças de seus povos.

    Foi criado ainda um blog, contendo explicações sobre a campanha, textos de sensibilização sobre o tema e com espaço para que trabalhadores (homens e mulheres) contem suas experiências, anonimamente, reunidas em um mural. A pesquisa pretende ouvir mulheres e homens que trabalham na Sesai sobre situações pelas quais já passaram ou presenciaram e que podem ser caracterizadas como abuso ou preconceito com relação à força de trabalho feminina, abordando temas como sororidade, maternidade, liderança feminina, entre outros. Os resultados da pesquisa e dos depoimentos ficarão disponíveis no blog e servirão de subsídios para a discussão sobre os temas na rede de mulheres da Sesai, a ser criada no final de março.

    A campanha envolve não só os (as) que atuam na sede da Sesai em Brasília, mas também trabalhadores e trabalhadoras dos 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEIs), aí incluídos (as) os (as) contratados (as) por meio de conveniadas para ofertar saúde aos povos indígenas nas aldeias.

    *Essa campanha foi inspirada no projeto iniciado na Anvisa, em 2016, pela Ascom e pela servidora da Agência, Camila Medeiros.

    Por Beth Almeida, do Nucom Sesai
    Atendimento à imprensa 
    (61) 3315-3580 / 2745 / 2351

  • Cascavel e região têm reforço de R$ 3,3 milhões para ampliar e qualificar atendimento

    Valor será usado para ampliar e qualificar os serviços de média e alta complexidade oferecidos pelos municípios integrantes do Consórcio CISOP

    O município de Cascavel, no Paraná, recebe reforço de R$ 3,3 milhões para ampliar e qualificar os serviços de média e alta complexidade oferecidos à população por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). O anúncio é do Ministro da Saúde, Ricardo Barros, em visita ao município nesta sexta-feira (16/2). Parte do valor, R$ 2 milhões, é destinada ao Hospital do Câncer de Cascavel UOPECCAN. Outros R$ 1,3 milhão serão destinados ao Consórcio Intermunicipal de Saúde do Oeste do Paraná – CISOP, para custeio de serviços ambulatoriais e hospitalares, como consultas, exames especializados e cirurgias eletivas, para os municípios que compõem o consórcio, formado por 25 cidades. A verba já está disponível no Fundo Municipal de Saúde de Cascavel, cidade polo do Consórcio.

    Com esse novo incremento financeiro, o objetivo é diminuir o tempo de espera e o tamanho da lista de pessoas que aguardam por algum procedimento eletivo, que são aqueles marcados, sem caráter de urgência e emergência, nos municípios do consórcio. A verba será incorporada ao Teto Financeiro de Média e Alta (MAC) Complexidade do Paraná, principal rubrica do Governo Federal para custeio desses procedimentos, e caberá ao Consórcio fazer os devidos aportes para ampliar e qualificar os atendimentos, conforme a necessidade e demanda de cada município.

    O Hospital do Câncer UOPECCAN é hospital filantrópico especializado em oncologia. A instituição realiza, em média, 90 internações e 700 atendimentos por dia. Entre 2016 e 2017 foram empenhados R$ 4,6 milhões para o hospital em emendas parlamentares para aquisição de equipamentos e materiais permanentes.

    GESTÃO

    Em 600 dias de gestão, os municípios do Consórcio CISOP foram contemplados com R$ 57,7 milhões para fortalecimento da saúde. Desse total, R$ 18,6 milhões foram para custeio de 44 serviços/leitos de média e alta complexidade que funcionavam sem a contrapartida federal. Outros R$ 2,4 milhões foram repassados, entre julho e dezembro de 2017, para fortalecimento da Atenção Básica, principal porta de entrada para o SUS, dos municípios integrantes do consórcio.

    Durante o período, também foram liberados R$ 36,7 milhões referentes a emendas parlamentares que tramitavam na pasta e aguardavam liberação desde 2014, contemplando todos os municípios do Consórcio CISOP.

    AVANÇOS

    Nesta gestão, o estado do Paraná recebeu aproximadamente R$ 550 milhões de recursos federais para custear serviços e abertura de leitos em mais de 400 municípios. Apenas em 2016 foram repassados mais de R$ 150 milhões entre habilitações de leitos e outros serviços ambulatoriais e hospitalares. Em 2017, foram repassados cerca de R$ 400 milhões para custear esses serviços.

    O Paraná também ganhou um reforço de R$ 23,6 milhões na Atenção Básica, beneficiando 88 municípios. O recurso diz respeito à habilitação de 348 novos Agentes Comunitários de Saúde, 99 Equipes de Saúde da Família, 78 Equipes de Saúde Bucal, 29 Núcleos de Apoio à Saúde da Família e 02 Equipes de Saúde Prisional.

    Durante esta gestão, também foram habilitadas 16 UPAS 24hs em 15 municípios do estado, com um custo de R$ 26 milhões. No início de 2017 o Ministério da Saúde anunciou a doação de 23 ambulâncias para renovação da frota do SAMU 192 em 18 municípios do estado, totalizando um investimento de R$ 5,07 milhões. Em outubro de 2017, foi anunciado que 12 veículos do estado seriam contemplados com mais recursos federais para ampliação e qualificação (qualificação: Ponta Grossa, Cascavel e Arapongas).

    Por Nicole Beraldo, da Agência Saúde
    Atendimento à Imprensa - (61) 3315-3533/3174/3580

  • Ceará ganha reforço de R$ 30 milhões na assistência à saúde

    O objetivo é ampliar e qualificar a assistência à população por meio do SUS, fortalecendo os atendimentos ambulatoriais e hospitalares do Estado

    Ceará ganhou reforço de R$ 30 milhões para custeio de procedimentos ambulatoriais e hospitalares de média e alta complexidade. O objetivo é ampliar e qualificar os atendimentos feitos à população por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). A verba será incorporada ao Teto Financeiro de Média e Alta Complexidade (MAC) do Ceará para custeio de procedimentos ambulatoriais e hospitalares nos serviços do SUS.

    Os procedimentos ambulatoriais são aqueles que não precisam de internação, geralmente são atendimentos, consultas, exames ou serviços que não justifiquem a permanência do paciente na unidade hospitalar. Já os procedimentos hospitalares são aqueles em que o paciente precisa ficar internado, como cirurgias e/ou problemas de saúde mais graves. A portaria que libera o recurso foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) de sexta-feira (22).

    O valor será repassado mensalmente, em parcelas de R$ 2,5 milhões, para que a Secretaria Estadual de Saúde avalie as principais necessidades de cada município e faça os devidos aportes para ampliar e qualificar os atendimentos, caso a caso.

    “O repasse vai beneficiar, principalmente, a população. O estado do Ceará recebe recursos para média e alta complexidade crescentes ano a ano. Em 2016, foi repassado R$ 2 bilhões e em 2017, até novembro, o valor já chega a R$ 2,3 bilhões. No próximo ano, a tendência é ampliarmos ainda mais os repasses”, destacou o ministro da Saúde, Ricardo Barros. 

    A divisão dos recursos de média e alta complexidade considera uma série de condições, entre elas a oferta de mais serviços do SUS, a habilitação/credenciamento de leitos, das Redes de Atenção à Saúde, reajuste e inclusão de procedimentos, ações, programas e incentivos implementados pelo Governo Federal. Considera-se, também, o aumento da expectativa de vida da população, o que acarreta a necessidade de oferta de atendimentos em cada região.

    Para o ministro da Saúde, Ricardo Barros, a liberação de mais R$ 30 milhões demonstra o empenho do Governo Federal em garantir a regularidade dos pagamentos dos procedimentos realizados no Ceará e em todo o Brasil. “Estamos fazendo cada vez mais, não apenas para a população do Ceará, mas para todo o País. Os gestores contam com a contrapartida financeira do Governo Federal para manter e expandir os atendimentos. O nosso compromisso com a população está sendo cumprido, com a ampliação dos recursos e publicação de todas as portarias que estavam pendentes”, completou Barros.

    CEARÁ – Em 500 dias de gestão, o estado do Ceará foi contemplado com R$ 631 milhões para fortalecimento da saúde. Desse total, R$ 100,8 milhões foram para custeio de 289 serviços de média e alta complexidade e 199 leitos que funcionavam sem a contrapartida federal em 40 municípios. Outros R$ 9,6 milhões anuais foram investidos para habilitação/qualificação de 05 Unidades de Pronto Atendimento (UPAs 24h) do estado, distribuídas em quatro municípios, fortalecendo a Rede de Urgência e Emergência: Camocim (1), Fortaleza (2), Granja (1) e Jijoca de Jericoacara (1).

    Além disso, em julho deste ano foram anunciados R$ 29,4 milhões para fortalecimento da Atenção Básica, principal porta de entrada para o SUS, beneficiando 90 municípios do estado. O recurso refere-se à habilitação de 143 novos agentes comunitários de saúde, 67 novas equipes de saúde da família, 190 novas equipes de saúde bucal, 36 novos núcleos de apoio à saúde da família, 03 novas equipes de consultórios na rua e 11 novas equipes de saúde prisional.

    Durante o período, também foram liberados R$ 491,2 milhões referentes a 1.221 projetos de emendas parlamentares que tramitavam na pasta e aguardavam liberação desde 2014, contemplando outros 126 municípios.

    Por Gustavo Frasão, da Agência Saúde
    Atendimento à Imprensa
    (61) 3315-3580 / 3533

  • Ceará recebe investimento para aprimorar assistência farmacêutica

    O recurso no valor de R$ 750 mil será destinado paraimplementação e integração dos serviços, de 124 municípios. O montante poderá ser utilizado para conectividade e contratação de novos profissionais

    No estado do Ceará, 124 municípios receberão investimento do Ministério da Saúde para aprimorar a qualidade e estrutura dos serviços farmacêuticos das unidades de saúde de 124 municípios. São R$ 750 mil para o estado, sendo R$ 6 mil reais para cada um dos municípios beneficiados. A iniciativa faz parte do Programa Nacional de Qualificação da Assistência Farmacêutica no âmbito do Sistema Único de Saúde (Qualifar-SUS). O recurso também poderá ser destinado para a contratação de novos profissionais e aprimoramento dos serviços de conectividade dos locais, para dar maior agilidade no atendimento à população e uma melhor organização dos estoques de medicamentos. O recurso foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) da última segunda-feira (20/11).

    No total, o Ministério da Saúde destinou cerca de R$ 6,1 milhões para mais de mil municípios do país. A ampliação no investimento e no aprimoramento da informatização é um dos principais objetivos do Ministério da Saúde.A estratégia de qualificar os serviços de saúde integra o conjunto de investimentos já realizados por meio do Projeto de Qualificação da Assistência Farmacêutica e Intervenção Sistêmica da Assistência Farmacêutica nas Redes de Atenção à Saúde – QualiSUS-Rede. O projeto foi desenvolvido em 15 regiões do país, em 486 municípios, com entrega de computadores, realização de pesquisa diagnóstica sobre os serviços farmacêuticos e ofertas educacionais na modalidade à distância para mais de 5 mil profissionais de saúde. Desde a criação do QualiSUS-Rede, em 2012, a pasta já designou mais de R$ 105 milhões para 1.582 municípios.

    Para ver a lista completa de municípios contemplados clique aqui.

    O PROGRAMA- Para participar do Qualifar-SUS, o município deve fazer parte de programas da Atenção Básica, como o Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ), Programa de Requalificação das Unidades Básicas de Saúde (Requalifica UBS), e o Hórus, sistema de Assistência Farmacêutica que permite o controle da compra, armazenamento, distribuição e dispensação dos medicamentos.

    Organizado em quatro eixos (estrutura, educação, informação e cuidado), o programa engloba desde investimentos na estruturação dos serviços farmacêuticos até ações de cuidado ao usuário. A proposta é contribuir para o aprimoramento, implementação e integração das atividades da assistência farmacêutica nas ações e serviços de saúde, visando uma atenção contínua, integral, segura, responsável e humanizada.

    CE

    ACARAPE

     R$           6.000,00

    CE

    ACARAÚ

     R$           6.000,00

    CE

    ALCÂNTARAS

     R$           6.000,00

    CE

    ALTANEIRA

     R$           6.000,00

    CE

    ALTO SANTO

     R$           6.000,00

    CE

    AMONTADA

     R$           6.000,00

    CE

    ANTONINA DO NORTE

     R$           6.000,00

    CE

    APUIARÉS

     R$           6.000,00

    CE

    ARACATI

     R$           6.000,00

    CE

    ARACOIABA

     R$           6.000,00

    CE

    ARARENDÁ

     R$           6.000,00

    CE

    ARARIPE

     R$           6.000,00

    CE

    ARATUBA

     R$           6.000,00

    CE

    ASSARÉ

     R$           6.000,00

    CE

    AURORA

     R$           6.000,00

    CE

    BANABUIÚ

     R$           6.000,00

    CE

    BARBALHA

     R$           6.000,00

    CE

    BARREIRA

     R$           6.000,00

    CE

    BARRO

     R$           6.000,00

    CE

    BARROQUINHA

     R$           6.000,00

    CE

    BATURITÉ

     R$           6.000,00

    CE

    BOA VIAGEM

     R$           6.000,00

    CE

    BREJO SANTO

     R$           6.000,00

    CE

    CAMOCIM

     R$           6.000,00

    CE

    CAMPOS SALES

     R$           6.000,00

    CE

    CAPISTRANO

     R$           6.000,00

    CE

    CARIDADE

     R$           6.000,00

    CE

    CARIRÉ

     R$           6.000,00

    CE

    CARIRIAÇU

     R$           6.000,00

    CE

    CARNAUBAL

     R$           6.000,00

    CE

    CATARINA

     R$           6.000,00

    CE

    CATUNDA

     R$           6.000,00

    CE

    CEDRO

     R$           6.000,00

    CE

    CHAVAL

     R$           6.000,00

    CE

    CHORÓ

     R$           6.000,00

    CE

    CHOROZINHO

     R$           6.000,00

    CE

    COREAÚ

     R$           6.000,00

    CE

    CRATEÚS

     R$           6.000,00

    CE

    CRUZ

     R$           6.000,00

    CE

    DEPUTADO IRAPUAN PINHEIRO

     R$           6.000,00

    CE

    ERERÊ

     R$           6.000,00

    CE

    FARIAS BRITO

     R$           6.000,00

    CE

    FORQUILHA

     R$           6.000,00

    CE

    FRECHEIRINHA

     R$           6.000,00

    CE

    GENERAL SAMPAIO

     R$           6.000,00

    CE

    GRAÇA

     R$           6.000,00

    CE

    GRANJA

     R$           6.000,00

    CE

    GRANJEIRO

     R$           6.000,00

    CE

    GUARACIABA DO NORTE

     R$           6.000,00

    CE

    GUARAMIRANGA

     R$           6.000,00

    CE

    HIDROLÂNDIA

     R$           6.000,00

    CE

    IBIAPINA

     R$           6.000,00

    CE

    IBICUITINGA

     R$           6.000,00

    CE

    ICAPUÍ

     R$           6.000,00

    CE

    ICÓ

     R$           6.000,00

    CE

    INDEPENDÊNCIA

     R$           6.000,00

    CE

    IPAPORANGA

     R$           6.000,00

    CE

    IPU

     R$           6.000,00

    CE

    IRACEMA

     R$           6.000,00

    CE

    IRAUÇUBA

     R$           6.000,00

    CE

    ITAIÇABA

     R$           6.000,00

    CE

    ITAPAGÉ

     R$           6.000,00

    CE

    ITAREMA

     R$           6.000,00

    CE

    ITATIRA

     R$           6.000,00

    CE

    JAGUARETAMA

     R$           6.000,00

    CE

    JAGUARIBARA

     R$           6.000,00

    CE

    JAGUARIBE

     R$           6.000,00

    CE

    JAGUARUANA

     R$           6.000,00

    CE

    JARDIM

     R$           6.000,00

    CE

    JUCÁS

     R$           6.000,00

    CE

    LAVRAS DA MANGABEIRA

     R$           6.000,00

    CE

    LIMOEIRO DO NORTE

     R$           6.000,00

    CE

    MADALENA

     R$           6.000,00

    CE

    MARTINÓPOLE

     R$           6.000,00

    CE

    MASSAPÊ

     R$           6.000,00

    CE

    MAURITI

     R$           6.000,00

    CE

    MERUOCA

     R$           6.000,00

    CE

    MILHÃ

     R$           6.000,00

    CE

    MISSÃO VELHA

     R$           6.000,00

    CE

    MOMBAÇA

     R$           6.000,00

    CE

    MONSENHOR TABOSA

     R$           6.000,00

    CE

    MORADA NOVA

     R$           6.000,00

    CE

    MORAÚJO

     R$           6.000,00

    CE

    MUCAMBO

     R$           6.000,00

    CE

    NOVA OLINDA

     R$           6.000,00

    CE

    NOVA RUSSAS

     R$           6.000,00

    CE

    NOVO ORIENTE

     R$           6.000,00

    CE

    OCARA

     R$           6.000,00

    CE

    ORÓS

     R$           6.000,00

    CE

    PACAJUS

     R$           6.000,00

    CE

    PACOTI

     R$           6.000,00

    CE

    PACUJÁ

     R$           6.000,00

    CE

    PEDRA BRANCA

     R$           6.000,00

    CE

    PENTECOSTE

     R$           6.000,00

    CE

    PEREIRO

     R$           6.000,00

    CE

    PIQUET CARNEIRO

     R$           6.000,00

    CE

    PORANGA

     R$           6.000,00

    CE

    POTENGI

     R$           6.000,00

    CE

    QUITERIANÓPOLIS

     R$           6.000,00

    CE

    QUIXADÁ

     R$           6.000,00

    CE

    QUIXELÔ

     R$           6.000,00

    CE

    QUIXERAMOBIM

     R$           6.000,00

    CE

    QUIXERÉ

     R$           6.000,00

    CE

    REDENÇÃO

     R$           6.000,00

    CE

    RERIUTABA

     R$           6.000,00

    CE

    RUSSAS

     R$           6.000,00

    CE

    SANTA QUITÉRIA

     R$           6.000,00

    CE

    SANTANA DO ACARAÚ

     R$           6.000,00

    CE

    SANTANA DO CARIRI

     R$           6.000,00

    CE

    SÃO BENEDITO

     R$           6.000,00

    CE

    SÃO JOÃO DO JAGUARIBE

     R$           6.000,00

    CE

    SENADOR POMPEU

     R$           6.000,00

    CE

    SENADOR SÁ

     R$           6.000,00

    CE

    SOLONÓPOLE

     R$           6.000,00

    CE

    TABULEIRO DO NORTE

     R$           6.000,00

    CE

    TAMBORIL

     R$           6.000,00

    CE

    TAUÁ

     R$           6.000,00

    CE

    TEJUÇUOCA

     R$           6.000,00

    CE

    UBAJARA

     R$           6.000,00

    CE

    UMIRIM

     R$           6.000,00

    CE

    URUBURETAMA

     R$           6.000,00

    CE

    URUOCA

     R$           6.000,00

    CE

    VARJOTA

     R$           6.000,00

    CE

    VÁRZEA ALEGRE

     R$           6.000,00

    CE

    VIÇOSA DO CEARÁ

     R$           6.000,00

    Por Victor Maciel, da Agência Saúde
    Atendimento à Imprensa - (61) 3315-3174/3580

  • CFM apoia ações do Ministério da Saúde para fortalecer atendimento em saúde mental

    Nota do Conselho Federal de Medicina diz que a iniciativa foi amplamente discutida, além de apresentar avanços aguardados por 30 anos. Outras 60 entidades já se manifestaram favoráveis

    As ações apresentadas pelo Ministério da Saúde, em conjunto com os estados e municípios, para o fortalecimento da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) receberam o apoio de mais de 60 entidades. São órgãos representativos de pacientes e familiares, profissionais de saúde, estudantes, entidades acadêmicas, do terceiro setor, políticos, gestores públicos e conselhos de políticas públicas sobre drogas. Inclusive, o Conselho Federal de Medicina (CFM) divulgou nota ressaltando que as mudanças propostas são resultado de “amplo e democrático debate” e aperfeiçoamentos aguardados há 30 anos.

    Para a entidade, as mudanças também contribuem com o fortalecimento da rede de atenção psicossocial. O CFM informou estar ciente de que a implementação dessa conquista exigirá um trabalho contínuo de acompanhamento e que se manterá atento à fiscalização dos compromissos assumidos. Ainda, ressaltou o amplo e democrático debate que antecedeu a aprovação da resolução, “com foco permanente no fim da desassistência e no respeito aos direitos dos pacientes e seus familiares, bem como na qualificação do rol de serviços disponíveis”.

    Cliqueaqui para conferir a íntegra do documento do CFM

    AMPLIAÇÃO DA ASSISTÊNCIA- Para ampliar a rede, segundo resolução pactuada na última quinta-feira (14) pelo Ministério da Saúde, representantes dos estados e municípios, estão previstos a criação de nova modalidade de Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), equipes de Assistência Multiprofissional de Média Complexidade em Saúde Mental, leitos hospitalares qualificados para a internação de pacientes com quadros mentais agudos e mais Serviços Residenciais Terapêuticos (SRT).

    A proposta veta qualquer ampliação da capacidade já instalada de leitos psiquiátricos em hospitais especializados e fortalece o processo de desinstitucionalização de pacientes moradores em Hospitais Psiquiátricos. Será ampliada a oferta de leitos hospitalares qualificados para a internação de pacientes com quadros mentais agudos, em enfermarias especializadas em Hospitais Gerais com a presença obrigatória de equipe multiprofissional.

    Está prevista a criação de modalidade de CAPS, com funcionamento 24 horas, prestando assistência de urgência e emergência, para ofertar linhas de cuidado em situações de cenas de uso de drogas, especialmente o crack (“cracolândias”), de forma multiprofissional e intersetorial.

    Ainda, prevê a criação de equipes de Assistência Multiprofissional de Média Complexidade em Saúde Mental, com objetivo de prestar atenção multiprofissional no nível secundário, apoiando de forma articulada a atenção básica e demais serviços das redes de atenção à saúde. O documento apresentado também garante a criação de diretrizes clínicas para linhas de cuidados, além de incentivar a pesquisa que apoie o setor.

    Além do CFM, outras entidades apoiam as ações do Ministério da Saúde para fortalecimento da Rede de Atenção Psicossocial, tais como:

    - Federação Nacional das Associações em Defesa da Saúde Mental (FENAEMD-SM)
    - Associação de Apoio aos Familiares, Amigos e Pessoas com Transtornos Mentais (AFATOM)
    - Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos (ABRATA)
    - Associação dos Amigos e Familiares dos Doentes Mentais (AFDM)
    - Associação Brasileira do Déficit de Atenção (ABDA)
    - Associação de Déficit de Atenção de Minas Gerais (TDAH-MG)
    - Federação de Amor Exigente
    - Grupo Mãos de Mães / Filhos Amados e com Esquizofrenia
    - Associação em Defesa da Saúde Mental (ADSM)
    - Associação de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Mentais (AFAPOTOM)
    - Associação Brasileira de Estudos do Álcool e Outras Drogas (ABEAD)
    - Associação Brasileira de Estudos e Prevenção do Suicídio (ABEPS)
    - Associação Brasileira de Impulsividade e Patologia Dual (ABIPD)
    - Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP)
    - Associação Médica Brasileira (AMB)
    - Federação Nacional dos Médicos (FENAM)
    - Federação Brasileira de Academias de Medicina

    Por Carolina Valadares, da Agência Saúde
    Atendimento à imprensa
    (61) 3315- 3533 / 3580

  • Chamada gratuita do CVV para prevenção ao suicídio chega a Alagoas

    Parceria com Ministério da Saúde e o Centro de Valorização da Vida garante atendimento por telefone diante de crises. Alagoas está entre os 23 estados que possuem a gratuidade do serviço

    A gratuidade nas ligações para o telefone do Centro de Valorização da Vida (CVV), o 188, já está disponível em Alagoas e mais 22 estados brasileiros. Pelo número, os cidadãos têm acesso a apoio em momentos de crise e ajuda para prevenção ao suicídio. A expansão da chamada sem cobrança no país vem acontecendo desde o ano passado, após convênio assinado com o Ministério da Saúde. Para garantir a gratuidade das ligações, o Ministério repassou R$ 500 mil para o Centro. Em 2017, o CVV recebeu dois milhões de ligações de cidadãos em busca de ajuda, o dobro do registrado em 2016.

    Além de Alagoas, o Ceará, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe também contam com o número gratuito, já adotado, no Distrito Federal, Acre, Amapá, Amazonas, Espirito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Piauí, Santa Catarina, São Paulo, Tocantins, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia e Roraima. A previsão é que a partir de 1º de julho a população dos estados da Bahia, Maranhão, Pará e Paraná também tenham acesso ao CVV pelo número gratuito 188, atingindo todo o território nacional. Nesses locais, o serviço ainda funciona com o número 141, ainda pago. Os atendimentos do CVV podem ser feitos também por e-mail, chat e voip 24 horas todos os dias e nos 87 postos de atendimento.

    O Centro de Valorização da Vida é uma associação civil sem fins lucrativos que trabalha com prevenção ao suicídio, por meio de 2.400 voluntários. Os voluntários não são necessariamente formados em psicologia, mas recebem uma capacitação de 40h. As chamadas acontecem em total sigilo, em um espaço de escuta acolhedor e seguro e que alivia a ansiedade e o desespero. A parceria com o CVV é uma das ações do Ministério da Saúde para prevenção do suicídio. “Geralmente procuram o centro pessoas em sofrimento, seja por solidão, ou porque estão em desespero, ou porque não se identificam com o meio em que vivem”, explica o coordenador de Saúde Mental do Ministério, Quirino Cordeiro.

    Além do CVV, as pessoas que precisam de ajuda podem recorrer aos Serviços da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS), tais como os 2.555 Centros de Atenção Psicossocial- CAPS, que atendem questões como transtornos psíquicos, dependência de álcool e outras drogas, crianças e adultos e se necessário, os pacientes são encaminhados para leitos de Saúde Mental em hospitais gerais.

    DADOS

    Atualmente a média nacional de suicídio no Brasil, em todas as idades é de 5,5 por 100 mil habitantes. São, em média, 11 mil pessoas que tiram a vida por ano no Brasil. Quando verificado por faixa etária, os idosos são os que mais preocupam, pois as taxas sobem para  8,9 mortes por 100 mil, nos últimos seis anos. Envenenamento e intoxicação são os meios mais utilizados e os homens são os que mais morrem por suicídio e 60% são solteiros. A região Sul concentra 23% dos suicídios e o Sudeste 38%.

    AGENDA ESTRATÉGICA

    Para atingir meta da Organização Mundial da Saúde (OMS), de reduzir em 10% os óbitos por suicídio até 2020, o Ministério da Saúde lançou no ano passado uma agenda estratégica que inclui ampliação da assistência e ferramentas de comunicação.

    Os seis estados com maiores taxas de suicídio no país: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Roraima, Piauí e Amazonas, receberam um incremento de R$ 2 milhões. Também será construído, em parceria com as secretarias de saúde estaduais dessas localidades, planos locais de prevenção ao suicídio.

    O Ministério da Saúde também lançou uma série de folhetos informativos sobre o suicídio. Para os jornalistas, o foco foram sugestões sobre como abordar o tema na imprensa. Isso porque, suicídio vem sendo divulgado amplamente em diversos veículos e dependendo da forma, pode ampliar até contribuir para aumentar os casos.

    Direcionado à população, a Pasta compôs um folder informativo tem foco na identificação de sinais de alerta, como o que fazer e o que não fazer diante de uma pessoa em risco de suicídio. Os profissionais de saúde, contam com um documento que alerta a importância da notificação compulsória da tentativa de suicídio em até 24h e que traz informações técnicas sobre acolhimento na rede do SUS. Todos os documentos estão disponíveis para download no Portal da Saúde (www.saude.gov.br).

    Para a população indígena, haverá a implantação das linhas de cuidados de prevenção do suicídio com capacitações em 16 DSEI prioritários e formação de jovens indígenas multiplicadores em estratégias de valorização da vida nas regiões com maior incidência de suicídio.

    Da Agência Saúde, Carolina Valadares

    Atendimento à imprensa

    (61) 3315-3580 / 2745 / 2351

  • Chamada gratuita do CVV para prevenção ao suicídio chega a Minas Gerais

    Parceria com Ministério da Saúde e o Centro de Valorização da Vida garante atendimento por telefone diante de crises. Minas Gerais está entre os 23 estados que possuem a gratuidade do serviço

    A gratuidade nas ligações para o telefone do Centro de Valorização da Vida (CVV), o 188, já está disponível em Minas Gerais e mais 22 estados brasileiros. Pelo número, os cidadãos têm acesso a apoio em momentos de crise e ajuda para prevenção ao suicídio. A expansão da chamada sem cobrança no país vem acontecendo desde o ano passado, após convênio assinado com o Ministério da Saúde. Para garantir a gratuidade das ligações, o Ministério repassou R$ 500 mil para o Centro. Em 2017, o CVV recebeu dois milhões de ligações de cidadãos em busca de ajuda, o dobro do registrado em 2016.

    Além de Minas Gerais, Ceará, Alagoas, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe também contam com o número gratuito, já adotado, no Distrito Federal, Acre, Amapá, Amazonas, Espirito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Piauí, Santa Catarina, São Paulo, Tocantins, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia e Roraima. A previsão é que a partir de 1º de julho a população dos estados da Bahia, Maranhão, Pará e Paraná também tenham acesso ao CVV pelo número gratuito 188, atingindo todo o território nacional. Nesses locais, o serviço ainda funciona com o número 141, ainda pago. Os atendimentos do CVV podem ser feitos também por e-mail, chat e voip 24 horas todos os dias e nos 87 postos de atendimento.

    O Centro de Valorização da Vida é uma associação civil sem fins lucrativos que trabalha com prevenção ao suicídio, por meio de 2.400 voluntários. Os voluntários não são necessariamente formados em psicologia, mas recebem uma capacitação de 40h. As chamadas acontecem em total sigilo, em um espaço de escuta acolhedor e seguro e que alivia a ansiedade e o desespero. A parceria com o CVV é uma das ações do Ministério da Saúde para prevenção do suicídio. “Geralmente procuram o centro pessoas em sofrimento, seja por solidão, ou porque estão em desespero, ou porque não se identificam com o meio em que vivem”, explica o coordenador de Saúde Mental do Ministério, Quirino Cordeiro.

    Além do CVV, as pessoas que precisam de ajuda podem recorrer aos Serviços da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS), tais como os 2.555 Centros de Atenção Psicossocial- CAPS, que atendem questões como transtornos psíquicos, dependência de álcool e outras drogas, crianças e adultos e se necessário, os pacientes são encaminhados para leitos de Saúde Mental em hospitais gerais.

    DADOS

    Atualmente a média nacional de suicídio no Brasil, em todas as idades é de 5,5 por 100 mil habitantes. São, em média, 11 mil pessoas que tiram a vida por ano no Brasil. Quando verificado por faixa etária, os idosos são os que mais preocupam, pois as taxas sobem para 8,9 mortes por 100 mil, nos últimos seis anos. Envenenamento e intoxicação são os meios mais utilizados e os homens são os que mais morrem por suicídio e 60% são solteiros. A região Sul concentra 23% dos suicídios e o Sudeste 38%.

    AGENDA ESTRATÉGICA

    Para atingir meta da Organização Mundial da Saúde (OMS), de reduzir em 10% os óbitos por suicídio até 2020, o Ministério da Saúde lançou no ano passado uma agenda estratégica que inclui ampliação da assistência e ferramentas de comunicação.

    Os seis estados com maiores taxas de suicídio no país: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Roraima, Piauí e Amazonas, receberam um incremento de R$ 2 milhões. Também será construído, em parceria com as secretarias de saúde estaduais dessas localidades, planos locais de prevenção ao suicídio.

    O Ministério da Saúde também lançou uma série de folhetos informativos sobre o suicídio. Para os jornalistas, o foco foram sugestões sobre como abordar o tema na imprensa. Isso porque, suicídio vem sendo divulgado amplamente em diversos veículos e dependendo da forma, pode ampliar até contribuir para aumentar os casos.

    Direcionado à população, a Pasta compôs um folder informativo tem foco na identificação de sinais de alerta, como o que fazer e o que não fazer diante de uma pessoa em risco de suicídio. Os profissionais de saúde, contam com um documento que alerta a importância da notificação compulsória da tentativa de suicídio em até 24h e que traz informações técnicas sobre acolhimento na rede do SUS. Todos os documentos estão disponíveis para download no Portal da Saúde (www.saude.gov.br).

    Para a população indígena, haverá a implantação das linhas de cuidados de prevenção do suicídio com capacitações em 16 DSEI prioritários e formação de jovens indígenas multiplicadores em estratégias de valorização da vida nas regiões com maior incidência de suicídio.

    Da Agência Saúde, Carolina Valadares
    Atendimento à imprensa
    (61) 3315-3580 / 2745 / 2351

Fim do conteúdo da página