Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
  • 299ª Reunião Ordinária do Conselho Nacional de Saúde

    A 299ª Reunião Ordinária do Conselho Nacional de Saúde (CNS) será realizada nesta quinta (09) e sexta-feira (10), no Plenário do Conselho Nacional de Saúde “Omilton Visconde”, localizado no edifício anexo do Ministério da Saúde, ala B, em Brasília (DF), com transmissão ao vivo pela internet. É possível participar da reunião enviando perguntas para o e-mail reuniaoordinariacns@saude.gov.br.

    Objetivos da 299ª Reunião Ordinária:

    1. Apreciar e aprovar os informes e as indicações
    2. Apreciar os itens do Radar
    3. Apreciar e deliberar sobre as demandas da Comissão Intersetorial de Orçamento e financiamento – COFIN
    4. Promover o debate acerca da Política Nacional de Atenção Básica
    5. Acompanhar, refletir e rever possíveis encaminhamentos da 1ª Conferência Nacional de Vigilância em Saúde
    6. Assistir, apreciar e debater acerca da Rede de Atenção à Saúde da Pessoa com Deficiência no SUS
    7. Apreciar e deliberar sobre os pareceres da Comissão Intersetorial de Recursos Humanos e Relações de Trabalho – CIRHRT
    8. Apreciar e deliberar sobre as demandas da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa – CONEP
    9. Apreciar e deliberar sobre encaminhamentos das Comissões Intersetoriais, representações externas e Grupos de Trabalhos

    SERVIÇO

    299ª Reunião Ordinária do Conselho Nacional de Saúde
    Onde: Plenário do Conselho Nacional de Saúde “Omilton Visconde”, localizado no edifício anexo do Ministério da Saúde, ala B, em Brasília (DF)
    Quando: 09/11, das 9h às 20h; e 10/11, das 8h30 às 17h

    Transmissão ao vivo: datasus.saude.gov.br/transmissao-em-tempo-real (apenas para navegadores Internet Explorer) 

     

  • Belo Horizonte (MG) ganha reforço de R$ 9,3 milhões para qualificar 97 leitos

     

    O recurso é destinado ao Hospital Metropolitano Dr. Célio de Castro (HMDCC), para melhoria dos serviços de urgência e emergência oferecidos por meio do SUS

    A população de Belo Horizonte (MG) ganhou um incremento de R$ 9,3 milhões destinado para qualificação de 97 novos leitos – sendo 87 de enfermaria clínica e 10 de UTI – do Hospital Metropolitano Dr. Célio de Castro (HMDCC). A portaria está disponível no Diário Oficial da União (D.O.U) e autoriza o repasse para melhorar os atendimentos de média e alta complexidade na urgência e emergência, além de atendimentos na clínica médica da unidade hospitalar, oferecidos por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

    “Tenho certeza que esse incremento chegou em boa hora e vai ajudar nos serviços oferecidos por esta instituição. A qualificação de serviços merece ser destacada e isso quer dizer que a unidade já presta um atendimento de ponta e agora faz jus a um recurso extra, ou seja, é um incentivo para que continue melhorando cada vez mais”, destacou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

    O HMDCC é um hospital geral sem fins lucrativos e possui contratualização com o município de Belo Horizonte. É uma unidade hospitalar voltada para urgência e emergência nas especialidades clínica, cirúrgica e AVC, sendo referência para atendimentos de alta complexidade em clínica médica, ortopedia, cirurgia geral, cirurgia vascular, neurocirurgia, neurologia e urologia. Atualmente, possui 260 leitos, sendo 100 de clínica médica, 40 de UTI, 80 cirúrgicos, 15 de AVC, 15 de Hospital Dia, 10 de decisão clínica e outras seis salas de cirurgia.

    Com capacidade para realizar 20 mil atendimentos e 2,2 mil internações, o hospital conta ainda com uma estrutura para exames de média e alta complexidade, como tomografia, biópsia guiada por imagem, endoscopia, colonoscopia, gastrostomia, CPRE (Colangiopancreatografia Retrógrada Endoscópica), ecocardiografia, raio-X e ultrassonografia. Por mês, a unidade ainda realiza 3,4 mil consultas de pré e pós-operatórios e 27,8 mil exames.

    “Nota-se a importância desse hospital para a população e para o SUS. Sabemos que todo investimento feito aqui é revertido diretamente para quem precisa da rede pública. Em uma parceria bem alinhada com os gestores dos estados e municípios, estamos conseguindo avançar na qualificação dos serviços de saúde oferecidos à população em todo o país”, completou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

    O Fundo Nacional de Saúde é responsável pela transferência dos recursos liberados. O valor será repassado em parcelas mensais de R$ 775 mil diretamente ao Fundo Municipal de Saúde de Belo Horizonte, totalizando o recurso anual de R$ 9,3 milhões.

    INVESTIMENTOS EM MINAS GERAIS – Apenas nesta gestão, o estado de Minas Gerais ganhou um incremento de R$ 1,1 bilhão para qualificação e ampliação dos serviços oferecidos à população. São recursos para o custeio e funcionamento de mil serviços de média e alta complexidade, 21 Unidades de Pronto Atendimento, 1.456 novas equipes de atenção básica e 2.201 Agentes Comunitários de Saúde. Atualmente, existem 5.225 Equipes de Saúde da Família credenciadas em 848 municípios de Minas Gerais, cobrindo 79,7% da população local (15,8 milhões de pessoa) ao custo de R$ 36,5 milhões por ano.

    Por Gustavo Frasão, da Agência Saúde
    Atendimento à imprensa
    (61) 3315- 3533 / 3580

     

  • Brasil anuncia plano nacional para eliminação da hepatite C até 2030

    Todos os pacientes diagnosticados passam a ter acesso ao tratamento, a partir de 2018, independente do grau de comprometimento do fígado

    RÁDIO

    O Brasil anunciou o Plano Nacional para Eliminação da Hepatite C até 2030 com a oferta de tratamento para todos. A expectativa é tratar 657 mil pessoas nos próximos anos. A meta foi apresentada nesta quarta-feira (1º) pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros, durante a abertura da Cúpula Mundial de Hepatites 2017 – World Hepatitis Summit, em São Paulo (SP), que reúne ministros da Saúde, especialistas em saúde pública e ONGs para discutir a eliminação das hepatites virais em todo o mundo.

    “O projeto de eliminação da hepatite C no Brasil é viável e já esta em curso. Somos um dos primeiros países a colocarem em prática a proposta em discussão para o mundo. Atualmente, dos 155 mil pacientes notificados, metade já foram ou estão em tratamento. Além disso, iremos aumentar a testagem e diagnóstico da doença em toda a população. A expectativa e distribuirmos ano que vem o dobro de testes que distribuímos esse ano. Serão 12 milhões de testes para diagnóstico da doença”, ressaltou o ministro da Saúde do Brasil, Ricardo Barros. Confira a apresentação completa (PDF em português)

    Confira a apresentação completa (PDF em inglês)

    cerimônia de abertura da Cúpula Mundial de Hepatites (Word Hepatitis Summit 2017) São Paulo, 01/11/2017

    A estimativa de tratar 657 mil pessoas é menor do que a anterior de 1,6 milhão de casos porque houve uma revisão dos números com o apoio do Observatório Polaris, da Fundação Center for Disease Analysis (CDA), nos EUA – e em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas). Com isso, a meta do Ministério da Saúde agora é tratar todos os pacientes diagnosticados, além de apresentar novas iniciativas para testar o máximo de pacientes.

     

    “Assim como ocorreu com relação à epidemia de HIV, o Brasil está determinado a ser líder mundial na luta contra a hepatite C. Nosso plano de eliminação significa que, até 2030, a hepatite C não será mais uma ameaça à saúde pública no Brasil", afirma Adele Benzaken, diretora do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais do Ministério da Saúde.

    TRATAMENTO PARA TODOS –O protocolo atual considera elegíveis para tratamento no SUS os pacientes mais graves, nas fases 2, 3 e 4, os pacientes com coinfecção com HIV e pacientes com comorbidades, como doença renal crônica e manifestações extra-hepáticas. O Plano de Eliminação prevê que todos os pacientes diagnosticados com a doença serão atendidos, a partir de 2018, independente do grau de comprometimento do fígado.

    Os pacientes com maior gravidade terão prioridade. O comprometimento do fígado varia de F0 a F4, sendo que as pessoas com F0 e F1 passarão a fazer parte do protocolo. A expectativa é que a fila dos casos diagnosticados F3 e F4 acabará neste semestre. Até o primeiro semestre de 2018, os diagnosticados com F2 serão plenamente atendidos.

    “Agora, o Ministério da Saúde irá realizar a compra dos tratamentos e não de medicamentos. E os laboratórios terão o preço máximo de U$ 3 mil por tratamento, que é metade do que é pago atualmente. Portanto, iremos ampliar ao acesso aos medicamentos para mais pessoas com um custo muito menor”, destacou o ministro Ricardo Barros.

    A ampliação da oferta de tratamento para todos será possível devido à mudança na modalidade de compra do Ministério da Saúde, que condicionará o pagamento à indústria farmacêutica do tratamento à comprovação da cura do paciente. A expectativa é que, como aconteceu em outros países, o valor por tratamento caia de U$ 6,2 mil para U$ 3 mil. Essa economia possibilitará a inclusão de até três vezes mais pessoas do que as atendidas atualmente no SUS.

    O Ministério da Saúde também incorporou novas tecnologias. A combinação Ombitasvir, Paritaprevir, Ritonavir, Dasabuvir (3D), é mais uma opção terapêutica para pacientes com hepatite C. O tratamento deverá ser ofertado aos pacientes até o final deste ano. As novas inclusões oferecem maiores possibilidades para o tratamento. Esses fármacos também possibilitam a cura superior a 90%.

    Atualmente, as hepatites virais são responsáveis por mais de 1 milhão de mortes por ano – e mais de 300 milhões de pessoas estão cronicamente infectadas pelas hepatites B ou C. Em 2016, o Brasil registrou 42.830 casos de hepatites virais. Os dados fazem parte do Boletim Epidemiológico de Hepatites, que pode ser acessado no site indicadoreshepatites.aids.gov.br. Na plataforma, é possível acompanhar dados das hepatites de cada município de Brasil, com recortes de raça, cor, sexo, idade.

    CÚPULA MUNDIAL –Após a adoção da Estratégia Global do Setor de Saúde (GHSS) da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre as hepatites virais em maio de 2016 – incluindo a meta de eliminação das hepatites virais como ameaça à saúde pública até 2030 –, os principais atores dessa luta se reunirão na Cúpula Mundial de Hepatites deste ano, que será realizada em São Paulo (SP) entre os dias 1º e 3 de novembro, para discutir os últimos avanços e as políticas de saúde pública necessárias para atingir essa meta.

    O evento é organizado pela OMS e a Aliança Mundial contra as Hepatites (World Hepatitis Alliance/WHA), em parceria com o governo brasileiro, graças ao protagonismo do Brasil no enfrentamento às hepatites virais. No encontro, a OMS, ministros da Saúde de seus estados-membros, a WHA e as 253 organizações, grupos da sociedade civil, gestores, cientistas e financiadores de saúde pública trabalharão juntos para abordar essa meta comum.

    Na abertura da Cúpula o ministro da Saúde, Ricardo Barros, mais outros cinco ministros da Saúde - Austrália, Bangladesh, Brasil, Egito, Geórgia e Ruanda – irão reiterar o seu compromisso como países visionários do NOhep. O Programa Visionários NOhep reúne governos “líderes mundiais” para acelerar ações rumo à eliminação das hepatites virais até 2030. O Brasil e esses outros cinco países foram escolhidos pela OMS para inspirar outros governos a alcançarem a meta de eliminação das hepatites virais.

    Por Nivaldo Coelho, da Agência Saúde
    Atendimento à imprensa – Ascom/MS 
    (61) 3315-2745/3580/2351

  • Brasil aumenta diagnóstico e tratamento para o HIV

    Novo levantamento indica que, desde 2012, o número de pessoas diagnosticadas com a doença aumentou 18% e o acesso ao tratamento 15%. Também se observou redução da circulação do vírus no sangue dos tratados, indicando sucesso dos medicamentos ofertados no SUS

    Aumento no diagnóstico entre as pessoas que vivem com HIV e no número de pessoas em tratamento são os destaques do Relatório de Monitoramento Clínico do HIV lançado nesta quinta-feira (23) pelo Ministério da Saúde. O documento demonstra o avanço do país no alcance das  metas 90-90-90, no período de 2012 a 2016. De acordo com o documento, estima-se que, em 2016, aproximadamente 830 mil pessoas vivem com HIV no país, dessas, 694 mil (84%) diagnosticadas; 655 mil (79%) vinculadas a algum serviço de saúde; e 563 mil (68%) retidas nos serviços.

    Confira a apresentação do Relatório de Monitoramento Clínico

    A proporção de pessoas vivendo com HIV diagnosticadas (1ª meta) aumentou em 18%, passando de 71%, em 2012, para 84%, em 2016. Ainda com relação aos resultados das metas no país, houve um aumento de 15% na proporção de PVHIV diagnosticadas que estavam em tratamento (de 62% em 2012 para 72% em 2016). Nos primeiros seis meses de 2017, o relatório aponta que quase 35 mil pessoas iniciaram terapia antirretroviral (TARV). Na terceira meta, das pessoas em tratamento antirretroviral, há pelo menos seis meses, em 2016, 91% atingiram supressão viral (carga viral abaixo de 1.000 cópias/mL indicando sucesso no tratamento). Essa proporção é 6% acima da observada em 2012 (85%) e aponta  que o país ultrapassou a meta estabelecida.

    O ministro da Saúde, Ricardo Barros, comentou os avanços apontados pelo relatório. Barros ressaltou a importância da manutenção das ações de prevenção e controle do HIV/aids no Brasil. “Os resultados observados no Relatório refletem os esforços de um conjunto de ações realizadas por diversos atores, em diferentes níveis de gestão, para a redução da transmissão do HIV e a melhoria da qualidade de vida das pessoas que vivem com HIV e aids no país”, observou o ministro.

    Lançado pelo segundo ano seguido, o documento Relatório de Monitoramento Clínico do HIV, reúne e analisa as informações dos principais indicadores de monitoramento clínico, atualizados até 30 de junho de 2017. O relatório avalia as metas 90-90-90: (90% das pessoas vivendo com HIV (PVHIV) diagnosticadas; 90% das PVHIV diagnosticadas em terapia antirretroviral (Tarv); e 90% das PVHIV diagnosticadas em TARV (terapia antirretroviral - com supressão viral, até o ano de 2020) para o Brasil, entre 2012 e 2016. As metas foram instituídas, em 2014, pelo Programa das Nações Unidas para Aids (UNAIDS).

    Outro dado do relatório aponta que, de todos os indivíduos infectados pelo HIV, observa-se cobertura antirretroviral de 60% e supressão viral de 54% (com carga viral abaixo de 1.000 cópias/mL). Isso é excelente porque quanto menor a carga viral, menor a possibilidade de transmissão do vírus e indica sucesso no tratamento da pessoa vivendo com HIV.

    No primeiro semestre de 2017, até 30 junho, o número de pessoas em TARV somava mais de 517 mil. De acordo com os resultados monitorados até o momento, estima-se que até o final do ano cerca de 550 mil PVHIV estarão em tratamento, indicando um incremento de mais de 10% nesse número até o final do ano, ultrapassando o crescimento observado entre 2015- 2016.

    Além deste aumento no número de pessoas em TARV, verifica-se também uma diminuição expressiva no tempo mediano (em dias) entre o diagnóstico e o início do tratamento, caindo de 161 dias para 42 dias, em menos de quatro anos, de 2014 a junho de 2017, respectivamente.

    O Brasil foi o primeiro país da América Latina a incorporar, a partir de janeiro de 2017, o medicamento Dolutegravir, que é considerado atualmente o melhor medicamento para tratamento do HIV. Dados mais atuais, até 31 de outubro 2017, revelam que 68 mil PVHIV já estão em uso de Dolutegravir no país.

    Ainda em relação às metas 90-90-90, observa-se que das pessoas em TARV, há pelo menos seis meses, em 2016, 91% atingiram supressão viral (carga viral abaixo de 1.000 cópias/mL indicando sucesso no tratamento), proporção de 6% acima da observada em 2012 (85%) e ultrapassando a meta estabelecida.

    Esses dados subsidiam a resposta ao HIV no Brasil e são reconhecidos por seu rigor, como fonte de informação no âmbito internacional. Recentemente, a Organização Mundial de Saúde (OMS) reconheceu na Conferência Internacional de Aids (IAS 2017, em Paris), durante o lançamento do Consolidated Guidelines on Person-Centred HIV Patient Monitoring and Case Surveillance, que o Brasil é um dos poucos países do mundo que tem conseguido utilizar as informações geradas por seus sistemas nacionais de informação em saúde para fazer diferença na resposta ao HIV. Nesta publicação, inclusive, o Brasil foi citado como exemplo a ser seguido.

    Desafios - A maior vulnerabilidade entre os jovens fica evidente nos resultados apresentados no Relatório. Na análise das metas 90-90-90 estimou-se que apenas 56% das PVHIV de 18 a 24 anos diagnosticadas estavam em TARV, e desses, menos da metade apresentavam supressão viral (Carga Viral menor que 200 cópias/mL).

    Outro desafio a ser enfrentado refere-se a adesão à TARV. Os dados indicam que 70% das pessoas vivendo com HIV – com pelo menos uma dispensa de medicamentos em 2016- apresentavam adesão suficiente. Porém a taxa de abandono ou interrupção do tratamento de 9% se mantém praticamente constante desde 2013.

    “Estamos aprimorando as ações programáticas, buscando a aceleração e a qualificação da resposta brasileira ao HIV, com vistas ao alcance das metas estabelecidas no planejamento estratégico do Departamento de IST, HIV e Aids e Hepatites Virais”, explica a Dra. Adele Benzaken, diretora do departamento. A diretora ressalta ainda  que a publicação do relatório reforça “o compromisso de transparência com a população brasileira, especialmente com as pessoas que vivem com HIV e com os grupos de populações-chave e prioritárias que são mais afetadas pela epidemia”.

    O financiamento de toda a terapia antirretroviral distribuída pelo SUS no Brasil, garantida sua sustentabilidade por lei, é feito com recursos exclusivamente nacionais. Em 2017 foi investido R$ 1.1 bilhão para aquisição de 37 apresentações dos medicamentos.

     

    Da Agência Saúde 
    Atendimento à imprensa 
    (61) 3315-3174/3580

  • Câmara Temática reúne representantes de conselhos, ministérios, associações e federações

     

    Última CRTS de 2017 foi realizado na OPAS, em Brasília

    Fotos: Ivana Sant’Anna

    38ª Reunião Ordinária da Câmara de Regulação do Trabalho em Saúde (CRTS), em Brasília

    No dia 24 de dezembro foi realizada a 38ª Reunião Ordinária da Câmara de Regulação do Trabalho em Saúde (CRTS), na sala Isabel dos Santos, na sede da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS), em Brasília.

    A reunião teve como pautas a reforma da portaria que institui a CRTS, o novo regimento interno da CRTS, a regulamentação de práticas integrativas e complementares e a educação a distância na área da saúde.

    Os temas foram debatidos por representantes dos Conselhos Federais das profissões de Saúde, do Ministério da Saúde, do Ministério do Trabalho, do Ministério da Educação, além de Associações e Federações da área da saúde.

    CRTS: O que é? -Câmara de Regulação do Trabalho em Saúde (CRTS) é um fórum permanente de caráter consultivo e de natureza colegiada, criado com a finalidade de debater, elaborar e recomendar normas sobre a regulação do exercício profissional, de acordo com os princípios e diretrizes do SUS e de acordo com as necessidades de saúde da população brasileira. Tem por objetivos: propor ações de regulação para as profissões e ocupações da área da saúde; assentir os mecanismos de regulação profissional; sugerir alterações de leis e estimular iniciativas para regulamentar o exercício de novas profissões.

    A CRTS foi criada pela Portaria MS/GM nº 827, de 5 de maio de 2004 e é vinculada ao Departamento de Gestão e da Regulação do Trabalho em Saúde (Degerts) da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES). Ela é composta por gestores (Ministério da Saúde, Ministério do Trabalho e Emprego, Ministério da Educação, Conass e Conasems) e por representantes dos conselhos federais e de entidades científicas das profissões de saúde.

    Por Ivana Sant’Anna, do NUCOM/SGTES
    Atendimento à imprensa
    (61) 3315-3580 / 2351/2745

     

  • CGATES conclui trabalhos de visitas técnicas às ETSUS no ano de 2017

    A última reunião de 2017 foi com dirigentes e representantes das Escolas Técnicas do SUS da região nordeste

    A Coordenação-Geral de Ações Técnicas em Educação na Saúde (CGATES), do Departamento de Gestão da Educação na Saúde (Deges), reuniu-se com representantes e diretores de todas as Escolas que integram a Rede de Escolas Técnicas do Sistema Único de Saúde (RET-SUS) da região nordeste, nos dias 30 de outubro e 8 de novembro, em Fortaleza e Recife, respectivamente, para a última rodada de conversas deste ano, sobre questões locais e regionais iminentes, relativas ao cotidiano de cada ETSUS.

    A visita técnica no Nordeste, em ambas as datas, assim como em todas as regiões do Brasil, teve como objetivo analisar e promover o diálogo acerca de especificidades locais, como as dificuldades enfrentadas, avanços, perspectivas, cursos em andamento e parcerias existentes. Durante os dois dias de conversa, cada uma das instituições apresentou um histórico de suas atividades realizadas ao longo dos últimos meses e assistiu à apresentação da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) que, em parceria com o Ministério da Saúde, visa fomentar a participação das Escolas nos Grupos de Interesse Especial (SIG) da Rede Universitária de Telemedicina (RUTE).

    A coordenadora da CGATES, Roberta Souza, responsável pelos encontros, destacou a importância das visitas técnicas. “O diálogo entre o Deges e a RET-SUS visa reconhecer a importância das ETSUS para o fortalecimento da educação profissional em saúde. As reuniões técnicas permitiram que o Ministério da Saúde pudesse acompanhar de perto as ações desenvolvidas pelas Escolas e, assim, com o diagnóstico fruto dos encontros, vai poder direcionar melhor o contato com cada uma delas”, apontou.

    Antes do Nordeste, as primeiras Escolas que receberam as visitas dos técnicos da CGATES foram as da região Sul, na sede da Escola de Formação em Saúde (EFOS), em Florianópolis. Na sequência, as Escolas da região Norte sediaram a reunião no Centro de Educação Técnico-Profissional na Área de Saúde de Rondônia (CETAS), em Porto Velho (RO). Dando continuidade às discussões sobre o dia a dia das Escolas, representantes do Centro-Oeste se reuniram no Distrito Federal, na Escola de Saúde Pública de Brasília (Etesb). Paralelamente, os dirigentes das Escolas da região Sudeste se reuniram em duas datas, sendo a primeira no Centro Formador de Pessoal para Saúde, em Vila Mariana (SP), onde todas as Escolas do estado foram representadas, e a segunda foi em Vitória, na sede da Escola Técnica e Formação Profissional de Saúde – Profa. Ângela Maria Campos, com integrantes das ETSUS de Minas Gerais, Espírito Santo e Rio de Janeiro.

    Por Amilton Marques, do Nucom SGTES
    Atendimento à Imprensa
    (61) 3315-3580/2351/2745

  • Degerts realiza evento em parceria com a Subsecretaria de Gestão de pessoas do DF

    Secretaria de Saúde do DF apresentou projeto piloto voltado para o dimensionamento da força de trabalho no SUS

    Foto: Ricardo Sanchez

    A Subsecretaria de Gestão de Pessoas, da Secretaria de Estado de Saúde do DF, realizou, no último dia 30 de outubro, a apresentação do projeto piloto Planejamento e Dimensionamento da Força de Trabalho nos Serviços pré-hospitalares Fixo e Hospitalares de Urgência do DF. A iniciativa foi aplicada na rede de atenção às urgências da Superintendência Regional de Saúde do Sudoeste, em Brasília com o objetivo de mapear a força de trabalho.

    A diretora do Departamento de Gestão e da Regulação do Trabalho em Saúde (Degerts), Ana Paula Schiavone, ressaltou a importância do resultado do projeto piloto. “O resultado do projeto no Distrito Federal permitirá a aplicação do dimensionamento em todas as regionais da capital federal, resultando na melhoria do atendimento do usuário do SUS e otimizando a verba investida em saúde”, explicou Schiavone.

    A iniciativa do Degerts, em parceria com a Organização Panamericana de Saúde (OPAS) e Associação Rede Unida, para o dimensionamento da força de trabalho no SUS também conta com projetos pilotos nos estados do Amazonas, Ceará, Goiás, Pará, Paraná e Tocantins.

    Por Ricardo Sanchez, do Nucom/SGTES
    Atendimento à imprensa
    (61) 3315- 3580 /2351/2745

     

  • Diretor-geral da OMS realiza visita oficial ao Brasil

    A convite do governo brasileiro, Tedros Adhanom realiza sua primeira visita oficial como diretor da Organização Mundial da Saúde

    Box Title
    Crédito: Erasmo Salomão/MS

    26069750277 b3c091c14b kPresidente Michel Temer e o ministro Ricardo Barros entregam condecoração aos diretores Tedros Adhanom, Mariângela Batista e à instituição OMS

    Nos dias 21 e 22 de março, o Brasil recebe a visita do diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, para conhecer o sistema de saúde brasileiro e discutir os principais temas de interesse do Brasil em matéria de saúde. É a primeira missão oficial do diretor ao país desde sua posse no cargo, em julho de 2017.

    Na quarta-feira (21), o diretor-geral da OMS se reunirá com o ministro da Saúde, Ricardo Barros, e com o presidente Michel Temer, além de visitar um centro de saúde do Distrito Federal. Em audiência no Palácio do Planalto, o presidente Michel Temer concederá a “Medalha de Mérito Oswaldo Cruz” ao Dr. Tedros Adhanom, à OMS e à diretora-geral adjunta da OMS para Acesso a Medicamentos, Vacinas e Produtos Farmacêuticos, a brasileira Mariângela Batista Galvão Simão. A condecoração agracia pessoas e entidades que se destacam em atividades que trazem resultados benéficos à saúde individual e coletiva dos cidadãos brasileiros.

    Eleito para a Direção-Geral da OMS em 2017, com apoio oficial do governo brasileiro, Tedros Adhanom tem atuado para a racionalização de processos decisórios na Organização, a promoção da representação regional e da igualdade de gênero e a atenção às necessidades dos países em desenvolvimento em matéria de saúde.

    Em seus encontros com autoridades do governo brasileiro, serão abordados os principais temas de interesse comum da agenda global de saúde, com especial destaque para as temáticas de cobertura universal de saúde, atual pilar estratégico da OMS, e de acesso a medicamentos, vacinas e produtos farmacêuticos. Além disso, serão discutidos mecanismos e estratégias multilaterais que possibilitem uma resposta rápida, coordenada e efetiva a situações de emergência internacional de saúde.

    O diretor-geral da OMS também participará, na Câmara dos Deputados, de reunião conjunta da Comissão de Seguridade Social e Família, da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional e da Frente Parlamentar de Saúde. Na quinta-feira (22), participará da Reunião da Comissão Intergestores Tripartite e de encontro da Rede Nacional de Especialistas em Zika e Doenças Correlatas (RENEZIKA).

    O BRASIL NA OMS

    A saúde ocupa papel central na Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. O Brasil tem defendido, na OMS, a construção de um modelo de desenvolvimento inclusivo e sustentável, que seja capaz de responder aos novos desafios do setor de saúde, com atenção especial às necessidades dos países em desenvolvimento.

    Por Nucom AISA
    Atendimento à imprensa
    (61) 3315-3580/3835/2005/3435

  • Distrito Federal utiliza práticas integrativas no tratamento de pacientes do SUS

    Terapia comunitária, biodança, yoga, auriculoterapia, massoterapia, acupuntura e reiki são algumas das práticas oferecidas a pacientes que são atendidos na atenção básica, no estado

    As Práticas Integrativas e Complementares (PICS) disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS) são ofertadas à população do Distrito Federal. Medicina tradicional chinesa, terapia comunitária, dança circular/biodança, yoga, massagem, auriculoterapia, massoterapia, acupuntura e reiki são as práticas oferecidas na Atenção Básica para o tratamento de usuários do SUS, em Brasília. Essas práticas são alguns dos tratamentos que utilizam recursos terapêuticos, baseados em conhecimentos tradicionais, voltados para tratar e prevenir diversas doenças, como depressão e hipertensão. Em 2017, foram registrados mais de 41 mil atendimentos individuais no Distrito Federal. Na última segunda-feira (12), o Ministério da Saúde anunciou a inclusão de 10 novas práticas integrativas no SUS, agora os pacientes podem contar com 29 PICS.

    Entre as 29 práticas integrativas e complementares oferecidas no Sistema Único de Saúde são: ayurveda, homeopatia, medicina tradicional chinesa, medicina antroposófica, plantas medicinais/fitoterapia, arteterapia, biodança, dança circular, meditação, musicoterapia, naturopatia, osteopatia, quiropraxia, reflexoterapia, reiki, shantala, terapia comunitária integrativa, termalismo social/crenoterapia, yoga, apiterapia, aromoterapia, bioenergética, cromoterapia, constelação familiar, geoterapia, hipnoterapia, imposição de mãos, ozoniterapia e terapia de florais.

    As terapias estão presentes em 9.350 estabelecimentos em 3.173 municípios brasileiros, sendo que 88% são oferecidas na Atenção Básica. Atualmente, a acupuntura é a mais difundida com 707 mil atendimentos e 277 mil consultas individuais. Em segundo lugar, estão as práticas de Medicina Tradicional Chinesa com 151 mil sessões, como taichi-chuan e liangong. Em seguida aparece a auriculoterapia com 142 mil procedimentos. Também foram registradas 35 mil sessões de yoga, 23 mil de dança circular/biodança e 23 mil de terapia comunitária, entre outras.

    Evidências científicas têm mostrado os benefícios do tratamento integrado entre medicina convencional e práticas integrativas e complementares. Além disso, há crescente número de profissionais capacitados e habilitados e maior valorização dos conhecimentos tradicionais de onde se originam grande parte dessas práticas.

    CONGRESSO

    O Brasil é referência na área e para tratar desse assunto, o Ministério da Saúde promove entre os dias 12 e 15 de março o 1º Congresso Internacional de Práticas Integrativas e Saúde Pública (INTERCONGREPICS), e o 3º Congresso Internacional de Ayurveda. Os dois eventos são realizados no Rio de Janeiro, no Centro de Convenções Riocentro, com programação integrada e a presença de cerca de quatro mil pesquisadores do assunto.

    O encontro promove debates com pesquisadores internacionais e do Brasil, e troca de experiências entre os profissionais, gestores e pesquisadores das diversas práticas integrativas. Mais de 900 trabalhos científicos, de todas as regiões do país e de outros países também, estão sendo apresentados no evento.

    IMPLANTAÇÃO

    As práticas integrativas e complementares são ações de cuidado transversais e podem ser realizadas na atenção básica e na média e alta complexidade. Não existe uma adesão à PNPIC: a política traz diretrizes gerais para a incorporação das práticas nos serviços.  Compete ao gestor municipal elaborar normas para inserção da PNPIC na rede municipal de Saúde.

    Na Atenção Básica, o pagamento é realizado pelo piso da atenção básica (PAB) fixo (per capita), ou por PAB variável, que corresponde ao pagamento por equipes de saúde da família, agentes comunitários e núcleos de saúde da família, ou ainda o programa de melhoria do acesso e da qualidade (PMAQ). Dessa forma, os procedimentos ofertados através da Portaria nº145/2017 estão dentro do financiamento do PAB e não geram recursos por produção.

    A Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), publicada em 2006, instituiu no Sistema Único de Saúde (SUS) abordagens de cuidado integral à população por meio de sistemas complexos e outras práticas que envolvem recursos terapêuticos diversos. Desde a sua implantação, o acesso dos usuários do SUS a essas práticas integrativas tem crescido exponencialmente.

    Por Carolina Valadares e Nicole Beraldo da Agência Saúde
    Atendimento à Imprensa
    (61) 3315-3533/3580/ 3880

  • Em Alagoas, 73 municípios utilizam práticas integrativas no tratamento de pacientes do SUS

    Biodança, yoga, massagem, auriculoterapia e acupuntura são algumas das práticas oferecidas a pacientes que são atendidos na atenção básica, no estado

    As Práticas Integrativas e Complementares (PICS) disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS) são ofertadas à população de Alagoas. No estado, medicina tradicional chinesa, terapia comunitária, dança circular/biodança, yoga, massagem, auriculoterapia e acupuntura são as práticas oferecidas na Atenção Básica para o tratamento de usuários do SUS, em 73 municípios. Essas práticas são alguns dos tratamentos que utilizam recursos terapêuticos, baseados em conhecimentos tradicionais, voltados para tratar e prevenir diversas doenças, como depressão e hipertensão. Em 2017, foram registrados mais de 2,5 mil atendimentos individuais no estado. Na última segunda-feira (12), o Ministério da Saúde anunciou a inclusão de 10 novas práticas integrativas no SUS, agora os pacientes podem contar com 29 PICS.

    As 29 práticas integrativas e complementares oferecidas no Sistema Único de Saúde são: ayurveda, homeopatia, medicina tradicional chinesa, medicina antroposófica, plantas medicinais/fitoterapia, arteterapia, biodança, dança circular, meditação, musicoterapia, naturopatia, osteopatia, quiropraxia, reflexoterapia, reiki, shantala, terapia comunitária integrativa, termalismo social/crenoterapia, yoga, apiterapia, aromoterapia, bioenergética, cromoterapia, constelação familiar, geoterapia, hipnoterapia, imposição de mãos, ozoniterapia e terapia de florais.

    Evidências científicas têm mostrado os benefícios do tratamento integrado entre medicina convencional e práticas integrativas e complementares. Além disso, há crescente número de profissionais capacitados e habilitados e maior valorização dos conhecimentos tradicionais de onde se originam grande parte dessas práticas.

    As terapias estão presentes em 9.350 estabelecimentos em 3.173 municípios brasileiros, sendo que 88% são oferecidas na Atenção Básica. Atualmente, a acupuntura é a mais difundida com 707 mil atendimentos e 277 mil consultas individuais. Em segundo lugar, estão as práticas de Medicina Tradicional Chinesa com 151 mil sessões, como taichi-chuan e liangong. Em seguida aparece a auriculoterapia com 142 mil procedimentos. Também foram registradas 35 mil sessões de yoga, 23 mil de dança circular/biodança e 23 mil de terapia comunitária, entre outras.

    CONGRESSO

    O Brasil é referência na área e para tratar desse assunto, o Ministério da Saúde promove entre os dias 12 e 15 de março o 1º Congresso Internacional de Práticas Integrativas e Saúde Pública (INTERCONGREPICS), e o 3º Congresso Internacional de Ayurveda. Os dois eventos são realizados no Rio de Janeiro, no Centro de Convenções Riocentro, com programação integrada e a presença de cerca de quatro mil pesquisadores do assunto.

    O encontro promove debates com pesquisadores internacionais e do Brasil, e troca de experiências entre os profissionais, gestores e pesquisadores das diversas práticas integrativas. Mais de 900 trabalhos científicos, de todas as regiões do país e de outros países também, estão sendo apresentados no evento.

    IMPLANTAÇÃO

    As práticas integrativas e complementares são ações de cuidado transversais e podem ser realizadas na atenção básica e na média e alta complexidade. Não existe uma adesão à PNPIC: a política traz diretrizes gerais para a incorporação das práticas nos serviços.  Compete ao gestor municipal elaborar normas para inserção da PNPIC na rede municipal de Saúde.

    Na Atenção Básica, o pagamento é realizado pelo piso da atenção básica (PAB) fixo (per capita), ou por PAB variável, que corresponde ao pagamento por equipes de saúde da família, agentes comunitários e núcleos de saúde da família, ou ainda o programa de melhoria do acesso e da qualidade (PMAQ). Dessa forma, os procedimentos ofertados através da Portaria nº145/2017 estão dentro do financiamento do PAB e não geram recursos por produção.

    A Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), publicada em 2006, instituiu no Sistema Único de Saúde (SUS) abordagens de cuidado integral à população por meio de sistemas complexos e outras práticas que envolvem recursos terapêuticos diversos. Desde a sua implantação, o acesso dos usuários do SUS a essas práticas integrativas tem crescido exponencialmente.

    Municípios que ofertam práticas integrativas em Alagoas

    AL

    Anadia

    AL

    Boca da Mata

    AL

    Cajueiro

    AL

    Delmiro Gouveia

    AL

    Dois Riachos

    AL

    Igaci

    AL

    Junqueiro

    AL

    Maceió

    AL

    Marechal Deodoro

    AL

    Palmeira dos Índios

    AL

    Pão de Açúcar

    AL

    Pilar

    AL

    Teotônio Vilela

    AL

    ÁGUA BRANCA

    AL

    ARAPIRACA

    AL

    ATALAIA

    AL

    BARRA DE SANTO ANTÔNIO

    AL

    BARRA DE SÃO MIGUEL

    AL

    BELO MONTE

    AL

    CACIMBINHAS

    AL

    CAMPESTRE

    AL

    CHÃ PRETA

    AL

    COLÔNIA LEOPOLDINA

    AL

    CORURIPE

    AL

    ESTRELA DE ALAGOAS

    AL

    INHAPI

    AL

    MAJOR ISIDORO

    AL

    MATA GRANDE

    AL

    MATRIZ DE CAMARAGIBE

    AL

    MURICI

    AL

    OURO BRANCO

    AL

    PENEDO

    AL

    PINDOBA

    AL

    PIRANHAS

    AL

    PORTO REAL DO COLÉGIO

    AL

    SANTANA DO IPANEMA

    AL

    SÃO JOSÉ DA LAJE

    AL

    SÃO JOSÉ DA TAPERA

    AL

    SÃO LUÍS DO QUITUNDE

    AL

    SENADOR RUI PALMEIRA

    AL

    TAQUARANA

    AL

    GIRAU DO PONCIANO

    AL

    TRAIPU

    AL

    CANAPI

    AL

    CAPELA

    AL

    CRAÍBAS

    AL

    FLEXEIRAS

    AL

    IGREJA NOVA

    AL

    JACARÉ DOS HOMENS

    AL

    JARAMATAIA

    AL

    JEQUIÁ DA PRAIA

    AL

    JUNDIÁ

    AL

    MARAGOGI

    AL

    MARAVILHA

    AL

    MAR VERMELHO

    AL

    MESSIAS

    AL

    OLHO D'ÁGUA DAS FLORES

    AL

    OLHO D'ÁGUA GRANDE

    AL

    OLIVENÇA

    AL

    PALESTINA

    AL

    PARICONHA

    AL

    PAULO JACINTO

    AL

    POÇO DAS TRINCHEIRAS

    AL

    QUEBRANGULO

    AL

    RIO LARGO

    AL

    SANTANA DO MUNDAÚ

    AL

    SÃO MIGUEL DOS CAMPOS

    AL

    SÃO MIGUEL DOS MILAGRES

    AL

    SÃO SEBASTIÃO

    AL

    SATUBA

    AL

    TANQUE D'ARCA

    AL

    UNIÃO DOS PALMARES

    AL

    VIÇOSA

    Por Carolina Valadares e Nicole Beraldo da Agência Saúde
    Atendimento à Imprensa
    (61) 3315-3533/3580/ 3880

  • Em Goiás, 136 municípios utilizam práticas integrativas no tratamento de pacientes do SUS

    Yoga, massagem, auriculoterapia, massoterapia, arteterapia, acupuntura são algumas das práticas oferecidas a pacientes que são atendidos na atenção básica, no estado

    As Práticas Integrativas e Complementares (PICS) disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS) são ofertadas à população de Goiás. No estado, as práticas de medicina tradicional chinesa, terapia comunitária, dança circular/biodança, yoga, massagem, auriculoterapia, massoterapia, arteterapia, acupuntura, tratamento termal e tratamento naturopático são oferecidas na Atenção Básica para o tratamento de usuários do SUS, em 136 municípios. Essas práticas são alguns dos tratamentos que utilizam recursos terapêuticos, baseados em conhecimentos tradicionais, voltados para tratar e prevenir diversas doenças, como depressão e hipertensão. Em 2017, foram registrados mais de 34,6 mil atendimentos individuais no estado.  Na última segunda-feira (12), o Ministério da Saúde anunciou a inclusão de 10 novas práticas integrativas no SUS, agora os pacientes podem contar com 29 PICS.

    As 29 práticas integrativas e complementares oferecidas no Sistema Único de Saúde são: ayurveda, homeopatia, medicina tradicional chinesa, medicina antroposófica, plantas medicinais/fitoterapia, arteterapia, biodança, dança circular, meditação, musicoterapia, naturopatia, osteopatia, quiropraxia, reflexoterapia, reiki, shantala, terapia comunitária integrativa, termalismo social/crenoterapia, yoga, apiterapia, aromoterapia, bioenergética, cromoterapia, constelação familiar, geoterapia, hipnoterapia, imposição de mãos, ozoniterapia e terapia de florais.

    Evidências científicas têm mostrado os benefícios do tratamento integrado entre medicina convencional e práticas integrativas e complementares. Além disso, há crescente número de profissionais capacitados e habilitados e maior valorização dos conhecimentos tradicionais de onde se originam grande parte dessas práticas.

    As terapias estão presentes em 9.350 estabelecimentos em 3.173 municípios brasileiros, sendo que 88% são oferecidas na Atenção Básica. Atualmente, a acupuntura é a mais difundida com 707 mil atendimentos e 277 mil consultas individuais. Em segundo lugar, estão as práticas de Medicina Tradicional Chinesa com 151 mil sessões, como taichi-chuan e liangong. Em seguida aparece a auriculoterapia com 142 mil procedimentos. Também foram registradas 35 mil sessões de yoga, 23 mil de dança circular/biodança e 23 mil de terapia comunitária, entre outras.

    CONGRESSO

    O Brasil é referência na área e para tratar desse assunto, o Ministério da Saúde promove entre os dias 12 e 15 de março o 1º Congresso Internacional de Práticas Integrativas e Saúde Pública (INTERCONGREPICS), e o 3º Congresso Internacional de Ayurveda. Os dois eventos são realizados no Rio de Janeiro, no Centro de Convenções Riocentro, com programação integrada e a presença de cerca de quatro mil pesquisadores do assunto.

    O encontro promove debates com pesquisadores internacionais e do Brasil, e troca de experiências entre os profissionais, gestores e pesquisadores das diversas práticas integrativas. Mais de 900 trabalhos científicos, de todas as regiões do país e de outros países também, estão sendo apresentados no evento.

    IMPLANTAÇÃO

    As práticas integrativas e complementares são ações de cuidado transversais e podem ser realizadas na atenção básica e na média e alta complexidade. Não existe uma adesão à PNPIC: a política traz diretrizes gerais para a incorporação das práticas nos serviços.  Compete ao gestor municipal elaborar normas para inserção da PNPIC na rede municipal de Saúde.

    Na Atenção Básica, o pagamento é realizado pelo piso da atenção básica (PAB) fixo (per capita), ou por PAB variável, que corresponde ao pagamento por equipes de saúde da família, agentes comunitários e núcleos de saúde da família, ou ainda o programa de melhoria do acesso e da qualidade (PMAQ). Dessa forma, os procedimentos ofertados através da Portaria nº145/2017 estão dentro do financiamento do PAB e não geram recursos por produção.

    A Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), publicada em 2006, instituiu no Sistema Único de Saúde (SUS) abordagens de cuidado integral à população por meio de sistemas complexos e outras práticas que envolvem recursos terapêuticos diversos. Desde a sua implantação, o acesso dos usuários do SUS a essas práticas integrativas tem crescido exponencialmente.

    Municípios que ofertam práticas integrativas em Goiás

    GO

    Anápolis

    GO

    Aparecida de Goiânia

    GO

    Aparecida do Rio Doce

    GO

    Ceres

    GO

    Cocalzinho de Goiás

    GO

    Goiânia

    GO

    Goianira

    GO

    Itapirapuã

    GO

    Mineiros

    GO

    Novo Brasil

    GO

    Orizona

    GO

    Paraúna

    GO

    Pilar de Goiás

    GO

    Professor Jamil

    GO

    Rianápolis

    GO

    Rubiataba

    GO

    Santa Fé de Goiás

    GO

    Santa Helena de Goiás

    GO

    Trindade

    GO

    ABADIÂNIA

    GO

    ÁGUA FRIA DE GOIÁS

    GO

    ALEXÂNIA

    GO

    ANICUNS

    GO

    ARAÇU

    GO

    BELA VISTA DE GOIÁS

    GO

    BOM JESUS DE GOIÁS

    GO

    BRAZABRANTES

    GO

    CAMPO LIMPO DE GOIÁS

    GO

    CAMPOS BELOS

    GO

    CHAPADÃO DO CÉU

    GO

    CORUMBÁ DE GOIÁS

    GO

    CRIXÁS

    GO

    FORMOSA

    GO

    FORMOSO

    GO

    GOIATUBA

    GO

    INHUMAS

    GO

    ITABERAÍ

    GO

    ITARUMÃ

    GO

    JATAÍ

    GO

    LUZIÂNIA

    GO

    MOIPORÁ

    GO

    MONTES CLAROS DE GOIÁS

    GO

    NERÓPOLIS

    GO

    NIQUELÂNDIA

    GO

    NOVA AURORA

    GO

    NOVA GLÓRIA

    GO

    NOVA VENEZA

    GO

    PIRACANJUBA

    GO

    PORANGATU

    GO

    QUIRINÓPOLIS

    GO

    SÃO LUÍZ DO NORTE

    GO

    SÃO MIGUEL DO ARAGUAIA

    GO

    SÃO MIGUEL DO PASSA QUATRO

    GO

    TERESINA DE GOIÁS

    GO

    VILA BOA

    GO

    AURILÂNDIA

    GO

    BRITÂNIA

    GO

    CABECEIRAS

    GO

    CATALÃO

    GO

    GOIANÉSIA

    GO

    GUAPÓ

    GO

    GUARANI DE GOIÁS

    GO

    ITAUÇU

    GO

    IVOLÂNDIA

    GO

    JUSSARA

    GO

    MIMOSO DE GOIÁS

    GO

    OURO VERDE DE GOIÁS

    GO

    PANAMÁ

    GO

    TRÊS RANCHOS

    GO

    ABADIA DE GOIÁS

    GO

    ACREÚNA

    GO

    ÁGUA LIMPA

    GO

    ÁGUAS LINDAS DE GOIÁS

    GO

    ALTO PARAÍSO DE GOIÁS

    GO

    ALVORADA DO NORTE

    GO

    ARAGOIÂNIA

    GO

    ARUANÃ

    GO

    BALIZA

    GO

    BOM JARDIM DE GOIÁS

    GO

    BURITI DE GOIÁS

    GO

    CACHOEIRA ALTA

    GO

    CAÇU

    GO

    CALDAS NOVAS

    GO

    CAVALCANTE

    GO

    CEZARINA

    GO

    CÓRREGO DO OURO

    GO

    DAMOLÂNDIA

    GO

    DAVINÓPOLIS

    GO

    DIORAMA

    GO

    EDEALINA

    GO

    EDÉIA

    GO

    FAZENDA NOVA

    GO

    FIRMINÓPOLIS

    GO

    GOIANÁPOLIS

    GO

    GOIÁS

    GO

    GUARINOS

    GO

    HIDROLINA

    GO

    IACIARA

    GO

    INACIOLÂNDIA

    GO

    INDIARA

    GO

    IPORÁ

    GO

    ISRAELÂNDIA

    GO

    ITAGUARI

    GO

    ITAGUARU

    GO

    ITAPURANGA

    GO

    ITUMBIARA

    GO

    JARAGUÁ

    GO

    MAIRIPOTABA

    GO

    MARA ROSA

    GO

    MONTIVIDIU

    GO

    MORRINHOS

    GO

    MOZARLÂNDIA

    GO

    NAZÁRIO

    GO

    NOVA AMÉRICA

    GO

    NOVO GAMA

    GO

    OUVIDOR

    GO

    PALMEIRAS DE GOIÁS

    GO

    PETROLINA DE GOIÁS

    GO

    PONTALINA

    GO

    POSSE

    GO

    RIO VERDE

    GO

    SANCLERLÂNDIA

    GO

    SANTA BÁRBARA DE GOIÁS

    GO

    SANTA TEREZINHA DE GOIÁS

    GO

    SANTO ANTÔNIO DO DESCOBERTO

    GO

    SÃO JOÃO D'ALIANÇA

    GO

    SÃO LUÍS DE MONTES BELOS

    GO

    SENADOR CANEDO

    GO

    SILVÂNIA

    GO

    SÍTIO D'ABADIA

    GO

    TEREZÓPOLIS DE GOIÁS

    GO

    TURVÂNIA

    GO

    URUANA

    GO

    URUTAÍ

    GO

    VIANÓPOLIS

    GO

    VILA PROPÍCIO

    Por Carolina Valadares e Nicole Beraldo da Agência Saúde
    Atendimento à Imprensa
    (61) 3315-3533/3580/ 3880

  • Em Mato Grosso, 71 municípios utilizam práticas integrativas no tratamento de pacientes do SUS

    Auriculoterapia, massoterapia, arteterapia, meditação, acupuntura, tratamento quiroprático são algumas das práticas oferecidas a pacientes que são atendidos na atenção básica, no estado

    As Práticas Integrativas e Complementares (PICS) disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS) são ofertadas à população de Mato Grosso. No estado, as práticas de medicina tradicional chinesa, terapia comunitária, dança circular, yoga, massagem, auriculoterapia, massoterapia, arteterapia, meditação, acupuntura, tratamento quiroprático, tratamento naturopático, osteopático e reiki são as práticas oferecidas na Atenção Básica para o tratamento de usuários do SUS, em 56 municípios. Essas práticas são alguns dos tratamentos que utilizam recursos terapêuticos, baseados em conhecimentos tradicionais, voltados para tratar e prevenir diversas doenças, como depressão e hipertensão. Em 2017, foram registrados mais de 26,8 mil atendimentos individuais no estado. Na última segunda-feira (12), o Ministério da Saúde anunciou a inclusão de 10 novas práticas integrativas no SUS, agora os pacientes podem contar com 29 PICS.

    As 29 práticas integrativas e complementares oferecidas no Sistema Único de Saúde são: ayurveda, homeopatia, medicina tradicional chinesa, medicina antroposófica, plantas medicinais/fitoterapia, arteterapia, biodança, dança circular, meditação, musicoterapia, naturopatia, osteopatia, quiropraxia, reflexoterapia, reiki, shantala, terapia comunitária integrativa, termalismo social/crenoterapia, yoga, apiterapia, aromoterapia, bioenergética, cromoterapia, constelação familiar, geoterapia, hipnoterapia, imposição de mãos, ozoniterapia e terapia de florais.

    Evidências científicas têm mostrado os benefícios do tratamento integrado entre medicina convencional e práticas integrativas e complementares. Além disso, há crescente número de profissionais capacitados e habilitados e maior valorização dos conhecimentos tradicionais de onde se originam grande parte dessas práticas.

    As terapias estão presentes em 9.350 estabelecimentos em 3.173 municípios brasileiros, sendo que 88% são oferecidas na Atenção Básica. Atualmente, a acupuntura é a mais difundida com 707 mil atendimentos e 277 mil consultas individuais. Em segundo lugar, estão as práticas de Medicina Tradicional Chinesa com 151 mil sessões, como taichi-chuan e liangong. Em seguida aparece a auriculoterapia com 142 mil procedimentos. Também foram registradas 35 mil sessões de yoga, 23 mil de dança circular/biodança e 23 mil de terapia comunitária, entre outras.

    CONGRESSO

    O Brasil é referência na área e para tratar desse assunto, o Ministério da Saúde promove entre os dias 12 e 15 de março o 1º Congresso Internacional de Práticas Integrativas e Saúde Pública (INTERCONGREPICS), e o 3º Congresso Internacional de Ayurveda. Os dois eventos são realizados no Rio de Janeiro, no Centro de Convenções Riocentro, com programação integrada e a presença de cerca de quatro mil pesquisadores do assunto.

    O encontro promove debates com pesquisadores internacionais e do Brasil, e troca de experiências entre os profissionais, gestores e pesquisadores das diversas práticas integrativas. Mais de 900 trabalhos científicos, de todas as regiões do país e de outros países também, estão sendo apresentados no evento

    IMPLANTAÇÃO

    As práticas integrativas e complementares são ações de cuidado transversais e podem ser realizadas na atenção básica e na média e alta complexidade. Não existe uma adesão à PNPIC: a política traz diretrizes gerais para a incorporação das práticas nos serviços.  Compete ao gestor municipal elaborar normas para inserção da PNPIC na rede municipal de Saúde.

    Na Atenção Básica, o pagamento é realizado pelo piso da atenção básica (PAB) fixo (per capita), ou por PAB variável, que corresponde ao pagamento por equipes de saúde da família, agentes comunitários e núcleos de saúde da família, ou ainda o programa de melhoria do acesso e da qualidade (PMAQ). Dessa forma, os procedimentos ofertados através da Portaria nº145/2017 estão dentro do financiamento do PAB e não geram recursos por produção.

    A Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), publicada em 2006, instituiu no Sistema Único de Saúde (SUS) abordagens de cuidado integral à população por meio de sistemas complexos e outras práticas que envolvem recursos terapêuticos diversos. Desde a sua implantação, o acesso dos usuários do SUS a essas práticas integrativas tem crescido exponencialmente.

    Municípios que ofertam práticas integrativas no estado

    MT

    Água Boa

    MT

    Alto Taquari

    MT

    Carlinda

    MT

    Chapada dos Guimarães

    MT

    Colíder

    MT

    Cuiabá

    MT

    Guarantã do Norte

    MT

    Itiquira

    MT

    Juína

    MT

    Juscimeira

    MT

    Nova Marilândia

    MT

    Nova Monte Verde

    MT

    Ponte Branca

    MT

    Ribeirão Cascalheira

    MT

    Rondonópolis

    MT

    Santa Rita do Trivelato

    MT

    Sinop

    MT

    Tangará da Serra

    MT

    ALTA FLORESTA

    MT

    ARAGUAIANA

    MT

    ARENÁPOLIS

    MT

    BARRA DO BUGRES

    MT

    BARRA DO GARÇAS

    MT

    BRASNORTE

    MT

    CAMPO NOVO DO PARECIS

    MT

    CANABRAVA DO NORTE

    MT

    CANARANA

    MT

    CLÁUDIA

    MT

    COCALINHO

    MT

    COMODORO

    MT

    COTRIGUAÇU

    MT

    GAÚCHA DO NORTE

    MT

    JANGADA

    MT

    JURUENA

    MT

    VILA BELA DA SANTÍSSIMA TRINDADE

    MT

    MARCELÂNDIA

    MT

    MATUPÁ

    MT

    NOBRES

    MT

    NOVA NAZARÉ

    MT

    NOVA BRASILÂNDIA

    MT

    NOVA MUTUM

    MT

    NOVA OLÍMPIA

    MT

    QUERÊNCIA

    MT

    ROSÁRIO OESTE

    MT

    SERRA NOVA DOURADA

    MT

    TESOURO

    MT

    ACORIZAL

    MT

    ARAPUTANGA

    MT

    CAMPO VERDE

    MT

    MIRASSOL D'OESTE

    MT

    POXORÉO

    MT

    SANTA CARMEM

    MT

    RONDOLÂNDIA

    MT

    VÁRZEA GRANDE

    MT

    VILA RICA

    MT

    NOVA GUARITA

    MT

    ALTO BOA VISTA

    MT

    APIACÁS

    MT

    CÁCERES

    MT

    CONFRESA

    MT

    DIAMANTINO

    MT

    JUARA

    MT

    LUCAS DO RIO VERDE

    MT

    NOVA XAVANTINA

    MT

    POCONÉ

    MT

    PRIMAVERA DO LESTE

    MT

    SÃO JOSÉ DO RIO CLARO

    MT

    SORRISO

     

    Por Carolina Valadares e Nicole Beraldo da Agência Saúde
    Atendimento à Imprensa

    (61) 3315-3533/3580/ 3880

  • Em Minas Gerais, 564 municípios utilizam práticas integrativas no tratamento de pacientes do SUS

    Meditação, musicoterapia, tratamento termal, acupuntura e reiki são algumas das práticas oferecidas a pacientes que são atendidos na atenção básica, no estado

    As Práticas Integrativas e Complementares (PICS) disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS) são ofertadas à população de Minas Gerais. No estado, medicina tradicional chinesa, terapia comunitária, dança circular/biodança, yoga, massagem, auriculoterapia, massoterapia, arteterapia, meditação, musicoterapia, tratamento termal, acupuntura e reiki são as práticas oferecidas na Atenção Básica para o tratamento de usuários do SUS, em 564 municípios. Essas práticas são alguns dos tratamentos que utilizam recursos terapêuticos, baseados em conhecimentos tradicionais, voltados para tratar e prevenir diversas doenças, como depressão e hipertensão. Em 2017, foram registrados mais de 105 mil atendimentos individuais no estado.  Na última segunda-feira (12), o Ministério da Saúde anunciou a inclusão de 10 novas práticas integrativas no SUS, agora os pacientes podem contar com 29 PICS.

    As 29 práticas integrativas e complementares oferecidas no Sistema Único de Saúde são: ayurveda, homeopatia, medicina tradicional chinesa, medicina antroposófica, plantas medicinais/fitoterapia, arteterapia, biodança, dança circular, meditação, musicoterapia, naturopatia, osteopatia, quiropraxia, reflexoterapia, reiki, shantala, terapia comunitária integrativa, termalismo social/crenoterapia, yoga, apiterapia, aromoterapia, bioenergética, cromoterapia, constelação familiar, geoterapia, hipnoterapia, imposição de mãos, ozoniterapia e terapia de florais.

    Evidências científicas têm mostrado os benefícios do tratamento integrado entre medicina convencional e práticas integrativas e complementares. Além disso, há crescente número de profissionais capacitados e habilitados e maior valorização dos conhecimentos tradicionais de onde se originam grande parte dessas práticas.

    As terapias estão presentes em 9.350 estabelecimentos em 3.173 municípios brasileiros, sendo que 88% são oferecidas na Atenção Básica. Atualmente, a acupuntura é a mais difundida com 707 mil atendimentos e 277 mil consultas individuais. Em segundo lugar, estão as práticas de Medicina Tradicional Chinesa com 151 mil sessões, como taichi-chuan e liangong. Em seguida aparece a auriculoterapia com 142 mil procedimentos. Também foram registradas 35 mil sessões de yoga, 23 mil de dança circular/biodança e 23 mil de terapia comunitária, entre outras.

    CONGRESSO –O Brasil é referência na área e para tratar desse assunto, o Ministério da Saúde promove entre os dias 12 e 15 de março o 1º Congresso Internacional de Práticas Integrativas e Saúde Pública (INTERCONGREPICS), e o 3º Congresso Internacional de Ayurveda. Os dois eventos são realizados no Rio de Janeiro, no Centro de Convenções Riocentro, com programação integrada e a presença de cerca de quatro mil pesquisadores do assunto.

    O encontro promove debates com pesquisadores internacionais e do Brasil, e troca de experiências entre os profissionais, gestores e pesquisadores das diversas práticas integrativas. Mais de 900 trabalhos científicos, de todas as regiões do país e de outros países também, estão sendo apresentados no evento.

    IMPLANTAÇÃO – As práticas integrativas e complementares são ações de cuidado transversais e podem ser realizadas na atenção básica e na média e alta complexidade. Não existe uma adesão à PNPIC: a política traz diretrizes gerais para a incorporação das práticas nos serviços.  Compete ao gestor municipal elaborar normas para inserção da PNPIC na rede municipal de Saúde.

    Na Atenção Básica, o pagamento é realizado pelo piso da atenção básica (PAB) fixo (per capita), ou por PAB variável, que corresponde ao pagamento por equipes de saúde da família, agentes comunitários e núcleos de saúde da família, ou ainda o programa de melhoria do acesso e da qualidade (PMAQ). Dessa forma, os procedimentos ofertados através da Portaria nº145/2017 estão dentro do financiamento do PAB e não geram recursos por produção.

    A Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), publicada em 2006, instituiu no Sistema Único de Saúde (SUS) abordagens de cuidado integral à população por meio de sistemas complexos e outras práticas que envolvem recursos terapêuticos diversos. Desde a sua implantação, o acesso dos usuários do SUS a essas práticas integrativas tem crescido exponencialmente.

    Municípios que ofertam práticas integrativas em Minas Gerais

    MG

    Águas Formosas

    MG

    Alfenas

    MG

    Alpinópolis

    MG

    Alto Jequitibá

    MG

    Alvarenga

    MG

    Andradas

    MG

    Araguari

    MG

    Araxá

    MG

    Arceburgo

    MG

    Baldim

    MG

    Belo Horizonte

    MG

    Betim

    MG

    Boa Esperança

    MG

    Bocaina de Minas

    MG

    Bom Despacho

    MG

    Bonito de Minas

    MG

    Brumadinho

    MG

    Bugre

    MG

    Buritis

    MG

    Camacho

    MG

    Cambuí

    MG

    Campanha

    MG

    Candeias

    MG

    Carangola

    MG

    Caratinga

    MG

    Carmo da Mata

    MG

    Cataguases

    MG

    Contagem

    MG

    Cristina

    MG

    Divinópolis

    MG

    Durandé

    MG

    Fronteira dos Vales

    MG

    Governador Valadares

    MG

    Guaraciama

    MG

    Guaxupé

    MG

    Iapu

    MG

    Ibiraci

    MG

    Ibirité

    MG

    Ipatinga

    MG

    Itabira

    MG

    Itajubá

    MG

    Itamogi

    MG

    Itamonte

    MG

    Itanhandu

    MG

    Ituiutaba

    MG

    Jaboticatubas

    MG

    Jacinto

    MG

    Juiz de Fora

    MG

    Juruaia

    MG

    Ladainha

    MG

    Lagoa Formosa

    MG

    Mariana

    MG

    Matutina

    MG

    Miradouro

    MG

    Monte Alegre de Minas

    MG

    Montes Claros

    MG

    Nova Lima

    MG

    Paracatu

    MG

    Patrocínio

    MG

    Poço Fundo

    MG

    Poços de Caldas

    MG

    Presidente Juscelino

    MG

    Reduto

    MG

    Ressaquinha

    MG

    Sacramento

    MG

    Santa Rita de Jacutinga

    MG

    São Brás do Suaçuí

    MG

    São Félix de Minas

    MG

    São Gotardo

    MG

    São Joaquim de Bicas

    MG

    São Lourenço

    MG

    São Sebastião do Rio Verde

    MG

    São Vicente de Minas

    MG

    Senhora do Porto

    MG

    Sete Lagoas

    MG

    Taiobeiras

    MG

    Timóteo

    MG

    Tiros

    MG

    Três Marias

    MG

    Uberaba

    MG

    Uberlândia

    MG

    Unaí

    MG

    Visconde do Rio Branco

    MG

    ABAETÉ

    MG

    AGUANIL

    MG

    ÁGUAS VERMELHAS

    MG

    ALVINÓPOLIS

    MG

    CACHOEIRA DE PAJEÚ

    MG

    ARAPORÃ

    MG

    ASTOLFO DUTRA

    MG

    AUGUSTO DE LIMA

    MG

    BARBACENA

    MG

    BARRA LONGA

    MG

    BELA VISTA DE MINAS

    MG

    BERILO

    MG

    BOCAIÚVA

    MG

    BOM JESUS DA PENHA

    MG

    BOM JESUS DO AMPARO

    MG

    BOM REPOUSO

    MG

    BOTUMIRIM

    MG

    BRAÚNAS

    MG

    BUENÓPOLIS

    MG

    CACHOEIRA DA PRATA

    MG

    CACHOEIRA DE MINAS

    MG

    CACHOEIRA DOURADA

    MG

    CAETANÓPOLIS

    MG

    CAMBUQUIRA

    MG

    CAMPO BELO

    MG

    CAMPO DO MEIO

    MG

    CAMPOS GERAIS

    MG

    CAPARAÓ

    MG

    CAPELA NOVA

    MG

    CAPITÓLIO

    MG

    CARLOS CHAGAS

    MG

    CARMÉSIA

    MG

    CARMO DE MINAS

    MG

    CARMO DO CAJURU

    MG

    CARMO DO PARANAÍBA

    MG

    CARMÓPOLIS DE MINAS

    MG

    CATAS ALTAS

    MG

    CATUJI

    MG

    CHAPADA DO NORTE

    MG

    CHIADOR

    MG

    CLARAVAL

    MG

    CLÁUDIO

    MG

    CONCEIÇÃO DO MATO DENTRO

    MG

    CONCEIÇÃO DO RIO VERDE

    MG

    CONCEIÇÃO DOS OUROS

    MG

    CONGONHAL

    MG

    CONSELHEIRO LAFAIETE

    MG

    CORDISBURGO

    MG

    COROMANDEL

    MG

    CORONEL FABRICIANO

    MG

    CRUZEIRO DA FORTALEZA

    MG

    CURVELO

    MG

    DELFINÓPOLIS

    MG

    DOM BOSCO

    MG

    DORES DO INDAIÁ

    MG

    DORES DO TURVO

    MG

    DOURADOQUARA

    MG

    ENGENHEIRO NAVARRO

    MG

    ENTRE RIOS DE MINAS

    MG

    ESMERALDAS

    MG

    ESTRELA DO INDAIÁ

    MG

    EUGENÓPOLIS

    MG

    EXTREMA

    MG

    SÃO GONÇALO DO RIO PRETO

    MG

    FORMIGA

    MG

    FORTALEZA DE MINAS

    MG

    FORTUNA DE MINAS

    MG

    FRANCISCO BADARÓ

    MG

    FRANCISCO DUMONT

    MG

    FRUTAL

    MG

    GLAUCILÂNDIA

    MG

    GONÇALVES

    MG

    GUAPÉ

    MG

    GUARACIABA

    MG

    GUARANÉSIA

    MG

    GUARARÁ

    MG

    GURINHATÃ

    MG

    IGARAPÉ

    MG

    ILICÍNEA

    MG

    IMBÉ DE MINAS

    MG

    ITABIRITO

    MG

    ITAIPÉ

    MG

    ITAPEVA

    MG

    ITATIAIUÇU

    MG

    ITAÚ DE MINAS

    MG

    ITAÚNA

    MG

    ITAVERAVA

    MG

    ITINGA

    MG

    JACUÍ

    MG

    JENIPAPO DE MINAS

    MG

    JEQUITINHONHA

    MG

    JOÃO MONLEVADE

    MG

    JOÃO PINHEIRO

    MG

    JURAMENTO

    MG

    JUVENÍLIA

    MG

    LAGOA SANTA

    MG

    LUISBURGO

    MG

    MACHADO

    MG

    MANGA

    MG

    MANHUAÇU

    MG

    MÁRIO CAMPOS

    MG

    MARIPÁ DE MINAS

    MG

    MARTINS SOARES

    MG

    MATEUS LEME

    MG

    MATOZINHOS

    MG

    MESQUITA

    MG

    MINAS NOVAS

    MG

    MONJOLOS

    MG

    MONTE AZUL

    MG

    MONTE SANTO DE MINAS

    MG

    MONTE SIÃO

    MG

    MURIAÉ

    MG

    MUTUM

    MG

    NOVA MÓDICA

    MG

    NOVA RESENDE

    MG

    NOVO CRUZEIRO

    MG

    NOVO ORIENTE DE MINAS

    MG

    OLIVEIRA

    MG

    OURO BRANCO

    MG

    OURO PRETO

    MG

    PADRE PARAÍSO

    MG

    PAPAGAIOS

    MG

    PARÁ DE MINAS

    MG

    PARAGUAÇU

    MG

    PASSOS

    MG

    PATOS DE MINAS

    MG

    PEDRINÓPOLIS

    MG

    PEDRO LEOPOLDO

    MG

    PERDIZES

    MG

    PERIQUITO

    MG

    PIRANGA

    MG

    PIRANGUINHO

    MG

    PIRAPORA

    MG

    PIUMHI

    MG

    POMPÉU

    MG

    PONTE NOVA

    MG

    PONTO DOS VOLANTES

    MG

    POUSO ALEGRE

    MG

    PRADOS

    MG

    PRATA

    MG

    PRATÁPOLIS

    MG

    RAUL SOARES

    MG

    RESENDE COSTA

    MG

    RIBEIRÃO VERMELHO

    MG

    RIO ACIMA

    MG

    SABARÁ

    MG

    SALINAS

    MG

    SANTA BÁRBARA

    MG

    SANTA FÉ DE MINAS

    MG

    SANTA LUZIA

    MG

    SANTA MARIA DE ITABIRA

    MG

    SANTA MARIA DO SALTO

    MG

    SANTANA DO GARAMBÉU

    MG

    SANTANA DO RIACHO

    MG

    SANTA RITA DO SAPUCAÍ

    MG

    SANTO ANTÔNIO DO MONTE

    MG

    SÃO FRANCISCO DO GLÓRIA

    MG

    SÃO JOÃO BATISTA DO GLÓRIA

    MG

    SÃO JOÃO DAS MISSÕES

    MG

    SÃO JOÃO DEL REI

    MG

    SÃO JOSÉ DA BARRA

    MG

    SÃO JOSÉ DA SAFIRA

    MG

    SÃO JOSÉ DO DIVINO

    MG

    SÃO SEBASTIÃO DA BELA VISTA

    MG

    SÃO SEBASTIÃO DA VARGEM ALEGRE

    MG

    SÃO SEBASTIÃO DO OESTE

    MG

    SÃO SEBASTIÃO DO PARAÍSO

    MG

    SÃO TOMÁS DE AQUINO

    MG

    SÃO THOMÉ DAS LETRAS

    MG

    SARDOÁ

    MG

    SETUBINHA

    MG

    SENHORA DOS REMÉDIOS

    MG

    SERRA AZUL DE MINAS

    MG

    SERRANOS

    MG

    SOBRÁLIA

    MG

    TEÓFILO OTONI

    MG

    TIRADENTES

    MG

    TRÊS CORAÇÕES

    MG

    TUMIRITINGA

    MG

    VARGEM ALEGRE

    MG

    VARGINHA

    MG

    VÁRZEA DA PALMA

    MG

    VESPASIANO

    MG

    VIÇOSA

    MG

    MATHIAS LOBATO

    MG

    VIRGEM DA LAPA

    MG

    ALBERTINA

    MG

    ALPERCATA

    MG

    ALTEROSA

    MG

    ARAÚJOS

    MG

    CAETÉ

    MG

    CAMANDUCAIA

    MG

    CAPELINHA

    MG

    CAPUTIRA

    MG

    CARANDAÍ

    MG

    CASCALHO RICO

    MG

    CÔNEGO MARINHO

    MG

    CORINTO

    MG

    COROACI

    MG

    CORONEL MURTA

    MG

    CÓRREGO DANTA

    MG

    CÓRREGO NOVO

    MG

    ELÓI MENDES

    MG

    GRÃO MOGOL

    MG

    GUARDA-MOR

    MG

    IPANEMA

    MG

    ITAMBACURI

    MG

    LAVRAS

    MG

    MANTENA

    MG

    MATO VERDE

    MG

    MONTE CARMELO

    MG

    NOVA SERRANA

    MG

    PERDIGÃO

    MG

    PITANGUI

    MG

    PORTEIRINHA

    MG

    RIBEIRÃO DAS NEVES

    MG

    RIO DOCE

    MG

    RODEIRO

    MG

    RUBIM

    MG

    SÃO JOÃO DO PACUÍ

    MG

    SÃO JOÃO NEPOMUCENO

    MG

    SARZEDO

    MG

    TRÊS PONTAS

    MG

    ABRE CAMPO

    MG

    AIMORÉS

    MG

    ALAGOA

    MG

    ALÉM PARAÍBA

    MG

    ALMENARA

    MG

    ALTO CAPARAÓ

    MG

    ALTO RIO DOCE

    MG

    AMPARO DO SERRA

    MG

    ANDRELÂNDIA

    MG

    ANGELÂNDIA

    MG

    ANTÔNIO DIAS

    MG

    ANTÔNIO PRADO DE MINAS

    MG

    ARAÇAÍ

    MG

    ARAÇUAÍ

    MG

    ARAPUÁ

    MG

    ARCOS

    MG

    AREADO

    MG

    ARINOS

    MG

    ATALÉIA

    MG

    BAMBUÍ

    MG

    BANDEIRA

    MG

    BARÃO DE COCAIS

    MG

    BARÃO DE MONTE ALTO

    MG

    BELO ORIENTE

    MG

    BELO VALE

    MG

    BERTÓPOLIS

    MG

    BIAS FORTES

    MG

    BOM JARDIM DE MINAS

    MG

    BOM JESUS DO GALHO

    MG

    BONFIM

    MG

    BORDA DA MATA

    MG

    BOTELHOS

    MG

    BRASÍLIA DE MINAS

    MG

    BRÁS PIRES

    MG

    BRAZÓPOLIS

    MG

    BUENO BRANDÃO

    MG

    CABO VERDE

    MG

    CAIANA

    MG

    CAJURI

    MG

    CAMPESTRE

    MG

    CAMPINA VERDE

    MG

    CAMPOS ALTOS

    MG

    CANÁPOLIS

    MG

    CAPINÓPOLIS

    MG

    CAPITÃO ANDRADE

    MG

    CAPITÃO ENÉAS

    MG

    CARAÍ

    MG

    CARANAÍBA

    MG

    CARBONITA

    MG

    CARMO DO RIO CLARO

    MG

    CARNEIRINHO

    MG

    CARRANCAS

    MG

    CÁSSIA

    MG

    CEDRO DO ABAETÉ

    MG

    CENTRAL DE MINAS

    MG

    CHAPADA GAÚCHA

    MG

    CIPOTÂNEA

    MG

    COLUNA

    MG

    COMENDADOR GOMES

    MG

    CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS

    MG

    CONGONHAS

    MG

    CONSELHEIRO PENA

    MG

    CORAÇÃO DE JESUS

    MG

    CRISÓLITA

    MG

    CRISTAIS

    MG

    CRUZÍLIA

    MG

    CURRAL DE DENTRO

    MG

    DELFIM MOREIRA

    MG

    DELTA

    MG

    DESTERRO DO MELO

    MG

    DIAMANTINA

    MG

    DIOGO DE VASCONCELOS

    MG

    DIONÍSIO

    MG

    DIVINÉSIA

    MG

    DIVINO DAS LARANJEIRAS

    MG

    DIVISA ALEGRE

    MG

    DIVISÓPOLIS

    MG

    DOM CAVATI

    MG

    DOM SILVÉRIO

    MG

    DORES DE GUANHÃES

    MG

    ENGENHEIRO CALDAS

    MG

    ESPERA FELIZ

    MG

    ESPINOSA

    MG

    FELISBURGO

    MG

    FERROS

    MG

    FERVEDOURO

    MG

    FORMOSO

    MG

    FRANCISCO SÁ

    MG

    FRANCISCÓPOLIS

    MG

    FREI INOCÊNCIO

    MG

    FRUTA DE LEITE

    MG

    GAMELEIRAS

    MG

    GOIABEIRA

    MG

    GONZAGA

    MG

    GOUVEIA

    MG

    GRUPIARA

    MG

    GUANHÃES

    MG

    GUIDOVAL

    MG

    GUIRICEMA

    MG

    IBERTIOGA

    MG

    IBIÁ

    MG

    IBIAÍ

    MG

    IBITIÚRA DE MINAS

    MG

    IBITURUNA

    MG

    IGUATAMA

    MG

    INDAIABIRA

    MG

    INDIANÓPOLIS

    MG

    INHAÚMA

    MG

    INIMUTABA

    MG

    ITABIRINHA

    MG

    ITACAMBIRA

    MG

    ITACARAMBI

    MG

    ITAGUARA

    MG

    ITAMARANDIBA

    MG

    ITANHOMI

    MG

    ITAOBIM

    MG

    ITAPAGIPE

    MG

    ITUETA

    MG

    ITURAMA

    MG

    JAGUARAÇU

    MG

    JAÍBA

    MG

    JANAÚBA

    MG

    JAPONVAR

    MG

    JEQUERI

    MG

    JEQUITAÍ

    MG

    JEQUITIBÁ

    MG

    JOAÍMA

    MG

    JOSÉ GONÇALVES DE MINAS

    MG

    JOSENÓPOLIS

    MG

    JUATUBA

    MG

    LAGAMAR

    MG

    LAGOA DA PRATA

    MG

    LAGOA DOS PATOS

    MG

    LAGOA DOURADA

    MG

    LAGOA GRANDE

    MG

    LAMBARI

    MG

    LASSANCE

    MG

    LEOPOLDINA

    MG

    LIMA DUARTE

    MG

    LUZ

    MG

    MALACACHETA

    MG

    MANHUMIRIM

    MG

    MARAVILHAS

    MG

    MARLIÉRIA

    MG

    MARTINHO CAMPOS

    MG

    MEDEIROS

    MG

    MEDINA

    MG

    MENDES PIMENTEL

    MG

    MERCÊS

    MG

    MIRAÍ

    MG

    MONTALVÂNIA

    MG

    MONTEZUMA

    MG

    MORADA NOVA DE MINAS

    MG

    NANUQUE

    MG

    NATÉRCIA

    MG

    NEPOMUCENO

    MG

    NOVA BELÉM

    MG

    NOVA ERA

    MG

    NOVA PONTE

    MG

    NOVA PORTEIRINHA

    MG

    OLHOS-D'ÁGUA

    MG

    ONÇA DE PITANGUI

    MG

    ORIZÂNIA

    MG

    OURO FINO

    MG

    OURO VERDE DE MINAS

    MG

    PAINS

    MG

    PALMA

    MG

    PARAOPEBA

    MG

    PATIS

    MG

    PAULA CÂNDIDO

    MG

    PAULISTAS

    MG

    PEDRA AZUL

    MG

    PEDRA BONITA

    MG

    PEDRALVA

    MG

    PEDRAS DE MARIA DA CRUZ

    MG

    PESCADOR

    MG

    PIEDADE DE CARATINGA

    MG

    PIEDADE DO RIO GRANDE

    MG

    PIMENTA

    MG

    POCRANE

    MG

    PONTO CHIQUE

    MG

    POUSO ALTO

    MG

    PRESIDENTE OLEGÁRIO

    MG

    PRUDENTE DE MORAIS

    MG

    QUARTEL GERAL

    MG

    RAPOSOS

    MG

    RESPLENDOR

    MG

    RIACHINHO

    MG

    RIO ESPERA

    MG

    RIO PARANAÍBA

    MG

    RIO PARDO DE MINAS

    MG

    RIO POMBA

    MG

    RIO PRETO

    MG

    RIO VERMELHO

    MG

    RITÁPOLIS

    MG

    SABINÓPOLIS

    MG

    SANTA BÁRBARA DO LESTE

    MG

    SANTA BÁRBARA DO TUGÚRIO

    MG

    SANTA CRUZ DO ESCALVADO

    MG

    SANTA EFIGÊNIA DE MINAS

    MG

    SANTA HELENA DE MINAS

    MG

    SANTA MARGARIDA

    MG

    SANTANA DE CATAGUASES

    MG

    SANTANA DE PIRAPAMA

    MG

    SANTANA DO PARAÍSO

    MG

    SANTA RITA DE CALDAS

    MG

    SANTA RITA DO ITUETO

    MG

    SANTA VITÓRIA

    MG

    SANTO ANTÔNIO DO AMPARO

    MG

    SANTO ANTÔNIO DO RETIRO

    MG

    SANTOS DUMONT

    MG

    SÃO BENTO ABADE

    MG

    SÃO DOMINGOS DO PRATA

    MG

    SÃO FRANCISCO

    MG

    SÃO FRANCISCO DE SALES

    MG

    SÃO GERALDO DO BAIXIO

    MG

    SÃO GONÇALO DO RIO ABAIXO

    MG

    SÃO JOÃO DA LAGOA

    MG

    SÃO JOÃO DA PONTE

    MG

    SÃO JOÃO DO MANHUAÇU

    MG

    SÃO JOÃO DO MANTENINHA

    MG

    SÃO JOÃO DO PARAÍSO

    MG

    SÃO JOSÉ DA LAPA

    MG

    SÃO JOSÉ DO GOIABAL

    MG

    SÃO MIGUEL DO ANTA

    MG

    SÃO PEDRO DA UNIÃO

    MG

    SÃO ROMÃO

    MG

    SÃO ROQUE DE MINAS

    MG

    SÃO SEBASTIÃO DO MARANHÃO

    MG

    SÃO SEBASTIÃO DO RIO PRETO

    MG

    SÃO TIAGO

    MG

    SENADOR FIRMINO

    MG

    SENHORA DE OLIVEIRA

    MG

    SERICITA

    MG

    SERRA DA SAUDADE

    MG

    SERRA DOS AIMORÉS

    MG

    SERRA DO SALITRE

    MG

    SERRANÓPOLIS DE MINAS

    MG

    SERRO

    MG

    SILVEIRÂNIA

    MG

    SIMONÉSIA

    MG

    SOLEDADE DE MINAS

    MG

    TABULEIRO

    MG

    TAPARUBA

    MG

    TAPIRAÍ

    MG

    TARUMIRIM

    MG

    TEIXEIRAS

    MG

    TOMBOS

    MG

    TURMALINA

    MG

    URUANA DE MINAS

    MG

    VARGEM GRANDE DO RIO PARDO

    MG

    VARZELÂNDIA

    MG

    VAZANTE

    MG

    VERMELHO NOVO

    MG

    VIEIRAS

    MG

    VIRGÍNIA

    MG

    VIRGINÓPOLIS

    MG

    VIRGOLÂNDIA

     

    Por Carolina Valadares e Nicole Beraldo da Agência Saúde
    Atendimento à Imprensa

    (61) 3315-3533/3580/ 3880

  • Em oito meses, número de cirurgias eletivas cresceu 39,1% no Brasil

     

    Balanço da pasta mostra que em janeiro deste ano foram realizados 109.720 procedimentos eletivos. No mês de setembro, o número saltou para 152.632.

    O número de cirurgias eletivas no Brasil cresceu 39,1% em oito meses este ano, passando de 109.720 em janeiro para 152.632 no mês de setembro. São procedimentos cirúrgicos de média e alta complexidade de todas as especialidades médicas, agendadas, sem caráter de urgência e emergência. Esses procedimentos fazem parte da rotina dos atendimentos oferecidos à população nos hospitais de todo o país, de forma integral e gratuita, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). Os dados fazem parte do balanço apresentado pelo Ministério da Saúde durante reunião da Comissão Intergestores Tripartite (CIT), realizada nesta quinta-feira (30), em Brasília.

    Em maio deste ano, o Ministério da Saúde, em uma ação conjunta com os estados e municípios, adotou modelo de lista única para cirurgias eletivas em todo país. Foi feito um levantamento inédito de toda a demanda do SUS por estado para organizar a rede de saúde, acelerar o atendimento do cidadão e reduzir o tempo de espera. Para isso, além do valor repassado mensalmente, foram garantidos R$ 250 milhões extras. Parte desse valor já foi liberado para realização de mutirões, equivalente a R$ 41,6 milhões.

    “Ações como essas, em que estamos adiantando valores, são específicas, emergenciais e visam reforçar as estratégias de ampliação aos procedimentos eletivos. Queremos dar um fôlego financeiro e incentivar os gestores a diminuírem a lista de espera, mas é necessário que cada estado organize a própria regulação e utilize os recursos regulares e mensais já incorporados e repassados mensalmente para custear essas ações. O objetivo é diminuir a fila e não zerá-la, tendo em vista que sempre surgirão novas demandas”, destacou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

    Antes da unificação da fila, muitos pacientes estavam submetidos a espera de um único hospital de sua cidade ou mesmo entravam na fila de mais de um serviço. Com a unificação da lista, o cidadão terá um único cadastro e poderá ser atendido por todos os hospitais que prestam serviço em sua região.

    DEMANDA POR CIRURGIAS ELETIVAS – Em julho deste ano, quando foi fechada a primeira lista para cirurgias eletivas no SUS, haviam 804.961 solicitações. Com base nesses dados, o Governo Federal realizou uma análise detalhada das informações recebidas e constatou algumas inconsistências, como a existência de duplicidade dos cadastros. Após a avaliação, feita pela Ouvidoria do SUS por contato telefônico, chegou-se à conclusão de que havia 667.014 pacientes aguardando por algum procedimento eletivo no país.

    As três cirurgias mais demandadas são as do aparelho digestivo, órgãos anexos e parede abdominal (185.666), aparelho da visão (137.776) e aparelho geniturinário (121.205). Além dessas, também estão na lista pequenas cirurgias, cirurgias de pele, tecido subcutâneo e mucosa, das glândulas endócrinas, do sistema nervoso central e periférico, das vias aéreas superiores, da face, cabeça e pescoço, cirurgias oftalmológicas e oncológicas, do aparelho circulatório e do aparelho osteomuscular.

    Os procedimentos eletivos têm financiamento garantido pelo Governo Federal por meio do repasse mensal de recursos de média e alta complexidade, enviados mensalmente, de forma regular e automática, a todos os estados e municípios brasileiros, além dos valores extras liberados pelo Ministério da Saúde.

    A definição dos municípios e serviços de referência são responsabilidade dos gestores locais, estabelecendo a programação assistencial de cada serviço e fluxos de regulação para acesso das pessoas que se encontram na fila.

    “A informação sobre a fila de espera compartilhada entre municípios, estados e união será, sem dúvida, um mecanismo fundamental para a execução da estratégia de ampliação de acesso em 2017, mas é necessário ter precauções em relação à dinâmica da própria fila que, entre outros fatores, se altera com as oportunidades de acesso que surgem diariamente. Dessa forma, o maior desafio neste momento é manter a integração e a articulação nos estados com o objetivo de manter a fila única de cada estado e não replicar filas nos diferentes municípios e estabelecimentos de saúde. O objetivo é que o paciente seja atendido pelo sistema e não por um hospital”, completou o ministro Ricardo Barros.

    Por Gustavo Frasão, da Agência Saúde
    Atendimento à imprensa
    (61) 3315- 3533 / 3580

     

  • Em Pernambuco, 122 municípios utilizam práticas integrativas no tratamento de pacientes do SUS

    Auriculoterapia, massoterapia, musicoterapia, acupuntura, tratamento osteopático e reiki são algumas das práticas oferecidas a pacientes que são atendidos na atenção básica, no estado

    As Práticas Integrativas e Complementares (PICS) disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS) são ofertadas à população de Pernambuco. No estado, medicina tradicional chinesa, terapia comunitária, dança circular/biodança, yoga, massagem, auriculoterapia, massoterapia, arteterapia, meditação, musicoterapia, acupuntura, tratamento termal, tratamento naturopático, e reiki são as práticas oferecidas na Atenção Básica para o tratamento de usuários do SUS, em 122 municípios. Essas práticas são alguns dos tratamentos que utilizam recursos terapêuticos, baseados em conhecimentos tradicionais, voltados para tratar e prevenir diversas doenças, como depressão e hipertensão. Em 2017, foram registrados mais de 20 mil atendimentos individuais no estado. Na última segunda-feira (12), o Ministério da Saúde anunciou a inclusão de 10 novas práticas integrativas no SUS, agora os pacientes podem contar com 29 PICS.

    As 29 práticas integrativas e complementares oferecidas no Sistema Único de Saúde são: ayurveda, homeopatia, medicina tradicional chinesa, medicina antroposófica, plantas medicinais/fitoterapia, arteterapia, biodança, dança circular, meditação, musicoterapia, naturopatia, osteopatia, quiropraxia, reflexoterapia, reiki, shantala, terapia comunitária integrativa, termalismo social/crenoterapia, yoga, apiterapia, aromoterapia, bioenergética, cromoterapia, constelação familiar, geoterapia, hipnoterapia, imposição de mãos, ozoniterapia e terapia de florais.

    Evidências científicas têm mostrado os benefícios do tratamento integrado entre medicina convencional e práticas integrativas e complementares. Além disso, há crescente número de profissionais capacitados e habilitados e maior valorização dos conhecimentos tradicionais de onde se originam grande parte dessas práticas.

    As terapias estão presentes em 9.350 estabelecimentos em 3.173 municípios brasileiros, sendo que 88% são oferecidas na Atenção Básica. Atualmente, a acupuntura é a mais difundida com 707 mil atendimentos e 277 mil consultas individuais. Em segundo lugar, estão as práticas de Medicina Tradicional Chinesa com 151 mil sessões, como taichi-chuan e liangong. Em seguida aparece a auriculoterapia com 142 mil procedimentos. Também foram registradas 35 mil sessões de yoga, 23 mil de dança circular/biodança e 23 mil de terapia comunitária, entre outras.

    CONGRESSO

    O Brasil é referência na área e para tratar desse assunto, o Ministério da Saúde promove entre os dias 12 e 15 de março o 1º Congresso Internacional de Práticas Integrativas e Saúde Pública (INTERCONGREPICS), e o 3º Congresso Internacional de Ayurveda. Os dois eventos são realizados no Rio de Janeiro, no Centro de Convenções Riocentro, com programação integrada e a presença de cerca de quatro mil pesquisadores do assunto.

    O encontro promove debates com pesquisadores internacionais e do Brasil, e troca de experiências entre os profissionais, gestores e pesquisadores das diversas práticas integrativas. Mais de 900 trabalhos científicos, de todas as regiões do país e de outros países também, estão sendo apresentados no evento.

    IMPLANTAÇÃO

    As práticas integrativas e complementares são ações de cuidado transversais e podem ser realizadas na atenção básica e na média e alta complexidade. Não existe uma adesão à PNPIC: a política traz diretrizes gerais para a incorporação das práticas nos serviços.  Compete ao gestor municipal elaborar normas para inserção da PNPIC na rede municipal de Saúde.

    Na Atenção Básica, o pagamento é realizado pelo piso da atenção básica (PAB) fixo (per capita), ou por PAB variável, que corresponde ao pagamento por equipes de saúde da família, agentes comunitários e núcleos de saúde da família, ou ainda o programa de melhoria do acesso e da qualidade (PMAQ). Dessa forma, os procedimentos ofertados através da Portaria nº145/2017 estão dentro do financiamento do PAB e não geram recursos por produção.

    A Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), publicada em 2006, instituiu no Sistema Único de Saúde (SUS) abordagens de cuidado integral à população por meio de sistemas complexos e outras práticas que envolvem recursos terapêuticos diversos. Desde a sua implantação, o acesso dos usuários do SUS a essas práticas integrativas tem crescido exponencialmente.

    Municípios que ofertam práticas integrativas em Pernambuco

    PE

    Altinho

    PE

    Araçoiaba

    PE

    Cabo de Santo Agostinho

    PE

    Calçado

    PE

    Escada

    PE

    Garanhuns

    PE

    Ibimirim

    PE

    Ilha de Itamaracá

    PE

    Ipojuca

    PE

    Jaboatão dos Guararapes

    PE

    João Alfredo

    PE

    Limoeiro

    PE

    Moreno

    PE

    Olinda

    PE

    Panelas

    PE

    Paulista

    PE

    Petrolina

    PE

    Pombos

    PE

    Recife

    PE

    Sanharó

    PE

    Sirinhaém

    PE

    ABREU E LIMA

    PE

    AFRÂNIO

    PE

    ALAGOINHA

    PE

    ALIANÇA

    PE

    ARCOVERDE

    PE

    BARREIROS

    PE

    BELÉM DO SÃO FRANCISCO

    PE

    BELO JARDIM

    PE

    BEZERROS

    PE

    BOM CONSELHO

    PE

    BOM JARDIM

    PE

    BONITO

    PE

    BREJO DA MADRE DE DEUS

    PE

    BUÍQUE

    PE

    CABROBÓ

    PE

    CAMARAGIBE

    PE

    CARPINA

    PE

    CHÃ GRANDE

    PE

    CONDADO

    PE

    CUPIRA

    PE

    CUSTÓDIA

    PE

    DORMENTES

    PE

    EXU

    PE

    FEIRA NOVA

    PE

    FLORESTA

    PE

    GOIANA

    PE

    GRAVATÁ

    PE

    IGARASSU

    PE

    IGUARACY

    PE

    IPUBI

    PE

    ITAÍBA

    PE

    ITAPISSUMA

    PE

    LAGOA DE ITAENGA

    PE

    LAGOA GRANDE

    PE

    LAJEDO

    PE

    MACHADOS

    PE

    MARAIAL

    PE

    OROCÓ

    PE

    PARNAMIRIM

    PE

    PEDRA

    PE

    PRIMAVERA

    PE

    SALGADINHO

    PE

    SALGUEIRO

    PE

    SANTA MARIA DA BOA VISTA

    PE

    SÃO CAITANO

    PE

    SÃO JOSÉ DO BELMONTE

    PE

    SÃO LOURENÇO DA MATA

    PE

    SÃO VICENTE FERRER

    PE

    SERRA TALHADA

    PE

    SERRITA

    PE

    SOLIDÃO

    PE

    SURUBIM

    PE

    TABIRA

    PE

    TAMANDARÉ

    PE

    TIMBAÚBA

    PE

    TRINDADE

    PE

    TUPANATINGA

    PE

    VICÊNCIA

    PE

    CARUARU

    PE

    IBIRAJUBA

    PE

    ITAMBÉ

    PE

    ITAPETIM

    PE

    PESQUEIRA

    PE

    RIACHO DAS ALMAS

    PE

    TERRA NOVA

    PE

    AFOGADOS DA INGAZEIRA

    PE

    ÁGUA PRETA

    PE

    ÁGUAS BELAS

    PE

    BREJINHO

    PE

    CAPOEIRAS

    PE

    CASINHAS

    PE

    CHÃ DE ALEGRIA

    PE

    FERREIROS

    PE

    FLORES

    PE

    FREI MIGUELINHO

    PE

    GLÓRIA DO GOITÁ

    PE

    IATI

    PE

    INGAZEIRA

    PE

    JATAÚBA

    PE

    JUCATI

    PE

    JUPI

    PE

    JUREMA

    PE

    LAGOA DO CARRO

    PE

    LAGOA DO OURO

    PE

    MACAPARANA

    PE

    NAZARÉ DA MATA

    PE

    OROBÓ

    PE

    PALMARES

    PE

    POÇÃO

    PE

    RIO FORMOSO

    PE

    SALOÁ

    PE

    SANTA CRUZ

    PE

    SANTA CRUZ DA BAIXA VERDE

    PE

    SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE

    PE

    SANTA FILOMENA

    PE

    SANTA MARIA DO CAMBUCÁ

    PE

    SÃO JOAQUIM DO MONTE

    PE

    SERTÂNIA

    PE

    TAQUARITINGA DO NORTE

    PE

    VERTENTE DO LÉRIO

    PE

    VITÓRIA DE SANTO ANTÃO

     

    Por Carolina Valadares e Nicole Beraldo da Agência Saúde
    Atendimento à Imprensa

    (61) 3315-3533/3580/ 3880

  • Em Rondônia, 25 municípios utilizam práticas integrativas no tratamento de pacientes do SUS

    Dança circular/biodança, auriculoterapia e acupuntura são as práticas oferecidas a pacientes que são atendidos na atenção básica, no estado

    As Práticas Integrativas e Complementares (PICS) disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS) são ofertadas à população de Rondônia. No estado, as práticas de dança circular/biodança, auriculoterapia e acupuntura são oferecidas na Atenção Básica para o tratamento de usuários do SUS, em 25 municípios. Essas práticas são alguns dos tratamentos que utilizam recursos terapêuticos, baseados em conhecimentos tradicionais, voltados para tratar e prevenir diversas doenças, como depressão e hipertensão. Em 2017, foram registrados mais de 110 atendimentos individuais no estado. Na última segunda-feira (12), o Ministério da Saúde anunciou a inclusão de 10 novas práticas integrativas no SUS, agora os pacientes podem contar com 29 PICS.

    As 29 práticas integrativas e complementares oferecidas no Sistema Único de Saúde são: ayurveda, homeopatia, medicina tradicional chinesa, medicina antroposófica, plantas medicinais/fitoterapia, arteterapia, biodança, dança circular, meditação, musicoterapia, naturopatia, osteopatia, quiropraxia, reflexoterapia, reiki, shantala, terapia comunitária integrativa, termalismo social/crenoterapia, yoga, apiterapia, aromoterapia, bioenergética, cromoterapia, constelação familiar, geoterapia, hipnoterapia, imposição de mãos, ozoniterapia e terapia de florais.

    Evidências científicas têm mostrado os benefícios do tratamento integrado entre medicina convencional e práticas integrativas e complementares. Além disso, há crescente número de profissionais capacitados e habilitados e maior valorização dos conhecimentos tradicionais de onde se originam grande parte dessas práticas.

    As terapias estão presentes em 9.350 estabelecimentos em 3.173 municípios brasileiros, sendo que 88% são oferecidas na Atenção Básica. Atualmente, a acupuntura é a mais difundida com 707 mil atendimentos e 277 mil consultas individuais. Em segundo lugar, estão as práticas de Medicina Tradicional Chinesa com 151 mil sessões, como taichi-chuan e liangong. Em seguida aparece a auriculoterapia com 142 mil procedimentos. Também foram registradas 35 mil sessões de yoga, 23 mil de dança circular/biodança e 23 mil de terapia comunitária, entre outras.

    CONGRESSO

    O Brasil é referência na área e para tratar desse assunto, o Ministério da Saúde promove entre os dias 12 e 15 de março o 1º Congresso Internacional de Práticas Integrativas e Saúde Pública (INTERCONGREPICS), e o 3º Congresso Internacional de Ayurveda. Os dois eventos são realizados no Rio de Janeiro, no Centro de Convenções Riocentro, com programação integrada e a presença de cerca de quatro mil pesquisadores do assunto.

    O encontro promove debates com pesquisadores internacionais e do Brasil, e troca de experiências entre os profissionais, gestores e pesquisadores das diversas práticas integrativas. Mais de 900 trabalhos científicos, de todas as regiões do país e de outros países também, estão sendo apresentados no evento.

    IMPLANTAÇÃO

    As práticas integrativas e complementares são ações de cuidado transversais e podem ser realizadas na atenção básica e na média e alta complexidade. Não existe uma adesão à PNPIC: a política traz diretrizes gerais para a incorporação das práticas nos serviços.  Compete ao gestor municipal elaborar normas para inserção da PNPIC na rede municipal de Saúde.

    Na Atenção Básica, o pagamento é realizado pelo piso da atenção básica (PAB) fixo (per capita), ou por PAB variável, que corresponde ao pagamento por equipes de saúde da família, agentes comunitários e núcleos de saúde da família, ou ainda o programa de melhoria do acesso e da qualidade (PMAQ). Dessa forma, os procedimentos ofertados através da Portaria nº145/2017 estão dentro do financiamento do PAB e não geram recursos por produção.

    A Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), publicada em 2006, instituiu no Sistema Único de Saúde (SUS) abordagens de cuidado integral à população por meio de sistemas complexos e outras práticas que envolvem recursos terapêuticos diversos. Desde a sua implantação, o acesso dos usuários do SUS a essas práticas integrativas tem crescido exponencialmente.

    Municípios que ofertam práticas integrativas em Rondônia

    RO

    Pimenta Bueno

    RO

    Vilhena

    RO

    ALTA FLORESTA D'OESTE

    RO

    ARIQUEMES

    RO

    CABIXI

    RO

    COSTA MARQUES

    RO

    ESPIGÃO D'OESTE

    RO

    GUAJARÁ-MIRIM

    RO

    JI-PARANÁ

    RO

    MACHADINHO D'OESTE

    RO

    NOVA BRASILÂNDIA D'OESTE

    RO

    OURO PRETO DO OESTE

    RO

    PORTO VELHO

    RO

    ROLIM DE MOURA

    RO

    ALVORADA D'OESTE

    RO

    ALTO ALEGRE DOS PARECIS

    RO

    BURITIS

    RO

    CANDEIAS DO JAMARI

    RO

    MINISTRO ANDREAZZA

    RO

    MONTE NEGRO

    RO

    NOVA UNIÃO

    RO

    THEOBROMA

    RO

    PRESIDENTE MÉDICI

    RO

    CUJUBIM

    RO

    PIMENTEIRAS DO OESTE

    Por Carolina Valadares e Nicole Beraldo da Agência Saúde
    Atendimento à Imprensa

    (61) 3315-3533/3580/ 3880

  • Em Roraima, oito municípios utilizam práticas integrativas no tratamento de pacientes do SUS

    Massoterapia, acupuntura e tratamento osteopático são algumas das práticas oferecidas a pacientes que são atendidos na atenção básica, no estado

    As Práticas Integrativas e Complementares (PICS) disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS) são ofertadas à população de Roraima. No estado, dança circular/biodança, massoterapia, acupuntura e tratamento osteopático são oferecidas na Atenção Básica para o tratamento de usuários do SUS, em oito municípios. Essas práticas são alguns dos tratamentos que utilizam recursos terapêuticos, baseados em conhecimentos tradicionais, voltados para tratar e prevenir diversas doenças, como depressão e hipertensão. Em 2017, foram registrados mais de 5,5 mil atendimentos individuais no estado. Na última segunda-feira (12), o Ministério da Saúde anunciou a inclusão de 10 novas práticas integrativas no SUS, agora os pacientes podem contar com 29 PICS.

    As 29 práticas integrativas e complementares oferecidas no Sistema Único de Saúde são: ayurveda, homeopatia, medicina tradicional chinesa, medicina antroposófica, plantas medicinais/fitoterapia, arteterapia, biodança, dança circular, meditação, musicoterapia, naturopatia, osteopatia, quiropraxia, reflexoterapia, reiki, shantala, terapia comunitária integrativa, termalismo social/crenoterapia, yoga, apiterapia, aromoterapia, bioenergética, cromoterapia, constelação familiar, geoterapia, hipnoterapia, imposição de mãos, ozoniterapia e terapia de florais.

    Evidências científicas têm mostrado os benefícios do tratamento integrado entre medicina convencional e práticas integrativas e complementares. Além disso, há crescente número de profissionais capacitados e habilitados e maior valorização dos conhecimentos tradicionais de onde se originam grande parte dessas práticas.

    As terapias estão presentes em 9.350 estabelecimentos em 3.173 municípios brasileiros, sendo que 88% são oferecidas na Atenção Básica. Atualmente, a acupuntura é a mais difundida com 707 mil atendimentos e 277 mil consultas individuais. Em segundo lugar, estão as práticas de Medicina Tradicional Chinesa com 151 mil sessões, como taichi-chuan e liangong. Em seguida aparece a auriculoterapia com 142 mil procedimentos. Também foram registradas 35 mil sessões de yoga, 23 mil de dança circular/biodança e 23 mil de terapia comunitária, entre outras.

    CONGRESSO

    O Brasil é referência na área e para tratar desse assunto, o Ministério da Saúde promove entre os dias 12 e 15 de março o 1º Congresso Internacional de Práticas Integrativas e Saúde Pública (INTERCONGREPICS), e o 3º Congresso Internacional de Ayurveda. Os dois eventos são realizados no Rio de Janeiro, no Centro de Convenções Riocentro, com programação integrada e a presença de cerca de quatro mil pesquisadores do assunto.

    O encontro promove debates com pesquisadores internacionais e do Brasil, e troca de experiências entre os profissionais, gestores e pesquisadores das diversas práticas integrativas. Mais de 900 trabalhos científicos, de todas as regiões do país e de outros países também, estão sendo apresentados no evento.

    IMPLANTAÇÃO

    As práticas integrativas e complementares são ações de cuidado transversais e podem ser realizadas na atenção básica e na média e alta complexidade. Não existe uma adesão à PNPIC: a política traz diretrizes gerais para a incorporação das práticas nos serviços.  Compete ao gestor municipal elaborar normas para inserção da PNPIC na rede municipal de Saúde.

    Na Atenção Básica, o pagamento é realizado pelo piso da atenção básica (PAB) fixo (per capita), ou por PAB variável, que corresponde ao pagamento por equipes de saúde da família, agentes comunitários e núcleos de saúde da família, ou ainda o programa de melhoria do acesso e da qualidade (PMAQ). Dessa forma, os procedimentos ofertados através da Portaria nº145/2017 estão dentro do financiamento do PAB e não geram recursos por produção.

    A Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), publicada em 2006, instituiu no Sistema Único de Saúde (SUS) abordagens de cuidado integral à população por meio de sistemas complexos e outras práticas que envolvem recursos terapêuticos diversos. Desde a sua implantação, o acesso dos usuários do SUS a essas práticas integrativas tem crescido exponencialmente.

    Municípios que ofertam práticas integrativas em Roraima

    RR

    Boa Vista

    RR

    ALTO ALEGRE

    RR

    BONFIM

    RR

    PACARAIMA

    RR

    AMAJARI

    RR

    CAROEBE

    RR

    MUCAJAÍ

    RR

    SÃO LUIZ

    Por Carolina Valadares e Nicole Beraldo da Agência Saúde
    Atendimento à Imprensa

    (61) 3315-3533/3580/ 3880

  • Em Santa Catarina, 191 municípios utilizam práticas integrativas no tratamento de pacientes do SUS

    Yoga, massagem, auriculoterapia, massoterapia, arteterapia são algumas das práticas oferecidas a pacientes que são atendidos na atenção básica, no estado

    As Práticas Integrativas e Complementares (PICS) disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS) são ofertadas à população de Santa Catarina. No estado, as práticas de medicina tradicional chinesa, terapia comunitária, dança circular, yoga, massagem, auriculoterapia, massoterapia, arteterapia, meditação, acupuntura, musicoterapia, tratamento termal, tratamento naturopático, osteopático e reiki são as práticas oferecidas na Atenção Básica para o tratamento de usuários do SUS, em 191 municípios. Essas práticas são alguns dos tratamentos que utilizam recursos terapêuticos, baseados em conhecimentos tradicionais, voltados para tratar e prevenir diversas doenças, como depressão e hipertensão. Em 2017, foram registrados mais de 40 mil atendimentos individuais no estado. Na última segunda-feira (12), o Ministério da Saúde anunciou a inclusão de 10 novas práticas integrativas no SUS, agora os pacientes podem contar com 29 PICS.

    As 29 práticas integrativas e complementares oferecidas no Sistema Único de Saúde são: ayurveda, homeopatia, medicina tradicional chinesa, medicina antroposófica, plantas medicinais/fitoterapia, arteterapia, biodança, dança circular, meditação, musicoterapia, naturopatia, osteopatia, quiropraxia, reflexoterapia, reiki, shantala, terapia comunitária integrativa, termalismo social/crenoterapia, yoga, apiterapia, aromoterapia, bioenergética, cromoterapia, constelação familiar, geoterapia, hipnoterapia, imposição de mãos, ozoniterapia e terapia de florais.

    Evidências científicas têm mostrado os benefícios do tratamento integrado entre medicina convencional e práticas integrativas e complementares. Além disso, há crescente número de profissionais capacitados e habilitados e maior valorização dos conhecimentos tradicionais de onde se originam grande parte dessas práticas.

    As terapias estão presentes em 9.350 estabelecimentos em 3.173 municípios brasileiros, sendo que 88% são oferecidas na Atenção Básica. Atualmente, a acupuntura é a mais difundida com 707 mil atendimentos e 277 mil consultas individuais. Em segundo lugar, estão as práticas de Medicina Tradicional Chinesa com 151 mil sessões, como taichi-chuan e liangong. Em seguida aparece a auriculoterapia com 142 mil procedimentos. Também foram registradas 35 mil sessões de yoga, 23 mil de dança circular/biodança e 23 mil de terapia comunitária, entre outras.

    CONGRESSO

    O Brasil é referência na área e para tratar desse assunto, o Ministério da Saúde promove entre os dias 12 e 15 de março o 1º Congresso Internacional de Práticas Integrativas e Saúde Pública (INTERCONGREPICS), e o 3º Congresso Internacional de Ayurveda. Os dois eventos são realizados no Rio de Janeiro, no Centro de Convenções Riocentro, com programação integrada e a presença de cerca de quatro mil pesquisadores do assunto.

    O encontro promove debates com pesquisadores internacionais e do Brasil, e troca de experiências entre os profissionais, gestores e pesquisadores das diversas práticas integrativas. Mais de 900 trabalhos científicos, de todas as regiões do país e de outros países também, estão sendo apresentados no evento

    IMPLANTAÇÃO

    As práticas integrativas e complementares são ações de cuidado transversais e podem ser realizadas na atenção básica e na média e alta complexidade. Não existe uma adesão à PNPIC: a política traz diretrizes gerais para a incorporação das práticas nos serviços.  Compete ao gestor municipal elaborar normas para inserção da PNPIC na rede municipal de Saúde.

    Na Atenção Básica, o pagamento é realizado pelo piso da atenção básica (PAB) fixo (per capita), ou por PAB variável, que corresponde ao pagamento por equipes de saúde da família, agentes comunitários e núcleos de saúde da família, ou ainda o programa de melhoria do acesso e da qualidade (PMAQ). Dessa forma, os procedimentos ofertados através da Portaria nº145/2017 estão dentro do financiamento do PAB e não geram recursos por produção.

    A Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), publicada em 2006, instituiu no Sistema Único de Saúde (SUS) abordagens de cuidado integral à população por meio de sistemas complexos e outras práticas que envolvem recursos terapêuticos diversos. Desde a sua implantação, o acesso dos usuários do SUS a essas práticas integrativas tem crescido exponencialmente.

    Municípios que ofertam práticas integrativas no estado

     

    SC

    Águas Mornas

    SC

    Antônio Carlos

    SC

    Apiúna

    SC

    Arroio Trinta

    SC

    Balneário Camboriú

    SC

    Barra Velha

    SC

    Benedito Novo

    SC

    Biguaçu

    SC

    Blumenau

    SC

    Bombinhas

    SC

    Botuverá

    SC

    Braço do Trombudo

    SC

    Brunópolis

    SC

    Brusque

    SC

    Caçador

    SC

    Canelinha

    SC

    Capivari de Baixo

    SC

    Chapecó

    SC

    Corupá

    SC

    Dona Emma

    SC

    Ermo

    SC

    Florianópolis

    SC

    Fraiburgo

    SC

    Garopaba

    SC

    Gravatal

    SC

    Guabiruba

    SC

    Guaraciaba

    SC

    Içara

    SC

    Indaial

    SC

    Itaiópolis

    SC

    Itajaí

    SC

    Itapoá

    SC

    Jaborá

    SC

    Jaguaruna

    SC

    Jaraguá do Sul

    SC

    Joinville

    SC

    Jupiá

    SC

    Laguna

    SC

    Laurentino

    SC

    Lebon Régis

    SC

    Lontras

    SC

    Mafra

    SC

    Marema

    SC

    Meleiro

    SC

    Monte Carlo

    SC

    Morro da Fumaça

    SC

    Navegantes

    SC

    Ouro

    SC

    Palhoça

    SC

    Petrolândia

    SC

    Pinhalzinho

    SC

    Presidente Nereu

    SC

    Rio Negrinho

    SC

    Rodeio

    SC

    Salto Veloso

    SC

    Sangão

    SC

    São Bento do Sul

    SC

    São Francisco do Sul

    SC

    São José

    SC

    Seara

    SC

    Siderópolis

    SC

    Tijucas

    SC

    Timbó

    SC

    Tubarão

    SC

    Witmarsum

    SC

    AGROLÂNDIA

    SC

    ARABUTÃ

    SC

    ARMAZÉM

    SC

    BALNEÁRIO GAIVOTA

    SC

    BARRA BONITA

    SC

    BELA VISTA DO TOLDO

    SC

    CALMON

    SC

    CAMBORIÚ

    SC

    CAMPO ERÊ

    SC

    CAMPOS NOVOS

    SC

    CANOINHAS

    SC

    CAPINZAL

    SC

    CATANDUVAS

    SC

    CHAPADÃO DO LAGEADO

    SC

    COCAL DO SUL

    SC

    CORREIA PINTO

    SC

    CRICIÚMA

    SC

    CUNHA PORÃ

    SC

    CURITIBANOS

    SC

    FAXINAL DOS GUEDES

    SC

    FORQUILHINHA

    SC

    GASPAR

    SC

    GUARUJÁ DO SUL

    SC

    IBIRAMA

    SC

    ILHOTA

    SC

    IPORÃ DO OESTE

    SC

    IPUAÇU

    SC

    IPUMIRIM

    SC

    ITÁ

    SC

    ITAPEMA

    SC

    JOAÇABA

    SC

    JOSÉ BOITEUX

    SC

    LAJEADO GRANDE

    SC

    MAJOR GERCINO

    SC

    MARAVILHA

    SC

    MODELO

    SC

    NOVA ITABERABA

    SC

    NOVA TRENTO

    SC

    ORLEANS

    SC

    OURO VERDE

    SC

    PALMA SOLA

    SC

    PALMEIRA

    SC

    PALMITOS

    SC

    PARAÍSO

    SC

    PENHA

    SC

    BALNEÁRIO PIÇARRAS

    SC

    PONTE ALTA DO NORTE

    SC

    PONTE SERRADA

    SC

    PORTO BELO

    SC

    PORTO UNIÃO

    SC

    PRESIDENTE CASTELLO BRANCO

    SC

    PRESIDENTE GETÚLIO

    SC

    QUILOMBO

    SC

    RANCHO QUEIMADO

    SC

    RIO DOS CEDROS

    SC

    RIO DO SUL

    SC

    SÃO JOÃO DO SUL

    SC

    SÃO JOAQUIM

    SC

    SÃO LOURENÇO DO OESTE

    SC

    SÃO MIGUEL DA BOA VISTA

    SC

    SÃO MIGUEL DO OESTE

    SC

    SAUDADES

    SC

    TANGARÁ

    SC

    TRÊS BARRAS

    SC

    TREVISO

    SC

    URUBICI

    SC

    URUSSANGA

    SC

    VARGEÃO

    SC

    VARGEM

    SC

    VARGEM BONITA

    SC

    XANXERÊ

    SC

    BALNEÁRIO RINCÃO

    SC

    ABELARDO LUZ

    SC

    ÁGUAS FRIAS

    SC

    ANCHIETA

    SC

    CAXAMBU DO SUL

    SC

    CELSO RAMOS

    SC

    CONCÓRDIA

    SC

    CORONEL MARTINS

    SC

    DOUTOR PEDRINHO

    SC

    HERVAL D'OESTE

    SC

    IRANI

    SC

    JARDINÓPOLIS

    SC

    LAURO MULLER

    SC

    LINDÓIA DO SUL

    SC

    PASSO DE TORRES

    SC

    PASSOS MAIA

    SC

    RIO DO CAMPO

    SC

    SANTA ROSA DO SUL

    SC

    SÃO JOÃO DO OESTE

    SC

    SÃO MARTINHO

    SC

    SOMBRIO

    SC

    TAIÓ

    SC

    TUNÁPOLIS

    SC

    XAVANTINA

    SC

    XAXIM

    SC

    ÁGUA DOCE

    SC

    ÁGUAS DE CHAPECÓ

    SC

    ALFREDO WAGNER

    SC

    ARAQUARI

    SC

    ARARANGUÁ

    SC

    ATALANTA

    SC

    BANDEIRANTE

    SC

    BELMONTE

    SC

    BRAÇO DO NORTE

    SC

    CAIBI

    SC

    CUNHATAÍ

    SC

    DIONÍSIO CERQUEIRA

    SC

    ERVAL VELHO

    SC

    FLOR DO SERTÃO

    SC

    GALVÃO

    SC

    IMBITUBA

    SC

    IRATI

    SC

    ITAPIRANGA

    SC

    JACINTO MACHADO

    SC

    LAGES

    SC

    LUIZ ALVES

    SC

    LUZERNA

    SC

    MACIEIRA

    SC

    MASSARANDUBA

    SC

    OTACÍLIO COSTA

    SC

    PAIAL

    SC

    PAINEL

    SC

    PINHEIRO PRETO

    SC

    POMERODE

    SC

    PONTE ALTA

    SC

    PRINCESA

    SC

    SANTA CECÍLIA

    SC

    SANTA HELENA

    SC

    SANTA TEREZINHA DO PROGRESSO

    SC

    SÃO BONIFÁCIO

    SC

    SÃO JOÃO BATISTA

    SC

    SCHROEDER

    SC

    TIMBÓ GRANDE

    SC

    TURVO

    SC

    VIDAL RAMOS

    Por Carolina Valadares e Nicole Beraldo da Agência Saúde
    Atendimento à Imprensa

    (61) 3315-3533/3580/ 3880

  • Em São Paulo, 367 municípios utilizam práticas integrativas no tratamento de pacientes do SUS

    Auriculoterapia, massoterapia, arteterapia, meditação, acupuntura, tratamento quiroprático são algumas das práticas oferecidas a pacientes que são atendidos na atenção básica, no estado

    As Práticas Integrativas e Complementares (PICS) disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS) são ofertadas à população de São Paulo. No estado, as práticas de medicina tradicional chinesa, terapia comunitária, dança circular, yoga, massagem, auriculoterapia, massoterapia, arteterapia, meditação, musicoterapia, acupuntura, tratamento termal, tratamento naturopático, tratamento quiroprático e reiki são oferecidas na Atenção Básica para o tratamento de usuários do SUS, em 367 municípios. Essas práticas são alguns dos tratamentos que utilizam recursos terapêuticos, baseados em conhecimentos tradicionais, voltados para tratar e prevenir diversas doenças, como depressão e hipertensão. Em 2017, foram registrados mais de 476,9 mil atendimentos individuais no estado. Na última segunda-feira (12), o Ministério da Saúde anunciou a inclusão de 10 novas práticas integrativas no SUS, agora os pacientes podem contar com 29 PICS.

    As 29 práticas integrativas e complementares oferecidas no Sistema Único de Saúde são: ayurveda, homeopatia, medicina tradicional chinesa, medicina antroposófica, plantas medicinais/fitoterapia, arteterapia, biodança, dança circular, meditação, musicoterapia, naturopatia, osteopatia, quiropraxia, reflexoterapia, reiki, shantala, terapia comunitária integrativa, termalismo social/crenoterapia, yoga, apiterapia, aromoterapia, bioenergética, cromoterapia, constelação familiar, geoterapia, hipnoterapia, imposição de mãos, ozoniterapia e terapia de florais.

    Evidências científicas têm mostrado os benefícios do tratamento integrado entre medicina convencional e práticas integrativas e complementares. Além disso, há crescente número de profissionais capacitados e habilitados e maior valorização dos conhecimentos tradicionais de onde se originam grande parte dessas práticas.

    As terapias estão presentes em 9.350 estabelecimentos em 3.173 municípios brasileiros, sendo que 88% são oferecidas na Atenção Básica. Atualmente, a acupuntura é a mais difundida com 707 mil atendimentos e 277 mil consultas individuais. Em segundo lugar, estão as práticas de Medicina Tradicional Chinesa com 151 mil sessões, como taichi-chuan e liangong. Em seguida aparece a auriculoterapia com 142 mil procedimentos. Também foram registradas 35 mil sessões de yoga, 23 mil de dança circular/biodança e 23 mil de terapia comunitária, entre outras.

    CONGRESSO

    O Brasil é referência na área e para tratar desse assunto, o Ministério da Saúde promove entre os dias 12 e 15 de março o 1º Congresso Internacional de Práticas Integrativas e Saúde Pública (INTERCONGREPICS), e o 3º Congresso Internacional de Ayurveda. Os dois eventos são realizados no Rio de Janeiro, no Centro de Convenções Riocentro, com programação integrada e a presença de cerca de quatro mil pesquisadores do assunto.

    O encontro promove debates com pesquisadores internacionais e do Brasil, e troca de experiências entre os profissionais, gestores e pesquisadores das diversas práticas integrativas. Mais de 900 trabalhos científicos, de todas as regiões do país e de outros países também, estão sendo apresentados no evento.

    IMPLANTAÇÃO

    As práticas integrativas e complementares são ações de cuidado transversais e podem ser realizadas na atenção básica e na média e alta complexidade. Não existe uma adesão à PNPIC: a política traz diretrizes gerais para a incorporação das práticas nos serviços.  Compete ao gestor municipal elaborar normas para inserção da PNPIC na rede municipal de Saúde.

    Na Atenção Básica, o pagamento é realizado pelo piso da atenção básica (PAB) fixo (per capita), ou por PAB variável, que corresponde ao pagamento por equipes de saúde da família, agentes comunitários e núcleos de saúde da família, ou ainda o programa de melhoria do acesso e da qualidade (PMAQ). Dessa forma, os procedimentos ofertados através da Portaria nº145/2017 estão dentro do financiamento do PAB e não geram recursos por produção.

    A Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), publicada em 2006, instituiu no Sistema Único de Saúde (SUS) abordagens de cuidado integral à população por meio de sistemas complexos e outras práticas que envolvem recursos terapêuticos diversos. Desde a sua implantação, o acesso dos usuários do SUS a essas práticas integrativas tem crescido exponencialmente.

    Municípios que ofertam práticas integrativas no estado

    SP

    Agudos

    SP

    Alfredo Marcondes

    SP

    Altinópolis

    SP

    Americana

    SP

    Amparo

    SP

    Andradina

    SP

    Araçariguama

    SP

    Araçatuba

    SP

    Araraquara

    SP

    Assis

    SP

    Atibaia

    SP

    Bady Bassitt

    SP

    Barretos

    SP

    Barueri

    SP

    Bauru

    SP

    Bertioga

    SP

    Birigui

    SP

    Biritiba-Mirim

    SP

    Bofete

    SP

    Boituva

    SP

    Botucatu

    SP

    Bragança Paulista

    SP

    Brejo Alegre

    SP

    Buritama

    SP

    Cabreúva

    SP

    Caçapava

    SP

    Cachoeira Paulista

    SP

    Cajamar

    SP

    Campinas

    SP

    Capão Bonito

    SP

    Capivari

    SP

    Caraguatatuba

    SP

    Carapicuíba

    SP

    Casa Branca

    SP

    Castilho

    SP

    Catanduva

    SP

    Cerquilho

    SP

    Cosmópolis

    SP

    Cubatão

    SP

    Diadema

    SP

    Dois Córregos

    SP

    Dracena

    SP

    Embu das Artes

    SP

    Embu-Guaçu

    SP

    Espírito Santo do Pinhal

    SP

    Estiva Gerbi

    SP

    Ferraz de Vasconcelos

    SP

    Franca

    SP

    Gabriel Monteiro

    SP

    Guaíra

    SP

    Guapiaçu

    SP

    Guaraci

    SP

    Guarujá

    SP

    Guarulhos

    SP

    Iacri

    SP

    Ibitinga

    SP

    Ibiúna

    SP

    Igarapava

    SP

    Ilha Solteira

    SP

    Indaiatuba

    SP

    Indiana

    SP

    Ipuã

    SP

    Iracemápolis

    SP

    Itanhaém

    SP

    Itapecerica da Serra

    SP

    Itapetininga

    SP

    Itapeva

    SP

    Itapevi

    SP

    Itapira

    SP

    Itu

    SP

    Itupeva

    SP

    Jaguariúna

    SP

    Jales

    SP

    João Ramalho

    SP

    José Bonifácio

    SP

    Jundiaí

    SP

    Leme

    SP

    Limeira

    SP

    Lindóia

    SP

    Lourdes

    SP

    Louveira

    SP

    Macaubal

    SP

    Mairiporã

    SP

    Marília

    SP

    Mauá

    SP

    Mococa

    SP

    Mogi das Cruzes

    SP

    Mogi Guaçu

    SP

    Moji Mirim

    SP

    Monte Alto

    SP

    Monte Azul Paulista

    SP

    Nova Independência

    SP

    Nova Odessa

    SP

    Ocauçu

    SP

    Osasco

    SP

    Ourinhos

    SP

    Palmares Paulista

    SP

    Pariquera-Açu

    SP

    Paulínia

    SP

    Pindamonhangaba

    SP

    Piracicaba

    SP

    Piraju

    SP

    Pirapozinho

    SP

    Pirassununga

    SP

    Piratininga

    SP

    Pitangueiras

    SP

    Pompéia

    SP

    Praia Grande

    SP

    Presidente Prudente

    SP

    Quadra

    SP

    Quatá

    SP

    Registro

    SP

    Ribeirão Preto

    SP

    Rio Claro

    SP

    Roseira

    SP

    Rubiácea

    SP

    Salto

    SP

    Santa Adélia

    SP

    Santa Bárbara d'Oeste

    SP

    Santa Cruz das Palmeiras

    SP

    Santa Gertrudes

    SP

    Santa Isabel

    SP

    Santana de Parnaíba

    SP

    Santo André

    SP

    Santos

    SP

    São Bernardo do Campo

    SP

    São Caetano do Sul

    SP

    São João da Boa Vista

    SP

    São Joaquim da Barra

    SP

    São José do Rio Preto

    SP

    São José dos Campos

    SP

    São Lourenço da Serra

    SP

    São Paulo

    SP

    São Pedro

    SP

    São Sebastião

    SP

    São Vicente

    SP

    Sebastianópolis do Sul

    SP

    Socorro

    SP

    Sorocaba

    SP

    Sud Mennucci

    SP

    Sumaré

    SP

    Suzano

    SP

    Taboão da Serra

    SP

    Tietê

    SP

    Torre de Pedra

    SP

    Trabiju

    SP

    Ubatuba

    SP

    União Paulista

    SP

    Valinhos

    SP

    Várzea Paulista

    SP

    Vinhedo

    SP

    Vitória Brasil

    SP

    Votuporanga

    SP

    ADAMANTINA

    SP

    APARECIDA

    SP

    APARECIDA D'OESTE

    SP

    ARANDU

    SP

    ARAPEÍ

    SP

    AREIAS

    SP

    ARIRANHA

    SP

    AVARÉ

    SP

    BARIRI

    SP

    BARRA DO TURVO

    SP

    BARRINHA

    SP

    BASTOS

    SP

    BEBEDOURO

    SP

    BOA ESPERANÇA DO SUL

    SP

    BRODOWSKI

    SP

    BURI

    SP

    CACONDE

    SP

    CAFELÂNDIA

    SP

    CAIUÁ

    SP

    CAJURU

    SP

    CÂNDIDO MOTA

    SP

    CÂNDIDO RODRIGUES

    SP

    CANITAR

    SP

    CONCHAL

    SP

    CONCHAS

    SP

    ELDORADO

    SP

    FERNANDÓPOLIS

    SP

    FLÓRIDA PAULISTA

    SP

    FRANCISCO MORATO

    SP

    FRANCO DA ROCHA

    SP

    GARÇA

    SP

    GUAPIARA

    SP

    GUARATINGUETÁ

    SP

    HERCULÂNDIA

    SP

    HORTOLÂNDIA

    SP

    ILHA COMPRIDA

    SP

    INÚBIA PAULISTA

    SP

    IPEÚNA

    SP

    ITAQUAQUECETUBA

    SP

    ITARARÉ

    SP

    ITATIBA

    SP

    ITUVERAVA

    SP

    JANDIRA

    SP

    JARDINÓPOLIS

    SP

    JÚLIO MESQUITA

    SP

    JUNQUEIRÓPOLIS

    SP

    JUQUIÁ

    SP

    LAGOINHA

    SP

    LAVÍNIA

    SP

    LORENA

    SP

    LUCÉLIA

    SP

    MACATUBA

    SP

    MACEDÔNIA

    SP

    MARACAÍ

    SP

    MARIÁPOLIS

    SP

    MARINÓPOLIS

    SP

    MATÃO

    SP

    MINEIROS DO TIETÊ

    SP

    MIRACATU

    SP

    MOGI MIRIM

    SP

    MONTE MOR

    SP

    MORRO AGUDO

    SP

    NOVA CANAÃ PAULISTA

    SP

    NOVA CASTILHO

    SP

    NOVAIS

    SP

    ORIENTE

    SP

    ORINDIÚVA

    SP

    ORLÂNDIA

    SP

    OSCAR BRESSANE

    SP

    OSVALDO CRUZ

    SP

    PACAEMBU

    SP

    PANORAMA

    SP

    PARAGUAÇU PAULISTA

    SP

    PARANAPANEMA

    SP

    PARISI

    SP

    PEDERNEIRAS

    SP

    PEDRO DE TOLEDO

    SP

    PENÁPOLIS

    SP

    POPULINA

    SP

    PRESIDENTE BERNARDES

    SP

    PRESIDENTE EPITÁCIO

    SP

    PROMISSÃO

    SP

    RANCHARIA

    SP

    REGENTE FEIJÓ

    SP

    RESTINGA

    SP

    RIBEIRÃO BRANCO

    SP

    RIBEIRÃO PIRES

    SP

    RINÓPOLIS

    SP

    RIOLÂNDIA

    SP

    ROSANA

    SP

    SAGRES

    SP

    SANTA CRUZ DO RIO PARDO

    SP

    SANTA ERNESTINA

    SP

    SANTA MERCEDES

    SP

    SANTA ROSA DE VITERBO

    SP

    SANTO ANASTÁCIO

    SP

    SANTO EXPEDITO

    SP

    SÃO BENTO DO SAPUCAÍ

    SP

    SÃO CARLOS

    SP

    SÃO MIGUEL ARCANJO

    SP

    SÃO ROQUE

    SP

    SARAPUÍ

    SP

    TACIBA

    SP

    TAPIRATIBA

    SP

    TAQUARITUBA

    SP

    TARUMÃ

    SP

    TEODORO SAMPAIO

    SP

    TUPÃ

    SP

    TURIÚBA

    SP

    VARGEM GRANDE DO SUL

    SP

    VERA CRUZ

    SP

    ÁLVARO DE CARVALHO

    SP

    ANHUMAS

    SP

    ARARAS

    SP

    AURIFLAMA

    SP

    BOREBI

    SP

    BURITIZAL

    SP

    CABRÁLIA PAULISTA

    SP

    CORDEIRÓPOLIS

    SP

    DOURADO

    SP

    GUARIBA

    SP

    IBIRÁ

    SP

    INDIAPORÃ

    SP

    JABOTICABAL

    SP

    JACUPIRANGA

    SP

    LARANJAL PAULISTA

    SP

    MIRANTE DO PARANAPANEMA

    SP

    QUELUZ

    SP

    RIBEIRÃO GRANDE

    SP

    RIFAINA

    SP

    SÃO FRANCISCO

    SP

    SÃO PEDRO DO TURVO

    SP

    SÃO SIMÃO

    SP

    SERRA NEGRA

    SP

    TAQUARIVAÍ

    SP

    UBIRAJARA

    SP

    UCHOA

    SP

    ADOLFO

    SP

    ÁLVARES FLORENCE

    SP

    ÁLVARES MACHADO

    SP

    ANGATUBA

    SP

    ARTUR NOGUEIRA

    SP

    ARUJÁ

    SP

    BARÃO DE ANTONINA

    SP

    BARRA BONITA

    SP

    BATATAIS

    SP

    BERNARDINO DE CAMPOS

    SP

    BRAÚNA

    SP

    CAIABU

    SP

    CAMPO LIMPO PAULISTA

    SP

    CAMPOS DO JORDÃO

    SP

    CARDOSO

    SP

    CÁSSIA DOS COQUEIROS

    SP

    CHARQUEADA

    SP

    COROADOS

    SP

    DESCALVADO

    SP

    FARTURA

    SP

    FERNANDO PRESTES

    SP

    FERNÃO

    SP

    FLOREAL

    SP

    GAVIÃO PEIXOTO

    SP

    GENERAL SALGADO

    SP

    GUAIÇARA

    SP

    GUAIMBÊ

    SP

    GUARÁ

    SP

    GUARANI D'OESTE

    SP

    IBIRAREMA

    SP

    IGARAÇU DO TIETÊ

    SP

    IGUAPE

    SP

    ILHABELA

    SP

    ITAJOBI

    SP

    ITOBI

    SP

    JACAREÍ

    SP

    JARINU

    SP

    LUCIANÓPOLIS

    SP

    MARTINÓPOLIS

    SP

    MERIDIANO

    SP

    MESÓPOLIS

    SP

    MIRA ESTRELA

    SP

    MURUTINGA DO SUL

    SP

    NARANDIBA

    SP

    NOVA EUROPA

    SP

    OLÍMPIA

    SP

    OUROESTE

    SP

    PALMEIRA D'OESTE

    SP

    PARAIBUNA

    SP

    PEDREGULHO

    SP

    PEDREIRA

    SP

    PEDRINHAS PAULISTA

    SP

    PEREIRA BARRETO

    SP

    PIACATU

    SP

    PINDORAMA

    SP

    PIRANGI

    SP

    PLANALTO

    SP

    PONTAL

    SP

    PONTALINDA

    SP

    PONTES GESTAL

    SP

    PORTO FELIZ

    SP

    PRESIDENTE VENCESLAU

    SP

    QUINTANA

    SP

    SANTA BRANCA

    SP

    SANTA CLARA D'OESTE

    SP

    SANTA FÉ DO SUL

    SP

    SANTO ANTÔNIO DO JARDIM

    SP

    SANTO ANTÔNIO DO PINHAL

    SP

    SÃO MANUEL

    SP

    SÃO SEBASTIÃO DA GRAMA

    SP

    TAQUARITINGA

    SP

    TAUBATÉ

    SP

    TUPI PAULISTA

    SP

    URÂNIA

    SP

    URU

    SP

    VALENTIM GENTIL

    SP

    CHAVANTES


    Por Carolina Valadares e Nicole Beraldo da Agência Saúde

    Atendimento à Imprensa
    (61) 3315-3533/3580/ 3880

  • Em Sergipe, 33 municípios utilizam práticas integrativas no tratamento de pacientes do SUS

    Yoga, massagem, auriculoterapia, massoterapia e acupuntura são algumas das práticas oferecidas a pacientes que são atendidos na atenção básica, no estado

    As Práticas Integrativas e Complementares (PICS) disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS) são ofertadas à população de Sergipe. No estado, as práticas de medicina tradicional chinesa, yoga, massagem, auriculoterapia e acupuntura são oferecidas na Atenção Básica para o tratamento de usuários do SUS, em 33 municípios. Essas práticas são alguns dos tratamentos que utilizam recursos terapêuticos, baseados em conhecimentos tradicionais, voltados para tratar e prevenir diversas doenças, como depressão e hipertensão. Em 2017, foram registrados mais de 2,5 mil atendimentos individuais no estado. Na última segunda-feira (12), o Ministério da Saúde anunciou a inclusão de 10 novas práticas integrativas no SUS, agora os pacientes podem contar com 29 PICS.

    As 29 práticas integrativas e complementares oferecidas no Sistema Único de Saúde são: ayurveda, homeopatia, medicina tradicional chinesa, medicina antroposófica, plantas medicinais/fitoterapia, arteterapia, biodança, dança circular, meditação, musicoterapia, naturopatia, osteopatia, quiropraxia, reflexoterapia, reiki, shantala, terapia comunitária integrativa, termalismo social/crenoterapia, yoga, apiterapia, aromoterapia, bioenergética, cromoterapia, constelação familiar, geoterapia, hipnoterapia, imposição de mãos, ozoniterapia e terapia de florais.

    Evidências científicas têm mostrado os benefícios do tratamento integrado entre medicina convencional e práticas integrativas e complementares. Além disso, há crescente número de profissionais capacitados e habilitados e maior valorização dos conhecimentos tradicionais de onde se originam grande parte dessas práticas.

    As terapias estão presentes em 9.350 estabelecimentos em 3.173 municípios brasileiros, sendo que 88% são oferecidas na Atenção Básica. Atualmente, a acupuntura é a mais difundida com 707 mil atendimentos e 277 mil consultas individuais. Em segundo lugar, estão as práticas de Medicina Tradicional Chinesa com 151 mil sessões, como taichi-chuan e liangong. Em seguida aparece a auriculoterapia com 142 mil procedimentos. Também foram registradas 35 mil sessões de yoga, 23 mil de dança circular/biodança e 23 mil de terapia comunitária, entre outras.

    CONGRESSO

    O Brasil é referência na área e para tratar desse assunto, o Ministério da Saúde promove entre os dias 12 e 15 de março o 1º Congresso Internacional de Práticas Integrativas e Saúde Pública (INTERCONGREPICS), e o 3º Congresso Internacional de Ayurveda. Os dois eventos são realizados no Rio de Janeiro, no Centro de Convenções Riocentro, com programação integrada e a presença de cerca de quatro mil pesquisadores do assunto.

    O encontro promove debates com pesquisadores internacionais e do Brasil, e troca de experiências entre os profissionais, gestores e pesquisadores das diversas práticas integrativas. Mais de 900 trabalhos científicos, de todas as regiões do país e de outros países também, estão sendo apresentados no evento.

    IMPLANTAÇÃO

    As práticas integrativas e complementares são ações de cuidado transversais e podem ser realizadas na atenção básica e na média e alta complexidade. Não existe uma adesão à PNPIC: a política traz diretrizes gerais para a incorporação das práticas nos serviços.  Compete ao gestor municipal elaborar normas para inserção da PNPIC na rede municipal de Saúde.

    Na Atenção Básica, o pagamento é realizado pelo piso da atenção básica (PAB) fixo (per capita), ou por PAB variável, que corresponde ao pagamento por equipes de saúde da família, agentes comunitários e núcleos de saúde da família, ou ainda o programa de melhoria do acesso e da qualidade (PMAQ). Dessa forma, os procedimentos ofertados através da Portaria nº145/2017 estão dentro do financiamento do PAB e não geram recursos por produção.

    A Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), publicada em 2006, instituiu no Sistema Único de Saúde (SUS) abordagens de cuidado integral à população por meio de sistemas complexos e outras práticas que envolvem recursos terapêuticos diversos. Desde a sua implantação, o acesso dos usuários do SUS a essas práticas integrativas tem crescido exponencialmente.

    Municípios que ofertam práticas integrativas no estado

    SE

    Aracaju

    SE

    Estância

    SE

    Itaporanga d'Ajuda

    SE

    Lagarto

    SE

    Nossa Senhora do Socorro

    SE

    Pedra Mole

    SE

    Pirambu

    SE

    Simão Dias

    SE

    CAPELA

    SE

    CRISTINÁPOLIS

    SE

    DIVINA PASTORA

    SE

    FREI PAULO

    SE

    GARARU

    SE

    NOSSA SENHORA DA GLÓRIA

    SE

    NOSSA SENHORA DAS DORES

    SE

    POÇO REDONDO

    SE

    PROPRIÁ

    SE

    SALGADO

    SE

    SANTA LUZIA DO ITANHY

    SE

    SANTANA DO SÃO FRANCISCO

    SE

    UMBAÚBA

    SE

    AQUIDABÃ

    SE

    CARIRA

    SE

    CAMPO DO BRITO

    SE

    CUMBE

    SE

    GRACHO CARDOSO

    SE

    ITABAIANINHA

    SE

    MARUIM

    SE

    NOSSA SENHORA APARECIDA

    SE

    PACATUBA

    SE

    PEDRINHAS

    SE

    ROSÁRIO DO CATETE

    SE

    TOMAR DO GERU


    Por Carolina Valadares e Nicole Beraldo da Agência Saúde

    Atendimento à Imprensa
    (61) 3315-3533/3580/ 3880

Fim do conteúdo da página