Ir direto para menu de acessibilidade.

Sarampo mata. A vacina é a única maneira de prevenir a doença

    Você está aqui:
  1. Página inicial
  2. >
  3. CTIS2017
  4. >
  5. Painéis
Início do conteúdo da página

CTIS 2017

Painéis

Escrito por Alessandra Bernardes | Publicado: Quarta, 20 de Setembro de 2017, 10h13 | Última atualização em Segunda, 27 de Novembro de 2017, 16h51

Paineis
29 de novembro de 2017
14h30 às 17h

Sala Cerrado
EXPERIÊNCIAS INTERNACIONAIS BEM SUCEDIDAS EM PESQUISA CLÍNICA
Segundo dados do ClinicalTrials.gov, os Estados Unidos é o país que mais realiza ensaios clínicos no mundo, na frente da China e França, como o país que com o maior número de ensaios registrados na Europa. Conhecer experiências internacionais exitosas é fundamental para contribuir ao melhor desenvolvimento de estudos em rede, bem como ensaios clínicos multicêntricos. O painel tem como objetivo promover o debate sobre experiências internacionais em pesquisa clínica que possam inspirar e contribuir para a realização de parcerias e enfrentamento dos desafios.

Debatedor: Alexandre Biasi (Hospital do Coração) - BRASIL

1) A experiência do instituto VIPER em ensaios clínicos multicêntricos
Palestrante: Leslie Victoria Boyer (University of Arizona) – ESTADOS UNIDOS

2) Desenvolvimento de estudos clínicos no NIH/USA: contribuições para o Brasil
Palestrante: Phillip Scheinberg (Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo) - BRASIL

3) A experiência francesa em pesquisa clínica: Pôle Recherche Clinique
Palestrante: Claire Levy-Marchal (Institut National de la Santé et de la Recherche Médicale) - FRANÇA

 

Sala Caatinga
NOVAS ABORDAGENS TERAPÊUTICAS NA IMUNOLOGIA CELULAR E MOLECULAR
As doenças crônicas, em especial as autoimunes e cancerosas, são prioritárias na busca de novas soluções terapêuticas promissoras e mais seguras aos pacientes. Nesse sentido, busca-se apresentar e discutir novas abordagens terapêuticas para essas condições clínicas, como também os mecanismos de regulação do sistema imunológico, imunoterapia e nanoterapia na entrega de fármacos.

Debatedora: Leonilda Maria Barbosa dos Santos (Universidade Estadual de Campinas) - BRASIL
 
1) O Treg IL-2R como alvo para a imunoterapia da auto-imunidade
Palestrante: C. Garrison Fathman (Stanford Medical School e Department of Chemistry) – ESTADOS UNIDOS

2) Papel das Células T Reguladoras em Saúde e Doença
Palestrante: Robert Negrin (Stanford Medical School e Department of Chemistry) - ESTADOS UNIDOS

3) Estudo do GMP cíclico na sinalização celular e seu papel na descoberta e desenvolvimento de drogas
Palestrante: Ferid Murad (Stanford Medical School e Department of Chemistry) – ESTADOS UNIDOS

 

Sala Mata Atlântica
OS DESAFIOS DO ENVELHECIMENTO POPULACIONAL
A OMS considera que a promoção do envelhecimento ativo é uma forma de mitigar o risco de quebra dos sistemas sociais e de saúde, uma vez que idosos ativos e saudáveis contribuem para a sociedade e consomem menos recursos. O Envelhecimento no Brasil e nos demais países em desenvolvimento é uma preocupação do Sistema de Saúde e da Previdência Social, especialmente porque nesses países o envelhecimento tem se dado de forma muito acelerada em comparação ao que se observou nos países desenvolvidos. Diante da relevância do tema e reconhecendo que é imprescindível a discussão sobre os novos desafios no cuidado à população idosa e sobre o impacto econômico do processo de envelhecimento populacional, o painel pretende discutir e avaliar o impacto econômico e na saúde do envelhecimento no Brasil e no mundo. 

Debatedora: Yeda Duarte (Universidade de São Paulo) – BRASIL

1) A revolução da longevidade
Palestrante: Ina Voelcker (Centro Internacional de Longevidade Brasil) - BRASIL

2) Impacto econômico do envelhecimento
Palestrante: Kaizo Iwakami Beltrão (Fundação Getúlio Vargas) - BRASIL

3) Envelhecimento e saúde
Palestrante: Márcia Carrera Campos Leal (Universidade Federal de Pernambuco) – BRASIL

 

Sala Pantanal
PANORAMA DAS ARBOVIROSES DOIS ANOS APÓS A EMERGÊNCIA EM ZIKA
Durante os anos de 2015 e 2016, o Brasil foi duramente afetado pela síndrome congênita associada à infecção pelo vírus zika que afetou milhares de famílias, principalmente as mulheres grávidas e bebês com alterações congênitas. Além disso, a chikungunya fez 196 vítimas fatais em 2016, causando surpresa para os gestores da saúde e a comunidade científica, pois era considerada uma doença com baixa mortalidade em outros países. Em novembro de 2015 foi declarada Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional, decorrente da alteração do padrão dos casos de microcefalia. Em seguida, o Ministério da Saúde estabeleceu o Plano Nacional de Enfrentamento ao Aedes e suas Consequências. O Plano contém três grandes eixos relacionados ao cuidado; mobilização e combate ao vetor; e desenvolvimento tecnológico, educação e pesquisa. No tocante às pesquisas, foram investidos mais de R$ 250 milhões.

Debatedor: Pedro Vasconcellos (Instituto Evandro Chagas) - BRASIL

1) Arboviroses emergentes: desafios para a saúde pública
Palestrante: Van-Mai Cao-Lormeau (Institut Louis Malardé) – POLINÉSIA FRANCESA

2) Alterações congênitas ligadas ao Zika e STORCH
Palestrante: Vanessa Van Der Linden (Universidade Federal de Pernambuco) - BRASIL

3) Impacto econômico da Chikungunya no Brasil
Palestrante: André Siqueira (Instituto Nacional de Infectologia, Fiocruz) - BRASIL

 

Paineis
30 de novembro de 2017
14h30 às 17h

Sala Cerrado
DA PESQUISA AO DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE: INOVAÇÕES EM PESQUISA TRANSLACIONAL NO MUNDO E EXPERIÊNCIAS BRASILEIRAS
O desenvolvimento de pesquisas translacionais ainda é um desafio para o Brasil. A promoção de cooperações entre países pode acelerar o descobrimento, desenvolvimento e a disseminação novas intervenções em saúde. Exemplos nacionais de inovação nessa área são o soro anti apílico para picada de abelha Apis melífera, o selante de fibrina que tem como matéria prima o veneno da cascavel, o medicamento fitoterápico Acheflan e o uso da terapia fotodinâmica para tratamento de lesões cancerizáveis de colo do útero. Nesse sentido, este painel visa promover a troca de experiências entre grupos de pesquisa nacionais e internacionais, evidenciando a situação atual da pesquisa translacional no mundo e no Brasil.

Debatedor: Jorge Guimarães (Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial) - BRASIL

1) Programas de pesquisa translacional nos EUA
Palestrante: Amy Dubois (Embaixada dos Estados Unidos) – ESTADOS UNIDOS

2) Pesquisa translacional em Fitoterapia
Palestrante: João Batista Calixto (Centro de Inovação e Ensaios Pré-Clínicos) - BRASIL

3) Desenvolvimento de produtos em saúde 100% nacionais: a experiência da UNESP/Botucatu em pesquisa translacional
Palestrante: Rui Seabra (Universidade Estadual Paulista) – BRASIL
4) Pesquisa translacional em terapia fotodinâmica
Palestrante: Vanderlei Salvador Bagnato (Universidade de São Paulo) - BRASIL

 

Sala Caatinga
RESISTÊNCIA AOS ANTIMICROBIANOS: QUAL O CENÁRIO FUTURO?
A resistência aos antimicrobianos (RAM) é considerada um dos maiores problemas na saúde global, pois o aumento da sua prevalência traz ameaças à saúde humana, animal e ao ambiente. Diante desse cenário, em 2015, a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou o Plano de Ação Global em RAM e incentivou que todos os seus países-membros desenvolvessem seus planos de ação nacionais. No âmbito do Ministério da Saúde (MS), foi instituído, por meio da Portaria GM/MS nº 2.775 de 22 de dezembro de 2016, o comitê encarregado de elaborar e conduzir o componente do setor saúde do Plano de Ação Nacional de Prevenção e Controle da Resistência aos Antimicrobianos (CIPAN). A elaboração do plano também conta com a participação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC) e Ministério do Meio Ambiente (MMA).
O plano tem como finalidade assegurar a continuidade, enquanto possível, do sucesso do tratamento e prevenção de doenças infecciosas, com qualidade garantida, medicamentos seguros e eficazes, que sejam utilizados de forma responsável e que, também, sejam acessíveis a todas as pessoas que deles necessitam.
Assim, diante da importância do tema e do seu impacto na saúde e na economia mundial, esse painel visa discutir qual a tendência de ação sobre a resistência aos antimicrobianos.

Debatedora: Flávia Caselli Pacheco (MINISTÉRIO DA SAÚDE) - BRASIL

1) O impacto econômico da resistência aos antimicrobianos
Palestrante: Jeremy Knox (Wellcome Trust) – REINO UNIDO
 
2) O impacto da resistência aos antimicrobianos no Brasil
Palestrante: Ana Cristina Gales (Universidade Federal de São Paulo)

3) Infecções relacionadas à assistência em saúde em hospitais brasileiros e a avaliação dos padrões e políticas de uso de antimicrobianos
Palestrante: Antônio Carlos Campos Pignatari (Universidade Federal de São Paulo) - BRASIL

 

Sala Mata Atlântica
EDIÇÃO GENÉTICA E TERAPIAS CELULARES AVANÇADAS E SUA PROMISSORA APLICABILIDADE NA SAÚDE
A edição genética permite que cientistas modifiquem genomas com precisão, eficiência e flexibilidade. O objetivo do painel é apresentar as múltiplas abordagens e as perspectivas futuras para o tratamento de doenças por meio de técnicas de edição genética e terapias celulares. 

Debatedor: Mônica Ryff Moreira Roca Vianna (Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul) - BRASIL

1) Considerações Bioéticas do Uso da Edição Genômica e a terapia celular
Palestrante: Søren Holm (Manchester University) – REINO UNIDO

2) Imunoterapia com células NK
Palestrante: Lúcia Mariano da Rocha Silla (Hospital de Clínicas de Porto Alegre) – BRASIL

3) Perspectiva CART-CELL para o tratamento de doenças hematológicas
Palestrante: Martin Hernan Bonamino (Instituto Nacional do Câncer) - BRASIL

 

Sala Pantanal
TECNOLOGIAS DISRUPTIVAS NA SAÚDE – O DESAFIO DE CONECTAR OS AVANÇOS COM O ACESSO
Tecnologia disruptiva ou inovação disruptiva é um termo que descreve a inovação tecnológica, produto, ou serviço, que utiliza uma estratégia "disruptiva" ou revolucionária, em vez de evolutiva, para superar uma tecnologia existente dominante no mercado. As inovações mais disruptivas são uma minoria comparadas com outro tipo de inovações introduzidas no mercado.
A tecnologia disruptiva nos cuidados de saúde pode ser definida como um tipo de inovação que cria novas redes e novas culturas organizacionais envolvendo novos atores e que tem potencial para melhorar os desfechos de saúde e o valor do cuidado em saúde. Este tipo de inovação altera os sistemas e formas mais antigas de atuação na área.
O objetivo deste painel é conhecer quais são as tecnologias disruptivas na área da saúde e debater como diminuir a distância entre estas e seu acesso pela população.

Debatedor: Guilherme Rabello (InovaInCor) - BRASIL

1) Tecnologias Disruptivas na Medicina Diagnóstica
Palestrante: Roberto Ribeiro da Cruz (Pixeon) - BRASIL

2) Inteligência Artificial e Saúde
Palestrante: Eduardo Cipriani (IBM Watson Health) - BRASIL

 

Sala Pampa
INTERNACIONALIZAÇÃO DO FOMENTO À PESQUISA EM SAÚDE
As ações de cooperação científica no âmbito nacional e internacional com organismos e instituições de excelência, promovem, fomentam e incentivam o desenvolvimento de pesquisas em saúde no país, de modo a atender às necessidades da saúde pública e às prioridades do Sistema Único de Saúde (SUS). Estas parcerias aumentam a capacidade do Departamento de Ciência e Tecnologia da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde (Decit/SCTIE/MS) de investir no desenvolvimento de pesquisa em saúde, trazendo novos recursos e possibilitando uma expansão das ações. Neste sentido, o NIH, a Fundação Gates e a Fundo Newton são parceiros importantes do Ministério da Saúde e de outras instituições brasileiras. O objetivo deste painel é mostrar aos participantes do evento outras oportunidades de captação de recursos para o desenvolvimento de pesquisas no país, bem como apresentar como estas agências promovem o fomento à pesquisa ao redor do mundo.

Debatedor: Marcelo Morales (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) - BRASIL

1) Tradução Transnacional do Conhecimento em Pesquisa: A Perspectiva das Comunicações na área de Câncer
Palestrante: Nelvis Castro (National Institutes of Health) – ESTADOS UNIDOS

2)  A Fundação Bill & Melinda Gates e a captação de recursos na solução de problemas globais de saúde
Palestrante: Alexandre Menezes (Consultor, Bill & Melinda Gates Foundation) – BRASIL

3) Inovação e Pesquisa Colaborativa em Saúde: a experiência do Fundo Newton
Palestrante: Rui Lopes (Fundo Newton) - BRASIL

 

Auditório Amazônia
DA CIÊNCIA À POLÍTICA: FAVORECENDO A TOMADA DE DECISÃO EM SAÚDE
Em 2005 a 58ª Assembleia Mundial da Saúde destacou a necessidade dos Estados Membros estabelecerem ou fortalecerem mecanismos de tradução do conhecimento para apoiar a saúde pública, os sistemas de atenção à saúde e as políticas relacionadas à saúde informadas por evidências científicas. Entretanto, dada a multifatoriedade relacionada ao processo de formulação de políticas associada ao abismo entre o ‘saber’ e o ‘fazer’, a proposta desse painel é abordar o desafio da vinculação das evidências às políticas de saúde como parte do processo de gestão do conhecimento em Ciência e Tecnologia em Saúde.

Debatedor: Marcus Tolentino (Universidade Federal do Amazonas e Universidade Federal de Sorocaba) – BRASIL

1) Políticas informadas por evidências: como avançar em um mundo complexo?
Palestrante: Kaelan Moat (Mc Master University) - CANADÁ

2) Prioridades de evidências científicas: produção x necessidades.
Palestrante:  Anne Andermann (McGill University) - CANADÁ

3) Pesquisa de implementação para melhorar políticas e programas de saúde
Palestrante: Ludovic Reveiz (Organização Pan-Americana de Saúde) - BRASIL

4) Integração de evidências globais e locais para melhorar a implementação de políticas de saúde
Palestrante: Jorge Otávio Maia Barreto (Fiocruz) - BRASIL

5) Implementação de Políticas Informadas por Evidências: experiência em São Paulo
Palestrante: Tereza Setsuko Toma (Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo) - BRASIL

registrado em:
Fim do conteúdo da página