Ir direto para menu de acessibilidade.

Vacinação

    Você está aqui:
  1. Página inicial
  2. >
  3. CTIS2017
  4. >
  5. Rodas de conversa
Início do conteúdo da página

CTIS 2017

Rodas de conversa

Escrito por Tatiana Teles | Publicado: Quarta, 08 de Novembro de 2017, 15h13 | Última atualização em Segunda, 27 de Novembro de 2017, 10h56

DIA 29

SALA ACÁCIA

SALA AROEIRA

SALA BURITI

SALA JEQUITIBÁ

SALA MANDACARU

13h – 13h30

Células Humanas de pluripotência induzida (iPS) para screening de drogas e testes de toxicidade
Antonio Carlos Campos de Carvalho
(Rede Nacional de Terapia Celular)

Medicina magnética
Fabiano Paixão
(UNIFESP)

Novo biomarcador para detecção de esteatose hepática baseado em características clínico-laboratoriais do estudo multicêntrico ELSA-Brasil
Hugo Perazzo
(FIOCRUZ - RJ)

Estratégias para investigação genética de indivíduos com transtorno do espectro do autismo (TEA) pelo Sistema Público de Saúde em Goiás
Thaís Cidália Gigonzac
(SES-GO)

Gestão por processos e pesquisa clínica
Emerson Lima Aredes
(POLO BPM)

13h30 – 14h

O uso de células devidas de iPS em ensaios clínicos para seleção de responderes e não responderes a medicamentos
Lygia Pereira
(Rede Nacional de Terapia Celular)

Inovação tecnológica em diagnóstico e reabilitação
Guilherme Fregonezi
(UFRN)

Diagnóstico molecular e inteligência artificial como solução para um problema de saúde pública: 40 mil cirurgias desnecessárias de tireoide ao ano no Brasil
Marcos Tadeu dos Santos
(ONKOS Diagnósticos Moleculares LTDA)

Diagnóstico molecular da Síndrome do X-Frágil: perspectivas para o sistema público de saúde na região central do Brasil
Marc Alexandre Gigonzac
(SES-GO)

Sistema SANI como uma forma de mobilização de recursos financeiros
Marlan Geronimo
(URCOM - SP)

14h – 14h30

Os Centros de Tecnologia Celular da Rede Nacional de Terapia Celular
Mari Sogayar
(Rede Nacional de Terapia Celular)

Atuação Regulatória Baseada em Evidência: estrutura de suporte técnico-científico da ANVISA
Danitza Buvinich
(ANVISA)

Implantes microparticulados para tratamento em dose única de doenças crônicas como a Leishmaniose
Bartira Rossi Bergmann
(LeishNano e UFRJ)

Estimulação cerebral não -invasiva no controle do uso de drogas na dependência química
Ester Nakamura
(UFES)

Inovação, avaliação de tecnologias e regulação de preços no Brasil
Leandro Safatle
(ANVISA)


DIA 30

SALA ACÁCIA

SALA AROEIRA

SALA BURITI

SALA JEQUITIBÁ

SALA MANDACARU

SALA PAMPA

13h – 13h30

Apoio e fornecimento de células-tronco em condições GMP para uso em ensaios clínicos e terapêuticos
Paulo Roberto Slud Brofman
(CTC da PUC-PR)

Desenvolvimento e avaliação de um aplicativo de telefonia móvel auxiliar para gestantes de alto risco
Antonia Iracilda e Silva Viana
(UFMA)

O Polo de Inovação Salvador do IFBA e o modelo de financiamento EMBRAPII
Handerson Jorge Dourado Leite
(IFB/BA)

Transformando veneno em medicamento
Rui Seabra Ferreira Junior
(UNESP)

RAMBO - Reconhecimento Anatomomorfo-biológico
Ricardo Abdalla
(USP)

Avanços recentes da Comissão Nacional de Pesquisa – Conep
Pedro Canisio Binsfeld
(Secretaria Executiva da CONEP)

13h30 – 14h

Caminhos para parcerias científicas e desenvolvimento de pesquisas com a indústria farmacêutica:
Experiências da GSK
Luciana Tarbes Mattana Saturnino
(GSK)

Uso de tecnologia para promoção da integração na Vigilância em Saúde no monitoramento de gestantes infectadas por arboviroses
Ariadne Barbosa
(UFV)

Open Innovation - Modelo Johnson & Johnson
Ricardo Tolentino
(Janssen Farmacêutica)

Produtos biotecnológicos de origem marinha
Fabiano Thompson
(UFRJ)

Tecnologias para o atendimento das limitações do rastreamento do câncer de colo de útero no Brasil
Ramon Salinas
(UNICAMP)

14h – 14h30

Regulação de Produtos de Terapia Avançada
João Batista da Silva Junior (ANVISA)

REDPB - Uso de tecnologia móvel para coleta de dados sobre pessoas com deficiência
Silvana Santos
(UEPB)

Pesquisa Clínica com Medicamentos: Questões Regulatórias em meio a Globalização
Flávia Sobral
(ANVISA)

Biotecnologia marinha e inovação biomédica - novas fontes marinhas de potentes antimetastáticos
Mauro Sergio Pavão
(UFRJ)

Cenário atual e perspectivas após a Portaria Conjunta 01/2017, do INPI e da Anvisa
Liane Caldeira Lage
(INPI)

Dia 29 - SALA ACÁCIA
Antonio Carlos Campos de Carvalho (Rede Nacional de Terapia Celular)

Título: Células humanas de pluripotência induzida (iPS) para screening de drogas e testes de toxicidade.
Resumo: Apresentaremos as características das iPS e as possibilidades de seu uso na modelagem de doenças, na seleção de drogas e em testes de toxicidade, que por serem realizados em células humanas oferecem vantagens sobre o uso de animais. Exploraremos o conceito de corpo em um "chip" para a substituição de experimentação animal em testes de drogas.

Lygia Pereira (Rede Nacional de Terapia Celular)
Título: O uso de células devidas de iPS em ensaios clínicos para seleção de responderes e não responderes a medicamentos.
Resumo: Discutiremos o uso de células diferenciadas a partir de células de pluripotência induzida (iPS) em ensaios clínicos para seleção de características genéticas de pacientes que respondem ou não respondem a uma determinada droga. Estes ensaios clínicos, que podem ser categorizados como ensaios fase 0,5, permitem uma considerável economia de recursos às empresas farmacêuticas, por possibilitarem a seleção prévia de pacientes sensíveis as drogas testadas.

Mari Sogayar (Rede Nacional de Terapia Celular)
Título: Os Centros de Tecnologia Celular da Rede Nacional de Terapia Celular.
Resumo: Apresentaremos os Centros de Tecnologia Celular financiados pelo DECIT do Ministério da Saúde, apresentando sua capacidade na geração de células tronco dos mais variados tipos em condições de boas práticas de manufatura para o uso em ensaios clínicos. Apresentaremos ainda, a capacidade dos Laboratórios associados a Rede Nacional de Terapia Celular em desenvolver ensaios pré-clínicos em modelos animais ou celulares de interesse da indústria farmacêutica.

Dia 29 - SALA AROEIRA
Fabiano Paixão (UNIFESP)

Título: Medicina magnética
Resumo: Atualmente, o conjunto de tecnologias empregadas para realizar o diagnóstico de doenças do trato gastrintestinal em humanos é composto pela Cintilografia (Medicina Nuclear), Raios-X contrastado, Videoscopia ou Manometria. Todos esses métodos apresentam o inconveniente de usar radiação ionizante ou serem invasivos.
Nas pesquisas científicas em gastroenterologia, os métodos empregados envolvem, necessariamente, o sacrifício do animal para a tomada de um único dado experimental. Desta forma, os métodos atuais necessitam de alto número de cobaias para cada experimento (alto custo) e impedem que o mesmo animal seja utilizado em diferentes situações (grupo controle, acometido por doença ou sob efeito de medicamentos).
Medicina Magnética é uma tecnologia, livre de radiação ionizante e não invasiva, capaz de fazer cerca de 50% dos diagnósticos da Medicina Nuclear na área de gastroenterologia e os mesmos estudos científicos em animais sem a necessidade de sacrificá-los, como ocorre com os métodos atuais. Fatos que tornam a técnica extremamente atrativa comercialmente, tanto para o diagnóstico médico, como para o uso em pesquisas científicas em gastroenterologia.

Guilherme Fregonezi (UFRN)
Título: Inovação tecnológica em diagnóstico e reabilitação
Resumo: O Brasil ocupa um lugar pouco significante no aspecto de inovação, relacionado ao Complexo Industrial da Saúde, quando considerada sua proporção territorial e econômica. Portanto é cabível a reflexão e os esforços para o desenvolvimento tecnológico no âmbito do Complexo Industrial da Saúde e a proposta de nosso laboratório está focada no desenvolvimentos de produtos relacionados a inovação tecnológica em saúde com foco no Diagnóstico e Reabilitação. Todos os projetos que estão sendo desenvolvidos relacionam-se com soluções de problemas em saúde, especificamente, dispositivos mecânicos e eletrônicos. Estes projetos possuem desenvolvimento de tecnologia no âmbito nacional e envolvem parcerias intra-institucionais na UFRN, do PneumoCardioVascular Lab com o Laboratório de Neuro-engenharia e o Laboratório de Biologia Molecular Aplicada, associados a outros parceiros privados no âmbito do Complexo Industrial da Saúde. Entre eles MOVAR Sistema de Monitoramento de Vias Aéreas Respiratórias que monitora parâmetros respiratórios diversos em pacientes críticos em unidades de terapia intensiva (UTI) ou semi-intensiva são realizados de forma precária. Atualmente são utilizados parâmetros clínicos na tentativa de desmame ventilatório (retirada do ventilador ou da ventilação artificial) o que em muitos casos é insuficiente e ineficaz; o NeuroHolter - NH system, sistema para diagnósticos e estudos de Eletroencefalograma (EEG) de forma continua e dinâmica; o Incentivador resso-Volumétrico dispositivo portátil destinado a melhorar a ventilação para pacientes ingressados em âmbito hospitalar com doenças respiratórias restritivas crônicas e/ou submetidos a intervenções como cirugia torácica; o Dispositivo de Treinamento do Ciclo Respiratório-TCR, capaz de treinar músculos inspiratórios e expiratórios, de forma individualizada ou associada destinado a pacientes com diferentes doenças cardíacas, respiratórios e neuromusculares e o Freemove -Eletroestimulador Funcional, ortese destinada a melhorar a funcionalidade da marcha em crianças e adultos com queda plantar devido a doenças que acometem o neurônio motor superior, ocasionando o arrastar do pé no chão durante a marcha. Inovação Tecnológica em Diagnóstico e Reabilitação

Danitza Rojas Buvinich (ANVISA)
Título: Atuação Regulatória Baseada em Evidência: Estrutura de Suporte Técnico Científico da ANVISA
Resumo: A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), criada pela Lei 9.782, de 26 de janeiro de 1999, possui como atribuição e missão proteger a saúde da população por meio da intervenção em setores de interesse sanitário para redução dos riscos decorrentes da produção e do uso de produtos e serviços ligados direta ou indiretamente à saúde das pessoas. Seu foco de atuação regulatória é bastante amplo e complexo, pois lida com o acesso a bens e serviços essenciais e o controle sanitário em diversos setores da economia, que abrangem parte significativa do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro e o cotidiano de milhões de pessoas, não apenas no Brasil, mas também em países com os quais mantemos relações internacionais. Realizar e fomentar estudos e pesquisas no âmbito de sua competência também é atribuição legal da Anvisa e constitui um dos seus valores institucionais. Nesse sentido, a produção de conhecimento se concretiza de forma dialética como meio e fim das próprias ações de vigilância sanitária, na medida em que busca dar o suporte necessário às atividades de regulamentação, monitoramento e fiscalização dos bens, produtos e serviços sujeitos à vigilância sanitária e ao controle dos problemas a eles relacionados, gerando novos saberes e práticas. Tal produção possibilita uma atuação antecipada e prospectiva com relação ao desenvolvimento científico e tecnológico, para promover a proteção da saúde da população em um ambiente favorável ao desenvolvimento econômico e social do país.
Nesse sentido, a Gerência-geral de Conhecimento, Inovação e Pesquisa é responsável por mobilizar e gerir a estrutura de apoio técnico-científico necessário para que a atuação técnica da agência seja a mais qualificada, atual e especializada disponível, para assim fortalecer a capacidade técnica para a avaliação de produtos e serviços sujeitos ao regime de vigilância sanitária. Esta Roda de Conversa tem por objetivo apresentar aos participantes as diversas estratégias de suporte técnico-científico utilizadas pela Anvisa, bem como a alguns resultados obtidos no processo de fomento à pesquisa em vigilância sanitária.

Dia 29 - SALA BURITI

Hugo Perazzo (FIOCRUZ - RJ)
Título: Novo biomarcador para detecção de esteatose hepática baseado em características clínico-laboratoriais do estudo multicêntrico ELSA-Brasil
Resumo: Introdução: Biomarcadores validados em populações internacionais são utilizados para diagnóstico de esteatose hepática no Brasil. Objetivo: Propor novo biomarcador para detecção de esteatose hepática parametrado na população brasileira. Métodos: Estudo transversal utilizando dados do Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto (ELSA-Brasil). Indivíduos foram aleatoriamente distribuídos nas coortes exploratória (n=6.571) e confirmatória (n=3.286) e esteatose foi determinada por ultrassonografia abdominal. Fatty Liver Index (FLI), Hepatic Steatosis Index (HSI) e NAFLD Liver Fat Score (NAFLD-LFS) foram calculados e regressão logística multivariada foi realizada para desenvolvimento do novo biomarcador (Steato-ELSA). Resultados: 9.857 indivíduos [58% sexo feminino, idade=51 (IQR,45-58) anos, índice de massa corporal (IMC) =26,4 (23,9-29,6) Kg/m2] foram incluídos. IMC, circunferência abdominal, transaminases e trigligerídeos foram independentemente associadas com presença de esteatose no modelo multivariado (Hosmer-Lemeshow;p=0.279). As áreas sob curva ROC (AUROCs[95%IC]) para predição de esteatose leve/moderada foram: Steato-ELSA=0,768 [0,751-0,784] / 0,829 [0,810-0,848]; FLI=0,762 [0,745-0,779] / 0,819 [0,799-0,838]; HSI=0,743 [0,727-0.761] / 0,800 [0.779-0.822] e NAFLD-LFS=0,719 [0,701-0,737] / 0,769 [0,747-0,791]. Sensibilidade (Se) / especificidade (Sp) [95%IC] do Steato-ELSA foram: (i) esteatose leve (score≥0,386): Se=65,6% [63,0-68,3] e Sp=73,7% [71,8-75,6]; (ii) esteatose moderada (score≥0,403): Se=83,5% [80,0-86,9] e Sp=68,7% [67,0-70,4]. Conclusões: Steato-ELSA é uma ferramenta simples e com boa acurácia para identificação de esteatose hepatica desenvolvido em indíviduos brasileiros.

Marcos Tadeu dos Santos (ONKOS Diagnósticos Moleculares LTDA)
Título: Diagnóstico molecular e inteligência artificial como solução para um problema de saúde pública: 40 mil cirurgias desnecessárias de tireoide ao ano no Brasil
Resumo: Cerca de 40 mil cirurgias de tireoidectomia são realizadas por ano no Brasil desnecessariamente devido à baixa sensibilidade das ferramentas diagnósticas atuais que são incapazes de identificar benignidade ou malignidade em até 30% dos nódulos de tireoide. Este overtreatment gera um grave problema de saúde pública que impacta não somente a qualidade de vida dos pacientes mas também um em cerca de R$ 0.5 bilhão ao sistema de saúde.
Iremos apresentar os resultados do mir-THYpe, uma tecnologia disruptiva em saúde, desenvolvida no Brasil pela ONKOS, que classifica nódulos de tireoide indeterminados com 97% de sensibilidade utilizando a vanguarda do conhecimento de biologia molecular e inteligência artificial. Iremos discutir o acesso e o potencial custo-efetividade deste exame no setor público e privado.

Bartira Rossi Bergmann (LeishNano e UFRJ)
Título: Implantes Microparticulados para tratamento em dose única de doenças crônicas como a Leishmaniose.
Resumo: Implantes subcutâneos microparticulados para liberação contínua de fármacos são uma tecnologia inovadora para tratar diferentes tipos de doenças, particularmente as crônicas. A LeishNano está desenvolvendo na UFRJ implantes subcutâneos consistindo de micropartículas biodegradáveis para o tratamento em dose única da leishmaniose cutânea (LC). O tratamento convencional de 20-30 injeções sistêmicas com fármacos potencialmente tóxicos causam sérios efeitos colaterais. A LC é uma doença negligenciada com uma estimativa da OMS de 4 milhões de novos casos /ano no mundo, sendo a maioria da forma não complicada (1-4 lesões cutâneas) e que poderia ser tratada localmente. Além do óbvio benefício para o paciente, o custo da tecnologia pode ser compensado pela redução com gastos hospitalares, pessoal, e logística de distribuição por ser administrado em dose única. Uma vez implantada, a plataforma poderá servir para o tratamento de outras doenças, reduzindo a dependência do país na importação deste tipo de medicamento.

Dia 29 - SALA JEQUITIBÁ

Thaís Cidália Gigonzac (SES-GO)
Título: Estratégias para investigação genética de indivíduos com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) pelo Sistema Público de Saúde em Goiás.
Resumo: O Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) reflete uma demanda importante da saúde de crianças e adolescentes que interfere no desenvolvimento neuronal, funções cognitivas e alterações comportamentais, sendo fundamental o desenvolvimento de pesquisas que contribuam para o diagnóstico e tratamento destes indivíduos. O objetivo principal deste estudo é propor uma estratégia de diagnóstico genético que auxilie na intervenção precoce e atenção a saúde de indivíduos com TEA pelo Sistema Público de Saúde em Goiás. Serão avaliados pacientes com indicação clínica de TEA encaminhados por médicos assistentes ao Lagene­SES­GO. Será realizada a Análise Cromossômica por Microarray (CMA) para investigação de variações genéticas estruturais associadas aos sinais clínicos que possam contribuir no processo de intervenção. De forma complementar, evidências sobre os fatores genéticos associados ao perfil clínico poderão direcionar o trabalho dos profissionais envolvidos na reabilitação destes indivíduos.

Marc Alexandre Gigonzac (SES-GO)
Título: Diagnóstico molecular da Síndrome do X-Frágil: perspectivas para o sistema público de saúde na região central do Brasil.
Resumo: A Síndrome do X-Frágil (SXF) é a causa mais comum de deficiência intelectual herdada e a segunda de origem genética, com uma prevalência estimada de 1/4000 homens e 1/6000 mulheres. A etiologia mais comum está associada a uma expansão trinucleotídica de sequências CGG e hipermetilação da região promotora do gene FMR1 (Fragile-X Mental Retardation-1), localizado na região Xq27.3. Os sintomas decorrem da falta da proteína FMRP (Fragile X Mental Retardation Protein), essencial para o crescimento dos dendritos e função sináptica. Esta síndrome é comumente subdiagnosticada em crianças e adolescentes dada à elevada variabilidade fenotípica dos pacientes e necessidade de um diagnóstico laboratorial complexo e de alto custo. Em Goiás recentemente foi implementado um método de diagnóstico molecular para a Síndrome do X-Frágil através de um protocolo otimizado utilizando a eletroforese capilar. O correto diagnóstico molecular da SXF é fundamental para o serviço de aconselhamento genético, considerando a correlação direta da síndrome com expansões acima de 200 repetições CGG hipermetiladas do FMR1, além do risco de amplificação da região na prole de indivíduos com pré-mutação. O uso de técnicas moleculares associadas a eletroforese capilar em analisador genético automático demonstrou rapidez e eficiência na investigação de repetições CGG no gene FMR1. Sua inclusão no serviço público de saúde, além de universalizar o acesso a testes genéticos no Brasil, preenchendo a lacuna entre o diagnóstico eficaz e as tecnologias até então disponíveis, tem amparado as famílias no esclarecimento da etiologia e na avaliação do risco de recorrência.

Ester Nakamura (UFES)
Título: Estimulação cerebral não-invasiva no controle do uso de drogas na dependência química
Resumo: A modulação pré-frontal induzida por estimulação cerebral não-invasiva, como a estimulação transcraniana por corrente contínua (ETCC) de baixa intensidade, vem se mostrando cada vez mais benéfica para muitos transtornos neurocomportamentais. Nós investigamos os efeitos da ETCC sobre o córtex pré-frontal dorsolateral (CPFdl) sobre o desejo incontrolável em usar drogas (craving) e / ou recaídas ao uso de drogas em dependentes químicos. Temos observado que a aplicação repetitiva (5 sessões) da ETCC bilateral (cátodo sobre o CPFdl esquerdo e o ânodo sobre o CPFdl direito) reduzem as recaídas para o uso de álcool em alcoolistas graves e também o craving para o uso do crack-cocaína em usuários desta substância. Ao aumentar o número de sessões (10 sessões), o craving foi quase abolido ao final do tratamento, notadamente em usuários de crack-cocaína. Por análise de LORETA em ambos os tipos de dependência, o córtex pré-frontal medial ventral (CPFvm) mostrou ser a região com a maior mudança de ativação no componente P3 (300-500 ms) sob pistas relacionadas à droga naqueles pacientes que mantiveram abstinência durante e após o tratamento. O CPFvm está relacionado ao controle da busca de drogas, possivelmente por extinção desse comportamento. Assim, a ETCC bilateral repetitiva (5 a 10 sessões) sobre o CPFdl reduziu as recaídas e o craving pelo uso de drogas e produziu mudanças na ativação pré-frontal, o que pode ser de grande importância no controle do uso de drogas na dependência. Estes achados precisam ser confirmados em ensaios clínicos envolvendo amostras maiores de dependentes para se estabelecer o uso clínico da ETCC. Ademais, a melhor compreensão deste controle cognitivo sobre a recaída e o craving ao uso de drogas envolvendo áreas pré-frontais e sua conectividade funcional, precisa ser desenvolvida, e a manutenção desse controle cognitivo ao longo da vida pode exigir técnicas adicionais de modulação cerebral.


Dia 29 - SALA MANDACARU

Emerson Lima Aredes (POLO BPM)
Título: Gestão por processos e pesquisa clínica.
Resumo: As organizações são coleções de processos! E na pesquisa clínica isso não é diferente. Tudo que é executado faz parte de um processo de negócio que envolve diversas tarefas, pessoas e organizações. Os desafios de gerenciar tais processos no âmbito da pesquisa clínica aumentam à medida em que o mercado internacional se satura e mais pesquisas são atraídas com níveis cada vez maiores de exigência para o Brasil. Por isso, o amadurecimento das unidades de pesquisa é fundamental e passa pela necessidade de entender e melhorar os processos, promovendo melhores práticas e melhorando a qualidade. A Gestão por Processos (BPM) é uma disciplina gerencial que integra estratégias e objetivos de uma organização, contemplando expectativas e necessidades de clientes, por meio do foco em processos ponta a ponta em busca da agregação de valor ao cliente e melhoria organizacional contínua. Logo, BPM é uma ferramenta chave para todo o setor de pesquisa clínica para entendimento e melhoria dos processos de ponta-a-ponta, ou seja, desde a regulação, aprovação, “feasibility”, comitê de ética, contrato, condução de visitas junto aos participantes, gestão financeira, monitoria, gestão de eventos adversos e desvios de protocolo, farmácia, arquivo e procedimentos pós-estudo. Tudo faz parte de um grande processo e subprocessos e nesta palestra discutiremos os desafios da pesquisa clínica no Brasil à luz de BPM e sua consolidação frente às exigências internacionais, a repercussão para o Sistema Único de Saúde e apresentação de técnicas e casos de implantação na prática.

Marlan Geronimo (URCOM - SP)
Título: Sistema SANI como uma forma de mobilização de recursos financeiros.
Resumo: O SANI - Uma ferramenta para mobilização de recursos financeiros para compor a Saúde Municipal. Sistema Integrado de Apoio a Gestão da secretaria de Estado da Saúde tem como função básica a gestão de Processos e Documentos a ela relacionados.Para tanto atualmente possui funções que apoiam suas principais atribuições, como seguem: I – Gestão Orçamentária; II – Gestão Financeira; III – Gestão de Repasses; IV – Gestão de Convênios;

Dia 30 - SALA ACÁCIA
Paulo Roberto Slud Brofman (PUC-PR)

Título: Apoio e fornecimento de células-tronco em condições GMP para uso em ensaios clínicos e terapêuticos
Resumo: O Centro de Tecnologia Celular da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (CTC-PUCPR) integra a Rede Nacional de Terapia Celular–RNTC, encontra-se em funcionamento em conformidade com as normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (RDC 09/2011) e com licenciamento da VISA para tal. Será apresentada a sua estrutura física e organizacional, a sua expertise no apoio e na produção de células-tronco adultas (CT), autólogas ou alogênicas em condições GMP, a fresco ou criopreservadas, com ou sem cultivo, com ou sem manipulação extensa para uso em pesquisa clínica e/ou terapia. O CTC-PUCPR tem produzido CT para uso em ensaios clínicos próprios e para inúmeras outras pesquisas realizadas em parceria com diferentes instituições, de acordo com os objetivos estabelecidos pela Rede Nacional de Terapia Celular. Conta ainda com um Laboratório Experimental de Cultivo de Células Tronco, Centro Cirúrgico para animais de pequeno e médio porte, um Banco de Células Mesenquimais aprovado pela CONEP e um laboratório para o controle de qualidade das células por ele produzido.

Dia 30 - SALA AROEIRA
Antonia Iracilda e Silva Viana (UFMA)

Título: Desenvolvimento e avaliação de um aplicativo de telefonia móvel auxiliar para gestantes de alto risco
Resumo: O Sistema de Saúde tem avançado gradativamente na organização da assistência, porém há muito que ser feito especialmente em relação a determinada parcela da população que requer atenção especializada, como no caso a mulher gestante. A política de saúde também tem demonstrado avanços em relação ao uso e implementação de tecnologias. Embora com os crescentes avanços tecnológicos na área da saúde torna-se necessário que essa tecnologia seja utilizada a favor da assistência na saúde e que o usuário seja a finalidade. O presente projeto constitui-se na formulação e desenvolvimento de um aplicativo móvel que possa ser utilizado em um telefone celular de qualquer localidade que englobam os municípios da Região de Saúde Imperatriz por uma gestante de Alto Risco que necessite de uma orientação adequada diante de uma intercorrência clínica em sua gravidez e que possa garantir através desse aplicativo o acesso a uma orientação adequada, ao contato com o médico, um transporte garantido e um acolhimento na Unidade de Saúde. As tecnologias móveis já fazem parte do cotidiano dos profissionais de saúde. Dessa maneira, foi realizada uma pesquisa de abordagem experimental que desenvolveu aplicativo voltado para o auxílio do acompanhamento de gestantes de alto risco. Basicamente, o sistema fica conectado a qualquer computador no qual o usuário possua login e senha, no Hospital Regional Materno Infantil - Imperatriz, de onde os profissionais capacitados podem responder à dúvidas enviadas pelas gestantaes diretamente do chat do app. O sistema não substituiu o atendimento médico. Ele engloba um total de 17 municípios atendidos pela regional de saúde, que apresentam sistema de saúde precário. Com a comunicação direta com o HRMI é possível o direcionamento para o serviço adequado mais próximo (o sistema possui esses dados), além do profissional conseguir ter aceso à ficha da gestante, analisando potenciais riscos e tendo a possibilidade de entrar em contato com órgãos competentes.

Ariadne Barbosa (UFV)
Título: Uso de tecnologia para promoção da integração na Vigilância em Saúde no monitoramento de gestantes infectadas por arboviroses.
Resumo: O projeto, dirigido pelo grupo de pesquisa VigSus, do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Nutrição da Universidade Federal de Viçosa – MG, tem como proposta desenvolver uma ferramenta tecnológica que possa otimizar o trabalho de campo de agentes de endemia e auxiliar na integração entre as vigilâncias em saúde de municípios de pequeno e médio porte, tendo como recorte empírico a investigação da relação entre infecção pelas arboviroses Dengue e Zika durante o período gestacional, seus resultados adversos em conceptos e as possíveis associações com indicadores de saúde.

Silvana Santos (UEPB)
Título: REDPB - Uso de tecnologia móvel para coleta de dados sobre pessoas com deficiência.
O REDPB - Retrato Epidemiológico da Deficiẽncia na PB - é um software que permite a coleta e gerenciamento de informações sobre pessoas com deficiência a ser utilizado pelos agentes comunitários de saúde. Trata-se de um sistema que pode ser usado de maneira complementar ao Sistema de Informação da Atenção Básica (SISAB). A ideia é colher informaçṍes que possam explicitar a etiologia da deficiência e também as necessidades do público alvo (pessoas com deficiência). O desenvolvimento foi financiado com verba do edital PPSUS/CNPq/PB.

Dia 30 - SALA BURITI
Handerson Jorge Dourado Leite (IFB/BA)

Título: O Polo de Inovação Salvador do IFBA e o modelo de financiamento EMBRAPII
Resumo: Apresentar o Polo de Inovação Salvador (PIS) do Instituto Federal da Bahia como uma unidade credenciada pela Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (EMBRAPII), voltada para o desenvolvimento de tecnologias em saúde inovadoras. Descrever estrutura, competências e capacidade do PIS. Expor o modelo de análise do nível de maturidade tecnológica (TRL) e demarcar os estágios abrangidos pelo financiamento EMBRAPII. Explicar as regras de financiamento EMBRAPII e as possibilidades de contratação.

Ricardo Tolentino (Janssen Farmacêutica)
Título: Open Innovation - Modelo Johnson & Johnson
Resumo: Apresentar ao público interessado como a Johnson & Johnson, a maior empresa em saúde do mundo, vem desenvolvendo seu modelo de Inovação Externa, ou seja, o modelo de interação entre a empresa e o ambiente externo. A J&J acredita que a inovação é a combinação de pessoas, ideias e tecnologias e estas podem vir de qualquer lugar no Globo.


Dia 30 - SALA JEQUITIBÁ
Rui Seabra Ferreira Junior (UNESP)

Título: Transformando veneno em medicamento
Resumo: As toxinas animais representam milhões de anos de evolução e possuem alta afinidade e especificidade para diferentes alvos terapêuticos. Nosso time é especializado em medicina translacional, experiência esta adquirida com dois bioprodutos que seguem para a fase 3 de ensaios clínicos e futuro registro. Seguindo o mesmo processo, inúmeras outras moléculas encontram-se em nosso pipeline em diferentes estágios de desenvolvimento.

Fabiano Thompson (UFRJ)
Título: Produtos biotecnológicos de origem marinha
Resumo: As doenças infecciosas representam ameaça à saúde humana, sobretudo diante da proliferação de microrganismos multirresistentes. Embora, cumprir a promessa da biotecnologia marinha como fonte de aplicações ambientais e biomédicas continue sendo um desafio, novas oportunidades vêm sendo abertas através do uso da biodiversidade marinha brasileira. Avanços recentes da biotecnologia marinha no Brasil, com a descoberta de moléculas bioativas (antibacterianos, anti-virais, anti-biofilme) são exemplos promissores. Serão necessárias novas tecnologias para aproveitar a biodiversidade marinha. A colaboração entre os setores governamental, acadêmico e privado será crucial para criar mecanismos de transferência de tecnologia e promover o desenvolvimento de novas empresas de biotecnologia marinha.

Mauro Sergio Pavão (UFRJ)
Título: Biotecnologia Marinha e Inovação Biomédica - novas fontes marinhas de potentes antimetastáticos
Resumo: A Biotecnologia Marinha e a Biomedicina sempre estiveram conectadas e vêm expandindo-se para consolidar a área de Biomedicina Marinha. Vários programas de pesquisa biomédica marinha foram criados e vêm se consolidando em diferentes partes do mundo, visando a descoberta de novos fármacos a partir de fontes marinhas. No Brasil, a Biomedicina Marinha está caminhando para se consolidar a partir de esforços institucionais, governamentais e privados, para o estabelecimento de parcerias multidisciplinares entre grupos da academia, centros de pesquisa pré-clínicos, núcleos de inovação tecnológica e indústria farmacêutica para conectar a pesquisa básica com a pesquisa translacional pré-clínica e a pesquisa clínica. Aqui descrevemos as várias etapas da pesquisa de um análogo de heparina não anticoagulante, isolado em grande quantidade de um molusco marinho bivalve, cultivado em larga escala no Brasil. A descrição inclui a caracterização estrutural por ressonância magnética nuclear; os experimentos in vitro, demonstrando os mecanismos de ação antimetastática envolvendo a inibição da P-selectina; os ensaios in vivo em modelos de metástase, confirmando o efeito de inibição da metástase; e a avaliação de possíveis efeitos colaterais na coagulação, na viabilidade celular, e o efeito hipotensor. Os resultados obtidos direcionaram a migração para testes pré-clínicos visando solidificar a prova de conceito, identificar a via de administração mais adequada, avaliar a toxicologia e farmacologia de segurança.

Dia 30 - SALA MANDACARU
Ricardo Abdalla (USP)

Título: RAMBO - Reconhecimento Anatomomorfo-biológico
Resumo: Protocolo de obtenção de imagens cirúrgicas para reconhecimento anatomomorfológico de tecidos humano normal e com alteração de doença abdominal.

Ramon Salinas (UNICAMP)
Título:
Tecnologias para o atendimento das limitações do rastreamento do câncer de colo de útero no Brasil
Resumo: Há 7 anos nossa equipe trabalha no desenvolvimento uma solução tecnológica, incorporando técnicas de sistemas de informação, processamento de imagens na detecção de mudanças nos núcleos de células que permite a prevenção e diagnóstico do câncer de colo do útero, de maneira rápida e confiável, melhorando a prestação do exame do Papanicolaou convencional de populações afastadas geograficamente. O software utilizado, denominado Vita, permite a entrega dos resultados do exame Papanicolaou em um tempo recorde de 180 minutos. No software Vita são usadas tecnologias de processamento de imagens, com um respaldo de mais de 50 anos de avanços, oferecendo a oportunidade de sua utilização a um baixo custo e grande potencial. Realizou-se uma pesquisa sobre a otimização do fluxo da informação no diagnóstico preventivo do câncer do colo de útero desenvolvendo uma metodologia adaptada para trabalhar conjuntamente com o software brasileiro Sistema de Informação do Câncer do Colo do Útero - SISCOLO. Espera-se que ao final da implementação da Fase I seja desenvolvido um sistema de aquisição automático de imagens de baixo custo que otimize a captura e digitalização dos exames do Papanicolaou.

Liane Elizabeth Caldeira Lage (INPI)
Título: Cenário atual e perspectivas após a Portaria Conjunta 01/2017, do INPI e da Anvisa
Resumo: Será abordado o fim do problema de competências entre as duas instituições, a operacionalização do backlog com relação aos pedidos de patente da área da saúde no INPI, e perspectivas sobre o futuro.

Dia 30 – SALA PAMPA

Pedro Canisio Binsfeld (Secretaria Executiva da Conep)
Título: Avanços recentes da Comissão Nacional de Pesquisa – Conep
Resumo: Ao comemorar 20 anos a Conep assume que precisa acompanhar a evolução e modernização do processo de trabalho, numa dimensão que a permita apresentar as soluções aos desafios estabelecidos para a Comissão. Neste sentido, a Conep implementa ações que promovem avanços no sistema, entre as quais, destacam-se: a celeridade na análise de protocolos, cria um programa de pendência zero; amplia a interlocução com autoridades relacionadas e setor regulado, aprimora a comunicação e transparência, inicia um processo de desburocratização e inovação, trabalha no aprimoramento normativo e busca inserção e reconhecimento internacional como autoridade regulatória de ética em pesquisa. O conjunto destas ações inovadoras são perceptíveis e colocam a Conep em um novo patamar, em sintonia com os anseios dos participantes de pesquisas e incluem o Brasil no cenário global de pesquisas inovadoras e de interesse do país nesta área estratégica.

registrado em:
Fim do conteúdo da página