Ir direto para menu de acessibilidade.
    Você está aqui:
  1. Página inicial
  2. >
  3. Fake News
  4. >
  5. "Peste Negra" ameaça voltar à Paraíba - FAKE NEWS
Início do conteúdo da página

Para combater as Fake News sobre saúde, o Ministério da Saúde, de forma inovadora, está disponibilizando um número de WhatsApp para envio de mensagens da população. Vale destacar que o canal não será um SAC ou tira dúvidas dos usuários, mas um espaço exclusivo para receber informações virais, que serão apuradas pelas áreas técnicas e respondidas oficialmente se são verdade ou mentira.

Qualquer cidadão poderá enviar gratuitamente mensagens com imagens ou textos que tenha recebido nas redes sociais para confirmar se a informação procede, antes de continuar compartilhando. O número é (61)99289-4640

> Leia o regulamento e os termos de uso

falso verdadeiro
Escrito por Gustavo Frasão | Publicado: Quarta, 05 de Setembro de 2018, 11h13 | Última atualização em Quarta, 05 de Setembro de 2018, 11h13

O Brasil não registra casos de peste humana desde 2005, entretanto, existem no país áreas em que há a confirmação da circulação da Yersínia pestis - bactéria responsável pela doença - entre roedores silvestres e carnívoros.  Apesar da doença apresentar longos períodos sem registrar casos humanos, a presença da transmissão da doenças entre a população de roedores silvestres (ciclo enzoótico), é um dos principais fatores na persistência histórica da peste no mundo.

Por esse motivo é importante manter ações contínuas de vigilância da peste, principalmente nas áreas em que há a presença da bactéria. No Brasil, essas áreas estão nos estados do CE, PE, PB, PI, AL, BA, RN, RJ e MG.

A vigilância da peste, principalmente nesses estados, é importante ferramenta para o controle da doença e na prevenção de casos humanos.

Essa vigilância está fundamentada no a) monitoramento animal, com captura de roedores, coleta de amostras de sangue roedores e carnívoros e coleta de pulgas, com envio das amostras aos laboratórios centrais de saúde pública para diagnóstico; b) busca ativa, realizada por meio de visitas domiciliares, realizada pelos agentes de endemias, com objetivo de identificar e investigar qualquer caso suspeito em humanos, investigar mortandade de roedores e levar informação à população; e c)profilaxia e controle, que consiste na desintetização contra pulgas (despulização), realizada nos imóveis que apresentarem positividade para peste entre os animais.

registrado em:
Assunto(s):
Fim do conteúdo da página