Ir direto para menu de acessibilidade.

Banner MosquitoNao 960x100px

Você está aqui: Página inicial > Últimas Notícias > SCTIE - Notícias > Brasil tem segundo caso de pacientes que sobreviveram ao vírus da raiva humana
Início do conteúdo da página

Brasil tem segundo caso de pacientes que sobreviveram ao vírus da raiva humana

Publicado: Sexta, 12 de Janeiro de 2018, 18h10

Praticamente 100% dos pacientes contaminados não resistem aos sintomas da doença Um adolescente de 14 anos, morador da zona rural da cidade de Barcelos, no Amazonas, é a quinta pessoa a sobreviver ao vírus da raiva humana no mundo e a segunda no Brasil. O primeiro caso aconteceu em 2008, no município de Floresta, Pernambuco. No restante do mundo, existem relatos de apenas mais três outros casos de cura: dois nos Estados Unidos, em 2004 e 2011, respectivamente, e outro na Colômbia, em 2008. Este último faleceu por outras causas associadas após a cura. A primeira cura de raiva humana no Brasil, bem como o sucesso terapêutico da paciente dos Estados Unidos, abriu novas perspectivas para o tratamento dessa doença, considerada até então letal. Diante disso, o Ministério da Saúde reuniu especialistas no assunto e elaborou o primeiro protocolo brasileiro de tratamento para raiva humana baseado no protocolo americano de Milwaukee, que tem por objetivo orientar a condução clínica de pacientes suspeitos de raiva, na tentativa de reduzir a mortalidade da doença. Para o tratamento da raiva humana no Brasil, são utilizados alguns medicamentos conforme preconizado no protocolo, dentre eles a sapropterina e amantadina. A sapropterina é um medicamento pertencente ao Componente Estratégico da Assistência Farmacêutica – CESAF, com financiamento, aquisição e distribuição centralizadas no Ministério da Saúde. É enviado aos estados em casos de necessidade de atendimento ao protocolo específico de raiva humana, mediante a confirmação e notificação de casos. Todo este processo de disponibilização do medicamento em tempo hábil é intermediado pela Assistência Farmacêutica local junto ao Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos e Unidade de Vigilância de Zoonoses do Ministério da Saúde, para que viabilize a chegada do medicamento à unidade de saúde em até 24 horas após a notificação. O Diretor do Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Dr. Renato Alves Teixeira Lima, parabeniza as equipes de Assistência Farmacêutica da Fundação de Medicina Tropical – Dr. Heitor Vieira Dourado, no Amazonas, e do Ministério da Saúde, manifestando sua satisfação quanto ao impacto deste trabalho conjunto na cura do paciente - “É extremamente prazeroso podermos, através da assistência farmacêutica, contribuir para salvar vidas, ainda mais que a raiva humana é uma doença de grau de letalidade altíssimo”. Raiva Humana - A raiva é uma grave doença infecciosa causada pelo vírus do gênero Lyssavirus, da família Rhabdoviridae, que leva a óbito praticamente 100% dos pacientes contaminados. A doença é transmitida somente por animais mamíferos, geralmente através da mordida e inoculação do vírus presente na saliva dentro da pele. O vírus da raiva tem atração pelas células do sistema nervoso, invadindo imediatamente os nervos periféricos após ser inoculado através da pele. Por Nucom  SCTIE
Atendimento à Imprensa
(61) 3315-3580 / 2351 / 2745

Fim do conteúdo da página