Ir direto para menu de acessibilidade.
Pare, Pense e use camisinha.
    Você está aqui:
  1. Página inicial
  2. >
  3. Últimas notícias
  4. >
  5. Agência Saúde
  6. >
  7. Ministério fez consulta mundial para compra de asparaginase
Início do conteúdo da página
NOTA À IMPRENSA

Ministério fez consulta mundial para compra de asparaginase

Escrito por Leonardo | Publicado: Segunda, 03 de Abril de 2017, 07h08 | Última atualização em Quarta, 05 de Abril de 2017, 11h46

Sobre reportagem do Fantástico “Farmacêutica levanta novas dúvidas sobre remédio para câncer infantil”, o Ministério da Saúde esclarece:

1 – Ao contrário do que informa a farmacêutica consultada, o medicamento adquirido pelo Ministério da Saúde é biológico e, não, sintético;

2 – Ainda, diferente do que afirmou, ministérios da Saúde de cinco países adquirem o medicamento (China, Índia, Peru, Honduras e Paraguai), onde também possuem registro sanitário. O Ministério da Saúde consultou os cinco países. Eles informaram que não foram encontrados dados que contraindicassem o uso do produto;

3 – Finalmente, como é de conhecimento geral, não são necessários novos estudos clínicos para o produto, pois trata-se de um medicamento utilizado há mais de 30 anos, de comprovada eficácia.

4 – Enquanto responsável pelo projeto, a farmacêutica entrevistada, Gisélia Ferreira, não desqualificou a empresa vencedora.

5 – Conforme parecer do Departamento de Logística e da Consultoria Jurídica do Ministério da Saúde, era ilegal o processo de compra sugerido  pela farmacêutica, ou seja, compra por inexigibilidade da empresa concorrente. A profissional foi exonerada.

Sobre o processo de compra:

1. Por mais de 30 anos, o hospitais do SUS adquiriram diretamente a asparaginase do laboratório Merck. Com a descontinuidade da produção e consequente desabastecimento do mercado, o Ministério da Saúde passou a adquirir esse medicamento e suprir os hospitais a partir de 2013, com produto da empresa alemã MEDAC, representada pela Bagó. Esta, por sua vez, pediu cancelamento do registro no Brasil e comunicou a descontinuidade da produção mundialmente;

2. Sem nenhuma empresa atualmente com registro no Brasil, a legislação indica que se deve fazer uma pesquisa de preço mundial;

3. Para a aquisição do medicamento foi realizada uma cotação internacional e o vencedor ofereceu o menor preço, processo conforme lei de licitações. A diferença entre os valores foi de R$ 25.288.679,90 milhões, sendo o valor da proposta vencedora de R$ 6.399.370,10 contra R$ 31.680.050,00 de outra colocada, para o período de um ano. Com a descontonuidade do medicamento alemão somente restaram os dois fabricantes chineses, somente esses ofereceram preços;

4. Toda a documentação necessária para a compra do medicamento foi entregue corretamente, cumprindo rigorosamente a legislação;

5. A reportagem induz preocupação pelo medicamento ser produzido na China. Esse país, no entanto, está na liderança mundial na produção de insumos de medicamentos. A empresa Xetley não é a fabricante do medicamento, sendo esse um representante legal no Brasil do Laboratório Beijing S L Pharmaceutical Co, uma das maiores indústrias farmacêuticas da Ásia;

6. O Ministério da Saúde mantém sempre o compromisso com a ética, com a lisura, transparência e principalmente com a saúde do povo brasileiro;

7. O Ministério da Saúde e o ministro Ricardo Barros estão à disposição para quaisquer esclarecimentos sobre o assunto.

Assessoria de Imprensa:
61 33153580

Fim do conteúdo da página