Ir direto para menu de acessibilidade.
Saúde do Viajante
    Você está aqui:
  1. Página inicial
  2. >
  3. Últimas notícias
  4. >
  5. Agência Saúde
  6. >
  7. Sergipanos passam a contar com novo equipamento de radioterapia do Ministério da Saúde
Início do conteúdo da página

Sergipanos passam a contar com novo equipamento de radioterapia do Ministério da Saúde

Escrito por André | Publicado: Quinta, 05 de Abril de 2018, 19h23 | Última atualização em Quinta, 05 de Abril de 2018, 19h23

O equipamento faz parte do Plano de Expansão dos Serviços de Radioterapia, do Ministério da Saúde, que vai ampliar o acesso a tratamentos oncológicos nos serviços públicos do país

A população de Sergipe recebeu, nesta quinta-feira (05/04), o sexto acelerador linear pertencente ao Plano de Expansão da Radioterapia, do Ministério da Saúde. O novo equipamento que está instalado no Hospital de Urgência de Sergipe (HUSE) deve realizar cerca de 120 sessões de radioterapia por dia, ampliando o atendimento no estado e permitindo um melhor tratamento oncológico aos pacientes do SUS. Ao todo, foram investidos quase R$ 6 milhões na compra do equipamento e construção da casa mata - espaço destinado para a instalação do aparelho.

“Com esse equipamento, estamos levando o que há de melhor no tratamento da radioterapia para centenas de sergipanos, facilitando a vida dessas pessoas, levando o tratamento mais próximo deles. Este exemplo de investimento público, que está acontecendo em Sergipe, será replicado para todo país, como já acontece em seis cidades brasileiras”, destacou o secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, do Ministério da Saúde, Marco Fireman.

O projeto foi executado dentro das atividades previstas do Plano de Expansão da Radioterapia, considerando que os aceleradores lineares são equipamentos de altíssima complexidade tecnológica e não podem ser instalados sem os devidos cuidados com a proteção radiológica. As instalações exigem espaço físico com características peculiares e distintas das construções tradicionais de estabelecimentos e unidades de saúde, uma vez que envolve, por exemplo, sistemas de climatização específicos, refrigeração da água, sistema elétrico diferenciado e maior espessura das paredes.

O Ministério da Saúde já entregou outros cinco aceleradores lineares pelo Plano, nas cidades de Campina Grande (PB), Maceió (AL), Feira de Santana (BA), Brasília (DF) e Curitiba (PR). Ainda neste ano, estão programadas as entregas de outros 25 equipamentos de radioterapia. Em fevereiro deste ano, a pasta reorganizou a distribuição de 140 aceleradores lineares para ampliar o acesso ao tratamento de câncer no país. A medida garantirá a cobertura no Sistema Único de Saúde (SUS) de mais de 70 milhões de brasileiros. Para garantir a inclusão desses novos hospitais, a pasta irá destinar R$ 163,7 milhões na ampliação e construção de serviço em 14 estados e no Distrito Federal, que apresentam um déficit assistencial.

O Plano de Expansão da Radioterapia é o maior programa do mundo de ampliação no tratamento radiológico da saúde da população. Foram investidos mais de R$ 500 milhões na aquisição de aceleradores lineares, além da realização de projetos e obras. Os novos equipamentos, que serão adquiridos, viabilizará uma economia de aproximadamente R$ 25 milhões em relação ao que era realizado por meio de convênios.

ASSISTÊNCIA – Nos últimos anos, observou-se uma crescente oferta da radioterapia no país. Em 2010, foram realizados 8,3 milhões procedimentos de radioterapia. Em 2016, foram 10,45 milhões, um aumento de 25,9%. Vale ressaltar que essa ampliação também é resultado do investimento realizado pelo Ministério da Saúde na compra de aceleradores lineares, por meio de convênios. Consequentemente, a pasta ampliou, em seis anos, 46% os recursos para tratamentos oncológicos (cirurgias, radioterapias e quimioterapias), passando de R$ 2,27  bilhões, em 2010, para R$ 3,33 bilhões, em 2016. Em 2017, até o momento, foram investidos R$ 672,8 milhões. Somados a esses valores, há ainda os recursos relacionados às ações de média complexidade, como consulta com especialista e realização de exames, além dos medicamentos oncológicos.

Por Victor Maciel, da Agência Saúde 
Atendimento à imprensa – Ascom/MS
(61) 3315-3174/3580

Fim do conteúdo da página