Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Começa campanha de vacinação contra a gripe

Escrito por Alessandra Bernardes | Publicado: Sexta, 20 de Abril de 2018, 15h23 | Última atualização em Segunda, 14 de Maio de 2018, 12h07

Cerca de 54 milhões de pessoas, mais vulneráveis ao agravamento de doenças respiratórias e que fazem parte do grupo prioritário, devem buscar os postos de vacinação em todo o País para se vacinar gratuitamente

A 20ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe começa nesta segunda-feira (23/4). A recomendação é que as mais de 54 milhões de pessoas que fazem parte do grupo prioritário procurem um dos postos de vacinação distribuídos em todo o País para se vacinar gratuitamente. Para atender as pessoas mais suscetíveis ao agravamento de doenças respiratórias, o Ministério da Saúde adquiriu 60 milhões de doses da vacina, que serão entregues em etapas aos estados. O Dia D da Mobilização Nacional será no dia 12 de maio e a campanha termina no dia 1º de junho, sem prorrogação.

“É importante reforçar que adquirimos vacinas para todas as pessoas que são nosso público-alvo. Ano passado não faltou vacina e neste ano também não faltará. Nosso objetivo é vacinar 100% desta população contra a gripe”, assegurou o ministro da Saúde, Gilberto Occhi.

Confira a apresentação

Confira as peças da Campanha Nacional de Vacinação 2018

A vacina contra gripe é segura e reduz as complicações que podem produzir casos graves da doença, internações ou até mesmo óbitos. Ela protege contra os três subtipos do vírus da gripe que mais circularam no último ano no Hemisfério Sul, de acordo com determinação da Organização Mundial da Saúde (OMS), que são H1N1, H3N2 e Influenza B. Neste ano, apenas o subtipo H1N1 não sofreu mutação.

QUEM DEVE TOMAR A VACINA CONTRA GRIPE

Integram o grupo prioritário pessoas a partir de 60 anos, crianças de seis meses a menores de cinco anos, trabalhadores de saúde, professores das redes pública e privada, povos indígenas, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), pessoas privadas de liberdade – o que inclui adolescentes e jovens de 12 a 21 anos em medidas socioeducativas – além dos funcionários do sistema prisional.

Os portadores de doenças crônicas não transmissíveis, como diabetes, hipertensão e câncer, além daquelas pessoas que têm outras condições clínicas especiais, também devem se vacinar contra a gripe. Este público deve apresentar prescrição médica no ato da vacinação. Pacientes cadastrados em programas de controle das doenças crônicas do SUS deverão se dirigir aos postos em que estão registrados para receberem a vacina, sem a necessidade de prescrição médica.

“Gostaríamos de pedir que todos se vacinem e reforçar que quando o profissional de saúde perceber que as pessoas que fazem parte do grupo prioritário não estão vacinando, que orientem a imunização, porque somente dessa maneira será possível prevenir a doença”, ressaltou o ministro Gilberto Occhi.

No dia 12 de maio, quando ocorre a mobilização nacional contra a gripe, estarão abertos 65 mil postos de vacinação, sendo 37 mil de rotina e 28 mil volantes, com envolvimento de 240 mil pessoas. Também estarão disponíveis, para a mobilização, 27 mil veículos terrestres, marítimos e fluviais.

 

TRANSMISSÃO E PREVENÇÃO DA GRIPE

A transmissão dos vírus da gripe (influenza) acontece por meio do contato com secreções das vias respiratórias, eliminadas pela pessoa contaminada ao falar, tossir ou espirrar. Também ocorre por meio das mãos e objetos contaminados, quando entram em contato com mucosas (boca, olhos, nariz). À população em geral, o Ministério da Saúde orienta a adoção de cuidados simples como medida de prevenção para evitar a doença, como: lavar as mãos várias vezes ao dia; cobrir o nariz e a boca com lenço descartável ao tossir ou espirrar; não compartilhar objetos de uso pessoal; além de evitar locais com aglomeração de pessoas.

REAÇÕES ADVERSAS DA VACINA CONTRA GRIPE

Após a aplicação da vacina, podem ocorrer, de forma rara, dor, vermelhidão e endurecimento no local da injeção. São manifestações consideradas benignas, cujos efeitos costumam passar em 48h.  A vacina é contraindicada para pessoas com história de reação anafilática prévia em doses anteriores ou para pessoas que tenham alergia grave relacionada a ovo de galinha e seus derivados. É importante procurar o médico para orientações.

 

 

Por Amanda Mendes, da Agência Saúde
Atendimento à imprensa - (61) 3315-3580 / 2745 / 2351

Fim do conteúdo da página