Ir direto para menu de acessibilidade.

Dia Mundial de Luta Contra a Aids - 30 anos

    Você está aqui:
  1. Página inicial
  2. >
  3. Últimas notícias
  4. >
  5. Agência Saúde
  6. >
  7. Onze estados estão com índices de vacinação contra pólio e sarampo abaixo da média nacional
Início do conteúdo da página

Onze estados estão com índices de vacinação contra pólio e sarampo abaixo da média nacional

Escrito por amanda.mendes | Publicado: Quinta, 30 de Agosto de 2018, 15h48 | Última atualização em Quinta, 30 de Agosto de 2018, 17h54

Até o momento, a média nacional de vacinação está em 76%. Ministério da Saúde orienta que estados e municípios, que não atingiram a meta, abram os postos de vacinação no sábado

Em todo o país, onze estados estão abaixo da média nacional de cobertura vacinal da Campanha de Vacinação Contra a poliomielite e sarampo. Até esta quinta-feira (30), cerca de 76% das crianças brasileiras foram vacinadas. Em todo o país, foram aplicadas mais de 17 milhões de doses das vacinas (cerca de 8,5 milhões de cada). Segundo a última atualização enviada pelos estados, o Rio de Janeiro está com o menor índice de vacinação, seguido por Roraima, Distrito Federal, Pará, Amazonas, Acre, Bahia, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul, Piauí e São Paulo. A campanha termina nesta sexta-feira (31/8) e o Ministério da Saúde orienta estados e municípios, que não atingiram a meta, a abrir os postos de vacinação no sábado, 1º de setembro.

A orientação é para que os gestores locais realizem uma nova mobilização e a vacina consiga ser aplicada em mais de 2,6 milhões de crianças de um a menores de cinco anos, que ainda não estão protegidas contra as duas doenças. A organização da mobilização no sábado (1º/09) é de responsabilidade de cada município, portanto é necessário verificar com as Secretarias Municipais de Saúde quais postos estarão abertos neste sábado para vacinar contra poliomielite e sarampo.

“Esses 11 estados precisam intensificar suas ações de vacinação para alcançar a meta da campanha, de vacinar 95% do público-alvo. É por meio da vacinação que vamos impedir que doenças já eliminadas retornem ao Brasil. É preciso que os gestores de saúde, bem como pais e responsáveis, se conscientizem da importância da vacinação contra essas doenças”, avalia o ministro da Saúde, Gilberto Occhi.

Até o momento, apenas o estado do Amapá atingiu a meta do Ministério da Saúde, de vacinar 95% do público-alvo. Os dados de algumas capitais mostram que o esforço dos vacinadores e da população nessa reta final tem apresentado bons resultados. No fim de semana passado, os estados de São Paulo, Minas Gerais, Pernambuco, Maranhão, Espírito Santo e Amapá promoveram mais um dia de mobilização para vacinação. As capitais Macapá (AP) e Porto Velho (RO) superaram a meta da campanha. Macapá vacinou 100,3% para pólio e 99,8% para sarampo e Porto Velho 98,3% pólio e 98,3% sarampo. Já Manaus, que iniciou a vacinação antes devido o surto de sarampo na região, já atingiu a meta de vacinação para a doença (103%).

CAMPANHA

Para a poliomielite, as crianças que ainda não tomaram nenhuma dose da vacina na vida serão vacinadas com a Vacina Inativada Poliomielite (VIP). As crianças que já tiverem tomado uma ou mais doses receberão a gotinha (Vacina Oral Poliomielite - VOP). Em relação ao sarampo, todas as crianças devem receber uma dose da vacina tríplice viral, independente da situação vacinal. A exceção é para as que tenham sido vacinadas nos últimos trinta dias, que não necessitam de uma nova dose.

O Ministério da Saúde oferta todas as vacinas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Ao todo, são 19 para combater mais de 20 doenças, em todas as faixas etárias. Por ano, são cerca de 300 milhões de doses de imunobiológicos distribuídos em todo o país.

CASOS DE SARAMPO

Até o dia 28 de agosto, foram confirmados 1.553 casos e 6.975 permanecem em investigação. Atualmente, o país enfrenta dois surtos de sarampo: no Amazonas que já computa 1.211 casos e 6.905 em investigação, e em Roraima, com o registro de 300 casos da doença, sendo que 70 continuam em investigação. Entre os confirmados em Roraima, 9 casos foram atendidos no Brasil e estão recebendo tratamento, mas residem na Venezuela.

Os surtos estão relacionados à importação, já que o genótipo do vírus (D8) que está circulando no país é o mesmo que circula na Venezuela, país que enfrenta um surto da doença desde 2017.  Alguns casos isolados e relacionados à importação foram identificados nos estados de São Paulo (2), Rio de Janeiro (18); Rio Grande do Sul (16); Rondônia (2), Pernambuco (2) e Pará (2). O Ministério da Saúde permanece acompanhando a situação e prestando o apoio necessário aos Estados.

Até o momento, no Brasil, foram confirmados 7 óbitos por sarampo, sendo 4 óbitos no estado de Roraima (3 em estrangeiros e 1 em brasileiro) e 3 óbitos no estado do Amazonas (todos brasileiros, sendo 2 do município de Manaus e 1 do município de Autazes).

SARAMPO NO MUNDO

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), os casos de sarampo chegaram a um número recorde na Europa. Os dados, divulgados pela organização nesta segunda-feira (20/08), apontam que mais de 41 mil crianças e adultos na Região Europeia foram infectados com sarampo nos primeiros seis meses de 2018. O número total de casos para esse período excede os 12 meses reportados em todos os outros anos desta década.

Desde 2010, o ano de 2017 foi o que teve o maior número de casos: 23.927. Em 2016, registrou-se a menor quantidade: 5.273. Além disso, pelo menos 37 pessoas morreram devido à doença neste ano. Sete países da região tiveram mais de uns mil casos neste ano (França, Geórgia, Grécia, Itália, Rússia, Sérvia e Ucrânia). A Ucrânia foi a mais atingida com mais de 23 mil pessoas afetas, o que representa mais da metade da população do país.

Para mais informações, acesse a página especializada sobre vacinação no portal do Ministério da Saúde.

Balanço da Campanha Nacional de Vacinação até o dia 30 de agosto

 

PÚBLICO-ALVO

POLIOMIELITE

SARAMPO

UF

TOTAL

DOSES APLICADAS

%

DOSES APLICADAS

%

RO

104.978

99.046

94,84

98.457

93,79

AC

63.573

43.414

68,29

43.232

68,00

AM

304.907

204.793

67,17

251.374

82,44

RR

40.663

24.900

61,24

24.657

60,64

PA

594.518

392.788

66,07

392.954

66,10

AP

58.705

59.569

101,47

59.366

101,13

TO

99.049

76.887

77,63

76.645

77,38

MA

499.042

417.403

83,64

415.647

83,29

PI

197.366

146.104

74,03

145.396

73,67

CE

509.183

432.031

84,85

432.246

84,89

RN

188.861

147.690

78,20

146.063

77,34

PB

232.889

193.383

83,04

192.571

82,69

PE

544.178

488.287

89,73

486.702

89,44

AL

213.391

171.373

80,31

171.058

80,16

SE

133.395

113.583

85,15

112.876

84,62

BA

849.361

602.471

70,53

596.890

70,28

MG

1.027.305

794.891

77,38

791.165

77,01

ES

201.833

178.870

88,62

178.116

88,25

RJ

811.853

446.384

54,98

451.955

55,67

SP

2.202.964

1.656.592

75,20

1.639.111

74,40

PR

581.309

464.220

79,86

461.821

79,45

SC

339.800

311.696

91,73

312.325

91,91

RS

528.938

391.078

73,94

389.652

73,67

MS

158.083

116.629

73,78

116.245

73,53

MT

202.216

157.488

77,88

156.881

77,58

GO

364.626

207.072

81,72

293.561

80,51

DF

160.292

102.324

63,84

101.293

63,19

BRASIL

11.213.278

8.532.168

76,09

8.538.259

76,14

Crédito: Erasmo Salomão

Por Amanda Mendes, da Agência Saúde
Atendimento à imprensa

(61) 3315-3580 /2745 /2351

Fim do conteúdo da página