Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

DAGEP participa de encontro sobre o Processo Transexualizador, próxima terça-feira, em Palmas

Escrito por Tatiana Teles | Publicado: Quinta, 29 de Março de 2018, 19h02 | Última atualização em Segunda, 02 de Abril de 2018, 16h01

Representante do Departamento de Apoio à Gestão Participativa e ao Controle Social, da Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa do Ministério da Saúde (DAGEP/SGEP/MS) participará do 4º Encontro do Fórum Permanente de Saúde Mental que acontecerá, dia 3 de abril, em Palmas (TO), para discutir o acolhimento de travestis e transexuais dentro do Sistema Único de Saúde (SUS).

O MS participa, por meio da área técnica responsável pela Política Nacional de Saúde Integral LGBT, do debate intitulado ‘População T em evidência - Saúde e Acolhimento das Pessoas Trans’ entre 14h e 17h, no auditório do Centro Universitário Luterano de Palmas (Ceulp).

O encontro, que é uma iniciativa conjunta entre a Secretaria Municipal de Saúde da capital tocantinense, Fundação Escola de Saúde Pública de Palmas e do curso de psicologia do Ceulp, tem como objetivo apresentar as demandas e especificidades de atenção à saúde das pessoas trans dentro do SUS.

PROCESSO TRANSEXUALIZADOR

No SUS, travestis e transexuais têm acesso ao Processo Transexualizador, que é um conjunto de ações voltado à atenção e ao cuidado a travestis e transexuais que desejam modificação corporal por meio da adequação da aparência física e da função das características sexuais, de acordo com sua identidade de gênero. Instituído no SUS em 2008, atualmente o Processo Transexualizador está normatizado pela Portaria GM/MS nº 2.803, de 19 de novembro de 2013. Esse processo se insere no contexto da Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT) – Portaria GM/MS nº 2.836, de 1º de dezembro de 2011, e abrange: a garantia da integralidade e humanização da atenção, promovendo um atendimento livre de discriminação; inclusão de procedimentos como a hormonioterapia, mesmo sem indicação para a cirurgia de redesignação sexual, que garanta o atendimento não só a população de transexuais, mas também de travestis; atendimento por equipe interdisciplinar e multiprofissional (psiquiatria, psicologia, clínica geral, cirurgia plástica, ginecologia, urologia, endocrinologia, enfermagem e serviço social) visando acompanhamento psicoterápico, hormonioterapia e procedimentos de redesignação sexual.

Serviço:
Atividade:  4º Encontro Permanente do Fórum de Saúde Mental
Local: Auditório Central do Ceulp, Palmas (TO)
Data: 3 de abril de 2018
Hora: 14h às 17h.

 

 

 

 

 

 

Sócrates Bastos e Caroline Oliveira, por Nucom SGEP 
Atendimento à Imprensa 
(61) 3315- 3580

 

Fim do conteúdo da página