Ir direto para menu de acessibilidade.

Vacine-se

    Você está aqui:
  1. Página inicial
  2. >
  3. Últimas Notícias
  4. >
  5. Notícias SGEP
  6. >
  7. Violências contra LGBTs foi assunto de roda de conversa na Rede Unida
Início do conteúdo da página

Violências contra LGBTs foi assunto de roda de conversa na Rede Unida

Escrito por Tatiana Teles | Publicado: Terça, 05 de Junho de 2018, 15h28 | Última atualização em Terça, 05 de Junho de 2018, 15h30

Atividade que aconteceu no espaço Opas integrou a programação do 13º Congresso

Box Title
Foto:Tania Mello

O Departamento de Apoio à Gestão Participativa e ao Controle Social, unidade da Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa do Ministério da Saúde (DAGEP/SGEP/MS), abriu a roda de conversa na manhã dessa sexta-feira (1º), no espaço Opas/OMS, que integrou o 13º Congresso Internacional de Rede Unida, e aconteceu em Manaus/AM.

Capitaneada por Marina Marinho, que compõe a equipe responsável pela implementação da Política Nacional de Saúde Integral LGBT do DAGEP, participantes da roda puderam discutir meios e ações para o enfrentamento ao preconceito, discriminação e exclusão que atingem lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e travestis no país. Segundo Marina, esses dados são uma fonte importante para o fortalecimento das políticas públicas voltadas para a população LGBT. “A Política LGBT reafirma o compromisso do SUS com a universalidade, a integralidade e com a efetiva participação da comunidade, tendo como um dos eixos de atuação a promoção e vigilância em saúde”, disse.

AÇÕES

A roda destacou as ações que o Ministério da Saúde vem implementando sobre o tema. Dentre as ações, Marina citou os sistemas de informação em saúde que produzem dados sobre a população LGBT, com recorte para a inclusão do nome social de travestis e transexuais no Cartão do Sistema Único de Saúde (Cartão SUS) - Portaria MS nº 1.820, de 13 de agosto de 2009, que dispõe sobre os direitos e deveres dos usuários da saúde, entre eles o direito ao uso do nome social.

O SISAB também foi citado. A alteração no Sistema de Informação em Saúde para a Atenção Básica – SISAB (e-SUS AB) para que a partir da versão 1.3.0, a Ficha de Cadastro Individual conte com um campo para o nome social no prontuário eletrônico do cidadão (PEC). Essa ficha também possui um campo para preenchimento da identidade de gênero e orientação sexual do usuário.

Alteração da ficha de notificação de violências interpessoais e autoprovocadas do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN). A partir da versão 5.0 do SINAN essa ficha conta com campos para preenchimento do nome social (quando houver), identidade de gênero e orientação sexual da pessoa que foi agredida. Também foi incorporado um campo para identificação da violência por motivação homo/lesbo/bi/transfóbica.

DENÚNCIA

O canal oficial do governo federal para denúncias desse tipo é o Disque 100. Casos de homicídios costumam ser registrados diretamente nas delegacias. Além do Disque 100, outros canais do governo federal recebem denúncias contra a população LGBT são a Central de Atendimento à Mulher (Disque 180) e o Disque Saúde (ou Disque 136), que é a Ouvidoria-Geral do SUS que oferece diferentes canais para que o cidadão possa se manifestar. O Disque Saúde 136 funciona 24 horas e a ligação é gratuita. De segunda a sexta-feira, das 7h às 22h, aos sábados e domingos, das 8h às 18h, o cidadão pode falar diretamente com o operador. Fora desses horários, é possível obter informações pela Unidade de Atendimento Audível (URA).

Mais fotos, clique no Flickr da SGEP

Por Tania Mello, do Nucom SGEP
Atendimento à imprensa
(61) 3315-3580/3174/2918

Fim do conteúdo da página