Ir direto para menu de acessibilidade.
    Você está aqui:
  1. Página inicial
  2. >
  3. Saúde de A a Z
  4. >
  5. Difteria
  6. >
  7. Saúde de A a Z
  8. >
  9. Difteria
  10. >
  11. Informações Técnicas
Início do conteúdo da página
Difteria

Informações Técnicas

Escrito por alexandreb.sousa | Criado: Quinta, 27 de Março de 2014, 15h30 | Publicado: Quinta, 27 de Março de 2014, 15h30 | Última atualização em Segunda, 16 de Julho de 2018, 11h35

Soro  antidiftérico(SAD)

O tratamento específico é realizado com a administração do SAD, que visa neutralizar a toxina circulante. Como o SAD não tem ação sobre a toxina já impregnada no tecido, sua administração deve ser feita o mais precocemente possível, pela via intravenosa, diante de suspeita clínica bem fundamentada. Por se tratar de um produto de origem heteróloga, sua administração requer cuidados quanto à possibilidade de reações adversas e deve ser realizada em ambiente hospitalar.

Nota Informativa nº 153/2018 - Medidas para notificação dos casos de difteria, dispensação, administração e o monitoramento da utilização do soro antidiftérico de baixa potência, lote 170166.

Aspectos laboratoriais

Aspectos epidemiológicos

A difteria ocorre durante todos os períodos do ano e pode afetar todas as pessoas não imunizadas, de qualquer idade, raça ou sexo. Observa-se um aumento de sua incidência nos meses frios e secos (outono e inverno), quando é mais comum a ocorrência de infecções respiratórias, principalmente devido à aglomeração em ambientes fechados, que facilitam a transmissão do bacilo. Contudo, não se observa esse padrão sazonal nas regiões sem grandes oscilações de temperatura. A doença ocorre com maior frequência em áreas com precárias condições socioeconômicas, onde a aglomeração de pessoas é maior, e onde se registram baixas coberturas vacinais. Os casos são raros quando as coberturas vacinais atingem patamares homogêneos de 80%.

Fim do conteúdo da página