Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Saúde de A a Z

Acidentes por animais peçonhentos - Aranhas

Acidentes por animais peçonhentos - Aranhas

Escrito por Leonardo | Publicado: Terça, 02 de Maio de 2017, 12h48 | Última atualização em Quarta, 28 de Março de 2018, 14h34

Os acidentes causados por aranhas são comuns, porém a maioria não apresenta repercussão clínica. Os gêneros de importância em saúde pública no Brasil são a aranha-marrom (Loxosceles), aranha-armadeira ou macaca (Phoneutria) e viúva-negra (Latrodectus). Acidentes causados por outras aranhas podem ser comuns, porém sem relevância em saúde pública, sendo que os principais grupos pertencem, principalmente, às aranhas que vivem nas casas ou suas proximidades, como caranguejeiras e aranhas de grama ou jardim.

Três gêneros de aranhas consideradas de importância médica no Brasil: 

1. Aranha-marrom (Loxosceles) - Não é agressiva, pica geralmente quando comprimida contra o corpo. Tem um centímetro de corpo e até três de comprimento total. Possui hábitos noturnos, constrói teia irregular como “algodão esfiapado”. Esconde-se em telhas, tijolos, madeiras, atrás ou embaixo de móveis, quadros, rodapés, caixas ou objetos armazenados em depósitos, garagens, porões, e outros ambientes com pouca iluminação e movimentação.

2. Aranha armadeira ou macaca (Phoneutria) - Bastante agressiva, assume posição de defesa saltando até 40 cm de distância. O corpo pode atingir 4 cm, com 15 cm de envergadura. Ela é caçadora, com atividade noturna. Abriga-se sob troncos, palmeiras, bromélias e entre folhas de bananeira. Pode se alojar também em sapatos, atrás de móveis, cortinas, sob vasos, entulhos, materiais de construção, etc.

3. Viúva-negra (Latrodectus) - Não é agressiva. A fêmea pode chegar a 2 cm e o macho de 2 a 3 cm. Tem atividade noturna e hábito de viver em grupos. Faz teia irregular em arbustos, gramíneas, cascas de coco, canaletas de chuva ou sob pedras. É encontrada próxima ou dentro das casas, em ambientes sombreados, como frestas, sob cadeiras e mesas em jardins.

Caranguejeiras (Infraordem Mygalomorphae) - As aranhas caranguejeiras, embora grandes e frequentemente encontradas em residências, não causam acidentes considerados graves.

Como prevenir acidentes

  • Manter jardins e quintais limpos. Evitar o acúmulo de entulhos, folhas secas, lixo doméstico, material de construção nas proximidades das casas;
  • Evitar folhagens densas (plantas ornamentais, trepadeiras, arbusto, bananeiras e outras) junto a paredes e muros das casas. Manter a grama aparada;
  • Limpar periodicamente os terrenos baldios vizinhos, pelo menos, numa faixa de um a dois metros junto das casas;
  • Sacudir roupas e sapatos antes de usá-los, pois as aranhas e escorpiões podem se esconder neles e picar ao serem comprimidos contra o corpo;
  • Não pôr as mãos em buracos, sob pedras e troncos podres;
  • Usar calçados e luvas de raspas de couro pode evitar acidentes;
  • Vedar soleiras das portas e janelas ao escurecer, pois muitos desses animais têm hábitos noturnos;
  • Vedar frestas e buracos em paredes, assoalhos e vãos entre o forro e paredes, consertar rodapés despregados, colocar saquinhos de areia nas portas e telas nas janelas;
  • Usar telas em ralos do chão, pias ou tanques;
  • Combater a proliferação de insetos para evitar o aparecimento das aranhas que deles se alimentam;
  • Afastar as camas e berços das paredes. Evitar que roupas de cama e mosquiteiros encostem no chão. Inspecionar sapatos e tênis antes de calçá-los;
  • Preservar os inimigos naturais de escorpiões e aranhas: aves de hábitos noturnos (coruja, joão-bobo), lagartos, sapos, galinhas, gansos, macacos, coatis, entre outros (na zona rural).

Sintomas

Acidentes com aranha causam sintomas que podem ser leves a severos. Em raros casos, pode levar à morte.

  • Aranha-armadeira: causa dor imediata e intensa, com poucos sinais visíveis no local. Raramente pode ocorrer agitação, náuseas, vômitos e diminuição da pressão sanguínea.
  • Aranha-marrom: a picada é pouco dolorosa e uma lesão endurecida e escura costuma surgir várias horas após, podendo evoluir para ferida com necrose de difícil cicatrização. Em casos raros, pode ocorrer o escurecimento da urina.
  • Viúva-negra: dor na região da picada, contrações nos músculos, suor generalizado e alterações na pressão e nos batimentos cardíacos.

O que fazer em caso de acidente

  • Lavar o local da picada;
  • Usar compressas mornas, pois ajudam no alívio da dor;
  • Elevar o local da mordida;
  • Procurar o serviço médico mais próximo;
  • Quando possível, levar o animal para identificação.

Atenção ao que não deve-se fazer após acidente

  • Não fazer torniquete ou garrote;
  • Não furar, cortar, queimar, espremer ou fazer sucção no local da ferida;
  • Não aplicar folhas, pó de café ou terra para não provocar infecções;
  • Não ingerir bebida alcoólica, querosene, ou fumo, como é costume em algumas regiões do país.

 

Fim do conteúdo da página