Ir direto para menu de acessibilidade.

Vacinação

    Você está aqui:
  1. Página inicial
  2. >
  3. Saúde de A a Z
  4. >
  5. Febre Maculosa
Início do conteúdo da página
Febre Maculosa

Febre Maculosa

Escrito por Leonardo | Publicado: Terça, 02 de Maio de 2017, 13h07 | Última atualização em Sexta, 02 de Fevereiro de 2018, 16h07

A febre maculosa (FM) é uma doença infecciosa, febril aguda e de gravidade variável. Ela pode variar desde as formas clínicas leves e atípicas até formas graves, com elevada taxa de letalidade. A febre maculosa é causada por uma bactéria do gênero Rickettsia.

No Brasil duas espécies de riquétsias estão associadas a quadros clínicos da FM. Rickettsia rickettsii produz a doença grave registrada no norte do estado do Paraná e nos Estados da Região Sudeste. Enquanto Rickettsia sp. cepa Mata Atlântica, tem sido registrada em ambientes de Mata Atlântica, produzindo quadros clínicos menos graves, apresentando febre, linfadenopatia e a escara de inoculação (lesão no local onde o carrapato ficou aderido).

No Brasil, os principais vetores e reservatórios são os carrapatos do gênero Amblyomma, tais como A. sculptum (= A. cajennense), A. aureolatum e A. ovale. Entretanto, potencialmente, qualquer espécie de carrapato pode ser reservatório, como por exemplo, o carrapato do cão, Rhipicephalus sanguineus.

Os pequenos roedores, as capivaras, equídeos, canídeos e algumas aves passeriformes têm participação no ciclo da FM. E já existem estudos que mostram o envolvimento destes animais no ciclo enzoótico e epidêmico da doença, podendo atuar como hospedeiros de carrapatos de importância médica, amplificadores de riquétsias e transportadores de carrapatos potencialmente infectados.

Sintomas

Os sintomas são febre de início súbito, dor de cabeça e nas articulações e/ou prostração, seguida de exantema máculo-papular, predominantemente nas palmas das mãos e plantas dos pés, que pode evoluir para petéquias, equimoses e hemorragias e lesão no local onde o carrapato ficou aderido - além de histórico de picada de carrapatos e/ou ter frequentado área de transmissão de FM nos últimos 15 dias.

Transmissão

Nos humanos, a febre maculosa é adquirida pela picada do carrapato infectado com riquétsia, e a transmissão geralmente ocorre quando o artrópode permanece aderido ao hospedeiro.

Nos carrapatos, a perpetuação das riquétsias é possibilitada por meio da transmissão vertical (transovariana), da transmissão estádio-estádio (transestadial) ou da transmissão através da cópula, além da possibilidade de alimentação simultânea de carrapatos infectados com não infectados em animais com suficiente riquetsemia. Os carrapatos permanecem infectados durante toda a vida, em geral de 18 a 36 meses.

O período de incubação da doença é de 2 a 14 dias.

Tratamento

O tratamento precoce é essencial para evitar formas mais graves da doença. É Importante procurar unidade de saúde em caso de suspeita da Febre Maculosa. O tratamento se dá com o uso de antibiótico.

O sucesso do tratamento, com consequente redução da letalidade, está diretamente relacionado à precocidade de sua introdução e à especificidade do antimicrobiano prescrito.

Prevenção

Quanto mais rápido uma pessoa retirar os carrapatos de seu corpo, menor será o risco de contrair a doença. Nos casos de contato com áreas com presença de carrapatos, recomenda-se o uso de mangas longas, botas e calça comprida com a parte inferior colocada para dentro das meias. Dar preferência para roupas de cor clara, para facilitar a visualização dos carrapatos. Após a utilização, colocar todas as peças de roupas em água fervente para a retirada dos mesmos.


Vídeoaulas

Perguntas e respostas

Febre Maculosa

banner aisa quem quem 3
banner aisa relacoes bilaterais 3
banner aisa cooperacao 3

 

banner aisa quem quem 3
banner aisa relacoes bilaterais 3
banner aisa cooperacao 3
registrado em:
Fim do conteúdo da página