Ir direto para menu de acessibilidade.

Doação de Leite Materno

    Você está aqui:
  1. Página inicial
  2. >
  3. Saúde de A a Z
  4. >
  5. Segurança do Paciente
Início do conteúdo da página

Projeto melhorando a segurança do paciente em larga escala no Brasil

Escrito por Gustavo Frasão | Publicado: Sexta, 14 de Dezembro de 2018, 17h37 | Última atualização em Quarta, 03 de Abril de 2019, 11h06

O que é o Projeto Melhorando a Segurança do Paciente?

O objetivo prioritário do Projeto Colaborativo Melhorando a Segurança do Paciente em Larga Escalano Brasil, encabeçado pelo Ministério da Saúde, é a melhoria da segurança do paciente ao propor a implementação das diretrizes para prevenção de infecções relacionadas a IPCSL, PAV e ITU-AC em Unidades de Terapia Intensiva em 119 hospitais "que atendem ao SUS", no triênio 2018- 2020.

O projeto propõe-se a desenvolver equipes, acompanhar e apoiar a implementação dos pacotes de prevenção, em parceria com uma consultoria no método de melhoria em conjunto com os Hospitais de Excelência na forma de projetos colaborativos.

Os hospitais de referência serão responsáveis em desenvolver as equipes para o alcance das metas pretendidas. As atividades a serem executadas são o desenvolvimento de capacidades técnicas de equipes, a revisão do sistema de trabalho, a melhoria do processo com uso de ferramentas, implementação das ações de mudanças, mensuração e monitoramento dos indicadores de resultado e processo, aliado a uma teoria forte de mudança consagrada nas melhores práticas.

IMPORTANTE: A proposta é que os hospitais acompanhados iniciem projetos de melhoria e monitoramento de indicadores de resultados, de processo e equilíbrio das infecções selecionadas.

Quais são os objetivos?

Objetivo Geral

  • Reduzir as infecções de corrente sanguínea, trato urinário relacionados a cateteres e pneumonia associada à ventilação mecânica em 50% em UTIs selecionadas até dezembro de 2020.

Objetivos Específicos

  • Desenvolver capacidades das equipes e colaborar na implantação dos pacotes de mudanças relacionadas à prevenção de infecções;
  • Aplicar o modelo para cálculo de análise de custo incremental nas infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS)

O que é possível ser feito?

Com Projeto Melhorando a Segurança do Paciente em Larga Escala no Brasil é possível:

REDUZIR

  • Infecções Hospitalares nas UTIs.
  • Desperdícios financeiros.
  • Fragmentação das informações.
  • Utilização de dispositivos (cateter venoso/cateter urinário).
  • Permanência em Ventilação Mecânica.

AUMENTAR

  • A Segurança do Paciente.
  • A organização do trabalho.
  • O uso correto de equipamentos e insumos.
  • A comunicação entre os profissionais de saúde e pacientes.
  • A adesão das práticas seguras como Higienização das Mãos.

Qual a metodologia do projeto?

A metodologia escolhida para condução do projeto é denominada de Modelo de Melhoria e tem sido utilizada com sucesso em várias iniciativas pelo mundo. Nesta metodologia, a implantação da melhoria (que pode ser, por exemplo, o uso de determinado procedimento) é realizada primeiramente em um grupo pequeno de pacientes e profissionais da saúde, permitindo que o teste em pequena escala resulte em aprendizado e adaptações. Uma vez que o processo seja considerado adequado à realidade local e tenha tido sucesso nos testes, procede-se para a implantação para o restante da unidade progressivamente.

Para conseguir atingir esses objetivos é importante dominar um método eficiente de se realizar melhoria e o Modelo de Melhoria tem se mostrado uma ótima solução.

Desenvolvido pela API (Associates in Process Improvement), o Modelo de Melhoria se tornou uma das principais abordagens para melhoria, sendo referência principalmente na área da saúde. Ele também é uma excelente maneira de se aplicar os princípios de gestão enfatizados pelo Dr. Deming, uma vez que seus autores trabalharam diretamente com ele.

A capacitação dos hospitais e a implantação dos Ciclos de Melhoria é gradual em todo o projeto. Ou seja, logo após a primeira capacitação, o hospital já está apto a iniciar pequenas ações. Isso fornece agilidade e ganho real desde o início do projeto. Além disso, durante todo o projeto haverá sessões de compartilhamento de questões, experiências e resultados obtidos.

Além da análise dos resultados assistenciais obtidos, o presente projeto também realizará o desenvolvimento de um modelo para cálculo do custo ocasionado pela ocorrência de IRAs (Custo Incremental). Este modelo será aplicado em alguns dos hospitais participantes e poderá ser aplicado pelo Ministério da Saúde em outros cenários que sejam necessários.

Os 119 hospitais participantes do projeto estão distribuídos entre os Hospitais de Excelência.

Melhorando a Segurança do Paciente em Larga Escala no Brasil


Quais são os critérios de seleção?

Critérios de candidatura

  • Públicos ou filantrópicos
  • Maiores que 100 leitos
  • Possuir 10 ou mais leitos de UTI adulto
  • Realizar procedimentos de alta complexidade
  • Ser Hospital de Referência Regional
  • Ter potencial de resposta positiva (clima de aprendizado, cultura de segurança)
  • Ter equipe dedicados ao projeto

Processo de Seleção e Resultado

  • Inscrição por formulário eletrônico (MS)
  • 230 hospitais inscritos e 120 selecionados pelo Ministério da Saúde, de acordo com a pontuação atingida nos critérios de candidatura/seleção.

Quais são as ferramentas?

Projeto Colaborativo

Iniciaremos uma jornada de muita integração, troca de experiências, participação ativa dos profissionais e lideranças, COLABORAÇÃO e integração.

Para que seja um sucesso, várias estratégias de interação estão previstas: sessões de aprendizagem presencial (SAP), sessões de aprendizagem virtual (SAV) e uso de sistema integrado de registro de dados (Extranet). Tudo para garantir maior interação entre as equipes inter-hospitais e permitir a verdadeira COLABORAÇÃO.


Contextualizando: quais são os desafios do projeto?

As infecções hospitalares atualmente podem ser reconhecidas como possíveis falhas na assistência à saúde, uma vez que existe conhecimento das medidas de transmissão e prevenção suficientes e amplamente divulgadas mundialmente.

No Brasil, a partir da Programa Nacional de Segurança do Paciente ficou mais claro o conceito de que infecção relacionada à assistência à saúde (IRAS) é um evento adverso relacionado a assistência que a sua prevenção protege os pacientes de danos e salva vidas.

Dentre as IRAS, as principais, com alto impacto em mortalidade, morbidade e custos hospitalares, são: infecção primária da corrente sanguínea associada a um cateter venoso central (IPCS), pneumonia associada a ventilação mecânica (PAV) e infecção do trato urinário associada a cateter vesical (ITU-AC). .

O projeto poderá contribuir em médio prazo para diminuição da incidência nos principais indicadores de infecção hospitalar. Ainda, pretende disseminar o modelo de implantação de melhorias para outras unidades dos hospitais e para outros hospitais. Além disso, o projeto pretende demonstrar impacto financeiro na redução de infecções.

A longo prazo, espera-se contribuir com mudança na cultura das organizações de saúde, principalmente quanto à segurança do paciente e implantação de melhorias contínuas.

O projeto possui duas premissas básicas para seu sucesso: SEGURANÇA DO PACIENTE E COLABORAÇÃO.

Por isso, é sempre importante lembrar que o exercício de colaboração inicia-se, por vezes, dentro do próprio hospital. Assim, ressaltamos que as áreas que atuam para melhoria da qualidade e segurança do paciente e dentro do escopo do projeto, devem ser envolvidas nesse esforço.

Como estruturas de presença obrigatória nos hospitais, os Núcleos de Segurança do Paciente (NSP) e os Comitês de Controle de Infecções Hospitalares (CCIH) são atores importantes para que se possa garantir a sustentabilidade do projeto.

A sustentabilidade só poderá ser garantida se as estruturas existentes nos hospitais estiverem engajadas e prontas para manter e melhorar os resultados em médio e longo prazos.


Quais são os ciclos do projeto?

 


Benefícios do Projeto
  • Maior foco no planejamento diário de cuidado aos pacientes
  • Melhoria da comunicação seja entre direção e áreas assistenciais como entre profissionais.
  • Desenvolvimento de um trabalho em equipe eficiente
  • Participação do paciente em seu cuidado
  • Redução fragmentação de informação
  • Maior agilidade na decisão clínica
  • Desenvolvimento de liderança ativa
  • Melhoria do trabalho em rede através de colaboração
  • Aceleração de ciclos de melhoria/resultados.
  • Salvar vidas melhorando a segurança do paciente

Quais são os principais resultados do projeto?

Os projetos colaborativos tem como um dos resultados iniciais importantes a implantação e o desenvolvimento da própria cultura de aprendizagem e de ciclos de melhoria.

O uso de metodologias estruturadas, o acompanhamento e apoio para melhoria, o movimento de engajamento e a participação em resultados coletivos representam ingredientes potentes para a mudança de cultura das instituições e que as levarão à um patamar mais elevado de Segurança.

 Espera-se também, como resultados dos primeiros 18 meses, a melhoria da adesão às recomendações de prevenção de infecção e dos indicadores de taxas de infecção relacionados às 3 diretrizes: prevenção de infecção primária da corrente sanguínea associada a cateter venoso central (IPCS-CVC), infecção em trato urinário associado a cateter vesical de demora (ITU-AC) e pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV).

Essa iniciativa pretende alcançar uma redução de 50% da incidência dessas infecções em pacientes internados em unidades de terapia intensiva do adulto em 3 anos.

Distribuição

registrado em:
Fim do conteúdo da página