Ir direto para menu de acessibilidade.

Banner MosquitoNao 960x100px

Você está aqui: Página inicial > Saúde para Você > Saúde da Criança > Ações e Programas > Ampliação e Qualificação de Leitos de Internação Neonatal
Início do conteúdo da página

Saúde para Você

Ampliação e Qualificação de Leitos de Internação Neonatal

Publicado: Quinta, 29 de Junho de 2017, 11h14

A Coordenação Geral de Saúde da Criança e Aleitamento Materno do Ministério da Saúde prioriza a habilitação, qualificação e ampliação de leitos para recém-nascidos internados em Unidade de Terapia Intensiva Neonatalm (UTIN), Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal Convencional (UCINCo) e Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal Canguru (UCINCa). 

No caso da mortalidade neonatal, o país tem necessidade não apenas de qualificar/humanizar as práticas das Unidades Neonatais existentes, mas também de ampliá-las em relação ao numero de leitos, qualificá-las do ponto de vista de estrutura equipamentos e adequá-las à nova legislação. Os Planos Nacional de Saúde e Plurianual Federal 2012-2015 apontam como metas a ampliação do número de leitos de UTIN no país em 684, passando de 3.775, em 2011, para 4.459 em 2015, e o custeio de mais 3.141 leitos de UCIN (incluindo leitos convencionais e Canguru), passando de 349, em 2011, para 3.490 custeados em 2015.  

Iniciativa Hospital Amigo da Criança

Conheça os novos critérios para habilitação na IHAC estabelecidos por meio da Portaria nº 1.153, de 22 de maio de 2014.  Para realizar auto-avaliação hospitalar, acesse o questionário aqui.

Hospitais Amigos da Criança no Brasil. Confira a lista aqui.

Desde 1992, o Ministério da Saúde e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) certificam na Iniciativa Hospital Amigo da Criança (IHAC) instituições de saúde públicas e privadas que cumprem os Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno, o Cuidado Amigo da Mulher e uma série de outros requisitos que buscam a adequada atenção à saúde da criança e da mulher. Os hospitais certificados recebem uma placa que é fixada na entrada da maternidade.

Os objetivos da IHAC são:

  • Diminuir a morbimotalidade infantil por meio do estímulo à prática da amamentação
  • Mobilizar e capacitar profissionais de saúde para mudarem rotinas e condutas inadequadas que possam prejudicar a amamentação e determinar um desmame precoce.
  • Implementar os Dez Passos Para o Sucesso do Aleitamento Materno
  • Por fim à prática de distribuição de suprimentos gratuitos ou de baixo custo de substitutos do leite materno para maternidades e hospitais
  • Cumprir a NBCAL
  • Promover o Cuidado Amigo da Mulher.

Conheça os DEZ PASSOS PARA O SUCESSO DO ALEITAMENTO MATERNO

Passo 1 - Ter uma política de aleitamento materno escrita que seja rotineiramente transmitida a toda equipe de cuidados de saúde;
Passo 2 - Capacitar toda a equipe de cuidados de saúde nas práticas necessárias para implementar esta política;
Passo 3 - Informar todas as gestantes sobre os benefícios e o manejo do aleitamento materno;
Passo 4 - Ajudar as mães a iniciar o aleitamento materno na primeira meia hora após o nascimento; conforme nova interpretação: colocar os bebês em contato pele a pele com suas mães, imediatamente após o parto, por pelo menos uma hora e orientar a mãe a identificar se o bebê mostra sinais de que está querendo ser amamentado, oferecendo ajuda se necessário;
Passo 5 - Mostrar às mães como amamentar e como manter a lactação mesmo se vierem a ser separadas dos filhos;
Passo 6 - Não oferecer a recém-nascidos bebida ou alimento que não seja o leite materno, a não ser que haja indicação médica e/ou de nutricionista;
Passo 7 - Praticar o alojamento conjunto - permitir que mães e recém-nascidos permaneçam juntos – 24 horas por dia;
Passo 8 - Incentivar o aleitamento materno sob livre demanda;
Passo 9 - Não oferecer bicos artificiais ou chupetas a recém-nascidos e lactentes;
Passo 10 - Promover a formação de grupos de apoio à amamentação e encaminhar as mães a esses grupos na alta da maternidade; conforme nova interpretação: encaminhar as mães a grupos ou outros serviços de apoio à amamentação, após a alta, e estimular a formação e a colaboração com esses grupos ou serviços.

Para se tonar Amigo da Criança, o hospital deverá ainda:

  • Cumprir a Lei 11.265 de 03 de janeiro de 2006 e a Norma Brasileira de Comercialização de Alimentos para Lactentes e Crianças na Primeira Infância – NBCAL;
  • Garantir livre acesso à mãe e ao pai e permanência da mãe ou pai, junto ao recém-nascido, durante 24 horas, conforme Portaria nº 930 de 10 de maio de 2012, devendo o hospital ter uma Política escrita, a respeito, que seja rotineiramente transmitida a toda equipe de cuidados de saúde;
  • Incluir no processo de avaliação da IHAC o critério global – Cuidado Amigo da Mulher devendo o hospital ter uma Política escrita, a respeito, que seja rotineiramente transmitida a toda equipe de cuidados de saúde.
  • O Critério Global Cuidado Amigo da Mulher requer as seguintes práticas:
  • Garantir às mulheres, um acompanhante de livre escolha para oferecer apoio físico e/ou emocional durante o pré-parto, parto e pós-parto, se desejarem;
  • Ofertar, às mulheres, líquidos e alimentos leves durante o trabalho de parto;
  • Incentivar as mulheres a andar e a se movimentar durante o trabalho de parto, se desejarem, e a adotar posições de sua escolha durante o parto, a não ser que existam restrições médicas e isso seja explicado a mulher, adaptando condições para tal;
  • Garantir às mulheres, ambiente tranquilo e acolhedor, com privacidade e iluminação suave;
  • Disponibilizar métodos não farmacológicos de alívio da dor, tais como, banheira ou chuveiro, massageadores/massagens, bola de pilates (bola de trabalho de parto), compressas quentes e frias, técnicas que devem ser de conhecimento da parturiente, informações essas, orientadas à mulher durante o pré-natal.
  • Assegurar cuidados que reduzam procedimentos invasivos, tais como rupturas de membranas, episiotomias, aceleração ou indução do parto, partos instrumentais ou cesarianas, a menos que necessárias em virtude de complicações, e, que em caso de necessidade, isso seja  explicado à mulher;
  • Caso o hospital tenha em suas rotinas a presença de doula comunitária/voluntária, autorizar a presença e permitir o apoio à mulher, de forma continua, se for a vontade dela;
registrado em: ,
Fim do conteúdo da página