Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Saúde para Você

Restrições ao Aleitamento Materno

Escrito por Alessandra Bernardes | Publicado: Quinta, 29 de Junho de 2017, 11h14 | Última atualização em Segunda, 28 de Agosto de 2017, 11h05

Situações em que há restrições ao Aleitamento Materno

São poucas as situações em que pode haver indicação médica para a substituição parcial ou total do leite materno. Nas seguintes situações o aleitamento materno não deve ser recomendado:

  • Mães infectadas pelo HIV;
  • Mães infectadas pelo HTLV1 e HTLV2 (vírus da leucemia humana T-cell);
  • Uso de medicamentos incompatíveis com a amamentação. Alguns fármacos são citados como contraindicações absolutas ou relativas ao aleitamento, como por exemplo os antineoplásicos e radiofármacos, usados no tratamento contra o câncer.
  • Criança portadora de galactosemia, doença rara em que ela não pode ingerir leite humano ou qualquer outro que contenha lactose.

Amamentação e Hanseníase

  • As mulheres que estiverem amamentando seus filhos não devem parar de tomar a medicação.
  • A gravidez e o aleitamento não contraindicam o tratamento PQT (Poliquimioterapia) padrão.
  • Os remédios podem estar presentes no leite materno, mas não causam nenhum problema para a criança.

Às vezes o recém-nascido pode apresentar a pele avermelhada, se a mãe estiver tomando a Clofazimina (medicação utilizada no tratamento), mas esta coloração não prejudica a criança. Quando o tratamento da mãe termina, a cor da pele volta ao normal.

Atenção! Devido aos graves efeitos teratogênicos, o medicamento à base de Talidomida (medicação utilizada no tratamento), somente poderá ser prescrito para mulheres em idade fértil após avaliação médica com exclusão de gravidez através de método sensível e mediante a comprovação de utilização de, no mínimo, 2 (dois) métodos efetivos de contracepção para mulheres em uso de talidomida, sendo pelo menos 1 (um) método de barreira (Resolução RDC N° 11, de 22 de Março de 2011).

Fim do conteúdo da página