Ir direto para menu de acessibilidade.

Dia Mundial de Luta Contra a Aids - 30 anos

    Você está aqui:
  1. Página inicial
  2. >
  3. Vigilância em Saúde
  4. >
  5. Emergência em Saúde Pública
  6. >
  7. Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS)
Início do conteúdo da página

Vigilância em Saúde

Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS)

Escrito por alexandreb.sousa | Publicado: Terça, 30 de Maio de 2017, 10h43 | Última atualização em Segunda, 03 de Dezembro de 2018, 16h15

Em 2015, o mundo comemorou dez anos de aprovação do novo Regulamento Sanitário Internacional (RSI) após esforço conjunto de todas as nações que fazem parte da Organização Mundial da Saúde (OMS). O Brasil teve papel de destaque na revisão do RSI e foi o 3º país do mundo a incorporar as novas recomendações como a criação de uma unidade operacional para atuar como Ponto Focal Nacional para o RSI, junto à OMS, visando o monitoramento de surtos, epidemias e outras emergências em saúde pública, no âmbito do novo RSI de 2005.

Atualmente, os CIEVS compõem a Rede Nacional de Alerta e Resposta às Emergências em Saúde Pública, que conta com 54 centros ativos em todo o Brasil, com representações em 26 Estados, 1 no Distrito Federal, em todas as 26 capitais, e em um município estratégico localizado no município de Foz do Iguaçu/PR. Além das unidades físicas, algumas Secretarias Estaduais de Saúde estabeleceram profissionais de saúde em regionais ou outros municípios prioritários para atuar como Pontos Focais do CIEVS Estadual em cada Regional de Saúde, atuando como sentinelas para eventos em saúde pública e ampliando a capacidade de detecção precoce de emergências. Estes centros estão integrados por tecnologia de informação e comunicação que permite a resposta coordenada.

Desde 2000, a SVS/MS desenvolve atividades para qualificação dos profissionais envolvidos nas atividades de detecção, análise e resposta às emergências de saúde pública. Entre as estratégias destacam-se:

  • Programa de Treinamento em Epidemiologia Aplicada aos Serviços do Sistema Único de Saúde (EpiSUS) Nível Avançado – 2000;
  • Curso Básico de Vigilância Epidemiológica – 2005;
  • Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde – 2006;
  • Curso de Especialização em Epidemiologia para Monitoramento e Resposta às Emergências em Saúde Pública – 2010;
  • Curso Básico de Resposta aos Eventos de Saúde – 2010;
  • Curso de preparação e resposta aos eventos por agentes Químicos, Biológicos, Radiológicos e Nucleares (QBRNE) em eventos de massa – 2013;
  • Preparação para Emergências em Saúde Pública e Desastres em cooperação com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e Florida International University – 2013;
  • Programa de Treinamento em Epidemiologia Aplicada aos Serviços do Sistema Único de Saúde (EpiSUS) Nível Fundamental – 2017.

Por meio do Programa de Treinamento em Epidemiologia Aplicada ao SUS (EpiSUS) e das equipes técnicas especializadas nas áreas de vigilância de doenças transmissíveis, desastres, laboratórios entre outras, a SVS/MS apoia os Estados e Municípios na resposta coordenada às emergências de importância nacional ou regional.

São realizadas atividades de implementação e manutenção das capacidades de vigilância e resposta, que incluem:

  • Encontro Anual dos CIEVS para capacitação e alinhamento dos fluxos de trabalho;
  • Visitas técnicas in loco para apoio à estruturação dos CIEVS estaduais e municipais;
  • Visitas técnicas in loco aos Pontos Focais para o RSI de outros países que possam contribuir para a formação dos profissionais dos CIEVS;
  • Ciclos de estudos virtuais;
  • Videoconferências para alinhamento de ações e aproximação dos parceiros de trabalho.
  • Reuniões de Fortalecimento das Capacidades de Vigilância e Resposta às Emergências em Saúde Pública – 2017.
  • Realização de Simulados de Mesa em Emergências em Saúde Pública – 2018.

Saiba mais sobre a história do monitoramento na vigilância em saúde

Nos últimos anos, a ocorrência de epidemias e pandemias por doenças emergentes ou reemergentes, obrigou a comunidade internacional a aprimorar os serviços de vigilância em saúde. Dentre os fatores que contribuíram para esta mudança estão: pressão demográfica, mudanças no comportamento social e alterações ambientais.

A expansão da circulação do vírus da influenza (H5N1) bem como a pandemia por síndrome respiratória aguda grave, mais conhecida por SARS, e o uso de Antraz em atos terroristas são alguns exemplos da necessidade de aperfeiçoamento na vigilância em saúde em âmbito internacional e nacional (federal, estadual e municipal).

Nas investigações, a elucidação do agente responsável, fatores de risco e adoção de medidas de prevenção e controle em tempo hábil, só é possível a partir da notificação imediata durante a suspeita, não sendo necessário aguardar o resultado final das análises laboratoriais. É a integração entre os profissionais de saúde do setor público e privado, Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Secretaria Estadual de Saúde (SES) e o Ministério da Saúde (MS) que permite a adoção e implementação de medidas de controle e prevenção oportunas.

No Brasil, a Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (SVS/ MS), por meio do EpiSUS, participou de 345 investigações de campo, entre 2000 e agosto de 2018, destacando as investigações de surto de: cólera em Pernambuco, febre amarela silvestre em Minas Gerais, Chagas aguda em Santa Catarina, toxoplasmose no Paraná, hantavirose no Distrito Federal e riquetisiose no Rio de Janeiro.

Diante deste cenário e continuando o processo de estruturação e aperfeiçoamento do serviço de recebimento, processamento e resposta oportuna às emergências epidemiológicas, o Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde – CIEVS tem atuação direta na resposta rápida às emergências de saúde pública

Atuação do CIEVS

  • Identificar emergências epidemiológicas, de modo contínuo e sistemático, por meio de notificação telefônica (Disque Notifica), eletrônica (E-notifica) e mineração de informações nos principais meios de comunicação.
  • Aperfeiçoar os mecanismos de triagem, verificação e análise das notificações para identificar e responder às emergências epidemiológicas.
  • Fortalecer a articulação entre a SVS/ MS, SES, SMS e outros órgãos e/ou instituições, para o desencadeamento de resposta às emergências epidemiológicas.
  • Apoiar as áreas técnicas da SVS/MS e SES ou SMS na formulação de Planos de Respostas às emergências epidemiológicas, por meio de: informações epidemiológicas oportunas, fomento a estruturação de Unidades de Respostas, dentre outras ações.
  • Monitorar e avaliar a implementação dos planos de respostas às emergências epidemiológicas, para os eventos de relevância nacional, pela análise do Sinan Surtos e dos instrumentos de avaliação desenvolvidos pelo CIEVS.
  • Disponibilizar às áreas técnicas da SVS/MS, estrutura física e tecnologia da informação, para a análise de situação de saúde dos programas prioritários da SVS/MS.
  • Disponibilizar informações oportunas sobre as emergências epidemiológicas de relevância nacional e programas prioritários da SVS/MS.

Simulado em Emergência em Saúde Pública

Considerando a inclusão dos novos procedimentos para monitoramento e avaliação das capacidades básicas estipuladas pelo Regulamento Sanitário Internacional (RSI), a Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS), na qualidade de Ponto Focal Nacional para o RSI no Brasil, considera necessário o cumprimento destes procedimentos, com destaque para a realização de simulados de mesa e simulados de campo em emergências em saúde pública de importância nacional e internacional.

Os simulados têm como objetivos avaliar o serviço de vigilância em saúde, planos de contingência e processos de trabalho, com vistas a corrigir as potenciais falhas e problemas a serem identificados durante uma emergência em saúde pública.

A SVS, por meio da Coordenação Geral de Vigilância e Respostas às Emergências em Saúde Pública (CGVR), do Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis, deu início à realização de Simulados em Emergências em Saúde Pública, com apoio da OPAS/OMS-Washington, OPAS/OMS-Brasil e Ponto Focal Nacional do Chile para o RSI.

Até outubro de 2018 foram realizados os seguintes simulados de mesa em emergência em saúde pública:

- Simulado de Mesa em Emergências em Saúde Pública no estado do Amazonas;

- Simulado de Mesa em Emergências em Saúde Pública no município de Foz do Iguaçu/PR;

- Simulado de Mesa na Reunião Nacional de Influenza;

- Simulado de Mesa em Emergências em Saúde Pública em Pontos de Entrada.

Plantão

O telefone 0800 644 6645 é destinado aos profissionais de saúde, para notificação de potenciais emergências em saúde pública, doenças de notificação imediata, de acordo com a portaria vigente (PRT MS/GM 204/2016, Anexo 1) e/ou a notificação de surtos.

Com este canal permanente é possível notificar ocorrência de surtos e epidemias, doenças ou agravos de causa desconhecida, alteração no padrão clínico-epidemiológico de agravos ou situações decorrentes de desastres naturais ou acidentes químicos etc. Ressalta-se que esse canal não exclui a obrigatoriedade da notificação formal, de acordo com as diretrizes estabelecidas pelo Ministério da Saúde.

Fim do conteúdo da página