Ir direto para menu de acessibilidade.

Banner MosquitoNao 960x100px

Você está aqui: Página inicial > Vigilância em Saúde > Indicadores de Saúde > Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE)
Início do conteúdo da página

Vigilância em Saúde

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE)

Publicado: Quarta, 06 de Setembro de 2017, 11h15

A Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) é uma pesquisa realizada com escolares adolescentes, trienalmente, desde 2009, em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e com o apoio do Ministério da Educação (MEC). O objetivo da pesquisa é subsidiar o Sistema de Monitoramento de Fatores de Risco e Proteção à Saúde em Escolares do Brasil, atualizando os dados de prevalência e distribuição dos fatores de risco e proteção à saúde em estudantes. Além disso, identifica as questões prioritárias para o desenvolvimento de políticas públicas voltadas para a promoção da saúde em escolares, em especial o programa interministerial Saúde na Escola (PSE).

A adolescência é um período crítico para a formação, modificação e consolidação de hábitos saudáveis. Durante essa fase de transição da infância para a vida adulta, os adolescentes passam por importantes mudanças biológicas, cognitivas, emocionais e sociais. Nessa época da vida, crescem a autonomia e a independência em relação à família e a experimentação de novos comportamentos e vivências. Algumas dessas experiências representam importantes fatores de risco para a saúde, como o uso de tabaco, consumo de álcool, alimentação inadequada e sedentarismo. Esses fatores estão associados ao desenvolvimento da maioria das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT), como as doenças cardiovasculares, câncer, doenças respiratórias crônicas e diabetes, enfermidades que estão no topo do ranking das causas de óbito em adultos no país e no mundo.

O questionário da pesquisa aborda os quatro fatores de risco em comum para as DCNT (tabagismo, sedentarismo, alimentação inadequada, consumo de álcool) e, também, os seguintes temas: aspectos socioeconômicos; contexto social e familiar; experimentação e consumo de drogas; saúde sexual e reprodutiva; violência, segurança e acidentes; percepção da imagem corporal, entre outros.

Em 2009, a PeNSE coletou informações de 60.973 estudantes do 9º ano do ensino fundamental em 1.453 escolas públicas e privadas nas 26 capitais brasileiras e no Distrito Federal, sendo representativo apenas para essas localidades2. O relatório completo pode ser visto aqui. Maiores informações podem ser obtidas neste link

Em 2012, foram coletadas informações de 109.104 escolares do 9º ano do ensino fundamental em 2.842 escolas públicas e privadas nas 26 capitais, Distrito Federal e demais municípios em cada uma das cinco Grandes Regiões. Dessa forma, a representatividade da amostra foi ampliada para além das capitais e DF, alcançando Grandes Regiões e Brasil. O relatório completo pode ser visto aqui. Mais informações estão disponíveis no endereço eletrônico do IBGE.

A coleta da terceira edição da pesquisa ocorreu em 2015, em escolares de escolas públicas e privadas localizadas nas zonas rurais e urbanas das 26 capitais, DF e municípios das Grandes Regiões brasileiras.

Importantes inovações foram introduzidas nesta edição da PeNSE. Uma das mais significativas é a disponibilização de dados oriundos de dois planos amostrais distintos, que contemplam, respectivamente, escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental (amostra 1), e escolares de 13 a 17 anos de idade frequentando as etapas do 6º ao 9º ano do ensino fundamental (antigas 5ª a 8ª séries) e da 1ª a 3ª série do ensino médio, no ano de referência da pesquisa (amostra 2).

A primeira amostra, tradicional da PeNSE, permite a comparação temporal entre os Municípios das Capitais e o Distrito Federal nas três edições da pesquisa. Além disso, a ampliação da representatividade da amostra, possibilitando a desagregação das informações por Unidades da Federação, oferece aos gestores de políticas públicas e à população em geral dados mais próximos da realidade local sobre a situação de saúde dos escolares.

A segunda amostra possibilita, entre outros aspectos, melhor identificação e acompanhamento de fatores relacionados ao desenvolvimento físico-biológico e ao tempo de exposição às condições de risco para o grupo etário considerado, permitindo o acompanhamento das metas do Plano Global de DCNT para essa faixa etária 4. Além disso, permite maior comparabilidade com indicadores internacionais, em especial aqueles provenientes da Pesquisa GSHS (Global School Based Student Health Survey), desenvolvida pela OMS.

Outra novidade é o retorno da aferição de peso e altura para cálculo do Índice de Massa Corporal (IMC), realizada anteriormente em 2009 e que foi feita novamente em 2015 na amostra dois, de 13 a 17 anos, para Brasil. Em 2012 os valores de peso e altura foram apenas autorreferidos.

Com os resultados da PeNSE, os profissionais relacionados aos setores de saúde e educação ganham outros parâmetros para a orientação e a avaliação de um conjunto de políticas destinadas aos adolescentes e escolares. 

O lançamento do relatório completo da PeNSE 2015 foi realizado pelo IBGE no dia 26 de agosto de 2016. A apresentação utilizada pelo IBGE pode ser acessada aqui. O relatório completo pode ser visto aqui. Mais informações estão disponíveis no endereço eletrônico do IBGE:

http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/pense/2015/default.shtm

Referências:

  • Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012. Rio de Janeiro: IBGE; 2013.
  • Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2009. Rio de Janeiro: IBGE; 2009.
  • Centers for Disease Control and Prevention (CDC). "Global school-based student health survey (GSHS)". [accessed 12 jan. 2016]. Available from http://www.cdc.gov/gshs/
  • World Health Organization. Global action plan for the prevention and control of NCDs 2013-2020. Geneva, 2013.

Publicações (Relatórios e Suplementos em Revistas Científicas):

Os relatórios completos podem ser acessados nos links abaixo:

* PeNSE 2009

* PeNSE 2012

PeNSE 2015  

O suplemento da Revista Brasileira de Epidemiologia, de 2014, com vários artigos baseados nos resultados da PeNSE 2012, pode ser acessado aqui.

registrado em:
Fim do conteúdo da página