Ir direto para menu de acessibilidade.

Banner MosquitoNao 960x100px

Você está aqui: Página inicial > Vigilância em Saúde > Vigilância Ambiental > Vigiar > Riscos Ambientais e a saúde humana
Início do conteúdo da página

Vigilância em Saúde

Riscos Ambientais e a saúde humana

Publicado: Terça, 30 de Maio de 2017, 10h10

Estão vulneráveis à poluição atmosférica populações que residem, trabalham e/ou transitam em regiões metropolitanas, centros industriais, áreas sob o impacto de mineração, áreas sob influência de queima de biomassa e áreas de relevância para a saúde pública de acordo com a realidade loco-regional.

Os agravos à saúde da população podem ser consequências da distribuição desigual no espaço de fontes de contaminação ambiental, da dispersão ou concentração de agentes de risco, da exposição da população a estes agentes e das características de suscetibilidade destes grupos.

Efeitos à saúde humana

A exposição humana, em especial de crianças e idosos, a poluentes atmosféricos pode provocar impactos à saúde de acordo com a forma de exposição (aguda ou crônica), podendo gerar o agravamento de doenças pré-existentes e/ou o aumento do número de casos de doenças respiratórias, oculares e cardiovasculares.

Em concordância, diversos estudos têm concluído que a poluição atmosférica é responsável por mortes e internações hospitalares, principalmenteem decorrência de doenças respiratórias e cardiovasculares, mas causando também câncer, malformações congênitas, restrição do crescimento intrauterino e distúrbios de fertilidade.

De forma geral, os efeitos da poluição na saúde humana podem ser divididos em:

Problemas de curto prazo (nos dias de alta concentração de poluentes):

  • Irritação nas mucosas do nariz e dos olhos;
  • Irritação na garganta (com presença de ardor e desconforto);
  • Problemas respiratórios com agravamento de enfisema pulmonar e bronquite;

Problemas de médio e longo prazo (15 a 30 anos vivendo em locais com muita poluição):

  • Desenvolvimento de problemas pulmonares e cardiovasculares;
  • Desenvolvimento de cardiopatias (doenças do coração);
  • Diminuição da qualidade de vida;
  • Diminuição da expectativa de vida (em até dois anos);
  • Aumento das chances de desenvolver câncer, principalmente de pulmão;

Os efeitos da poluição são semelhantes aos do tabaco. O indivíduo pode desenvolver problemas pulmonares, problemas circulatórios e, para mulheres, problemas gestacionais. Além disso, estudos mostram que mães cujo primeiro trimestre da gestação ocorre no período mais seco do ano geram bebês com peso inferior, comparados aos bebês que não tiveram essa condição, considerando que as condições meteorológicas afetam diretamente a concentração atmosférica de poluentes.

Outro achado dos estudos é que nas regiões de maior poluição, nascem mais meninas do que meninos, em função do gameta masculino ter sua motilidade reduzida e suas características morfológicas alteradas diante do estresse oxidativo gerado pelos poluentes.

registrado em:
Fim do conteúdo da página