Ir direto para menu de acessibilidade.
    Você está aqui:
  1. Página inicial
  2. >
  3. Vigilância em Saúde
  4. >
  5. Vigilância Ambiental
  6. >
  7. Vigidesastres
  8. >
  9. Perguntas Frequentes
Início do conteúdo da página

Vigilância em Saúde

Perguntas Frequentes

Escrito por Alessandra Bernardes | Publicado: Segunda, 28 de Agosto de 2017, 13h47 | Última atualização em Segunda, 28 de Agosto de 2017, 14h06

Quais são os objetivos do Vigidesastres?

  • Estruturar e habilitar a vigilância em saúde, em especial a vigilância em saúde ambiental, para a gestão dos desastres no setor saúde;
  • Garantir que os sistemas, procedimentos e recursos físicos, humanos, financeiros e tecnológicos estejam preparados para proporcionar uma assistência rápida e efetiva às vítimas de desastres naturais, facilitando assim, as medidas de socorro e o restabelecimento da infraestrutura dos serviços relacionados com saúde e bem-estar da população.
  • Reduzir os danos à infraestrutura sanitária e de saúde.

O que é um desastre de origem natural?
São os danos humanos, sociais, ambientais e na rede de saúde após a ocorrência de um fenômeno natural (chuva intensa, vendaval, escorregamento etc.) numa localidade ou região vulnerável.

Quais são as principais responsabilidades do SUS nos desastres de origem natural?

  • Realizar um diagnóstico técnico e adequado das vulnerabilidades e dos recursos próprios do setor;
  • Articular e coordenar intra e intersetorialmente uma ação conjunta ordenada e desburocratizada;
  • Elaborar e implementar planos específicos ou de contingência para o setor em geral, segundo seus distintos âmbitos e níveis;
  • Organizar e implementar um sistema de comunicações, de preferência coordenado com outros setores;
  • Capacitar e treinar os recursos humanos do setor saúde e da população para uma ação adequada no âmbito de sua jurisdição;
  • Avaliar os danos humanos e da rede de saúde;
  • Organizar e coordenar os sistemas de abastecimento e transporte do SUS.

Como o SUS deve intervir na ocorrência de um desastre?

  • Garantir a assistência médica (pré-hospitalar e hospitalar) aos afetados diretos, incluindo as intervenções na área da saúde mental, prevenindo surtos epidêmicos, por meio de uma higiene adequada, alimentação segura, água potável;
  • Evitar a superlotação nos abrigos;
  • Promover a educação higiênico-sanitária e sobre a manipulação de alimentos, provisão e consumo de água segura, redução de criadores de vetores, vigilância de doenças transmissíveis, entre outros;
  • Restaurara rede de serviços e os programas de saúde previamente estabelecidos.

Quais as consequências à saúde humana decorrentes de inundações (graduais ou bruscas)?
As principais consequências são: óbitos, ferimentos, traumas, transtornos mentais e ocorrência de diversas doenças como as infecciosas respiratórias, leptospirose, hepatite A, diarreias, dengue, tétano acidental, febre tifoide, cólera e as decorrentes de acidentes com animais peçonhentos.

Quais são as atribuições da Saúde Ambiental numa situação de desastre?
A saúde ambiental em situações de desastre de origem natural compreende: a prestação de serviços essenciais para proteção e garantia do bem estar da população afetada, especialmente a garantia do fornecimento de água potável e eliminação de águas residuais, disposição de excrementos humanos e de resíduos sólidos, segurança alimentar, controle de vetores, saneamento básico, higiene doméstica e manejo dos cadáveres.

Quais as principais estratégias que as Secretarias de Saúde podem adotar para se preparar para enfrentar os desastres?

  • Institucionalização de um Comitê de Desastres intrassetorial com a representação das diversas áreas técnicas e administrativas.
  • Elaboração de Plano de Gestão de Risco e Plano de Contingência.
  • Oferta de capacitações e treinamentos.

Quem tem direito a solicitar kits de medicamentos e insumos estratégicos e qual é o fluxo de solicitação?
O Ministério da Saúde disponibiliza kits de medicamentos e insumos estratégicos para assistência farmacêutica aos municípios que forem atingidos por desastres de origem natural, caso a demanda ultrapasse a capacidade de resposta local. O novo fluxo, definido na Portaria nº 2.365, de 18 de outubro de 2012, define que a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) deve solicitar suplementação de medicamentos à Secretaria Estadual de Saúde (SES). Se a SES não tiver condições de atender, deve, por sua vez, solicitarão Ministério da Saúde, por meio do Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Cada kit atende até 500 pessoas por três meses.

Qual é a composição do kit de medicamentos e insumos estratégicos?
O kit é composto por 30 itens de medicamentos (analgésicos, antibióticos, antihipertensivos, antinflamatórios, antiparasitários, antiulcerosos, broncodilatadores, dermatológicos, diuréticos, eletrólitos e soluções, hipoglicemiante oral, reposição volêmica, antibacteriano), e 18 itens de insumos (ataduras, cateteres, compressas, equipos, esparadrapos, luvas, máscaras e seringas).

Links Interessantes

http://andromeda.ensp.fiocruz.br/desastres/
http://www.brasil.gov.br/observatoriodaschuvas/index.html
http://www.paho.org/bra/

registrado em:
Fim do conteúdo da página