Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Vigilância em Saúde

Ações da Vigilância em Saúde de populações expostas ao Mercúrio

Escrito por Alessandra Bernardes | Publicado: Sexta, 25 de Agosto de 2017, 15h22 | Última atualização em Segunda, 28 de Agosto de 2017, 18h24

As ações para o fortalecimento da vigilância em saúde de populações expostas ao mercúrio vêm sendo conduzidas em diversas frentes:

  • Desenvolvimento de estratégias para identificar e proteger as populações em risco de exposição ao mercúrio, por meio das atividades da Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Solo Contaminado (Vigissolo), incluindo o cadastramento de áreas com populações expostas ou potencialmente expostas no Sistema de Informação de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Solo Contaminado (Sissolo).
  • Fomento de atividades de capacitação dos serviços de saúde para prevenção, tratamento e cuidado das populações afetadas pela exposição ao mercúrio e seus compostos, tal como a elaboração de Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas para a Vigilância da Saúde das Populações Expostas ao Mercúrio.
  • Elaboração do documento técnico, juntamente com a Bolívia e Colômbia e o apoio da Organização Pan-Americana de Saúde Teoria e Prática para o Fortalecimento da Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Mercúrio”, 2011.
  • Participação no Comitê Intergovernamental Negociador, coordenado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), no estabelecimento e implementação dos compromissos na “Convenção de Minamata”. 
  • Estabelecimento, por meio do Instituto Evandro Chagas (IEC), de cooperação técnica com a Agência Japonesa de Cooperação Internacional (JICA), a Universidade Federal do Pará (UFPA), a Agência Brasileira de Cooperação (ABC) e a Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA),  a fim de promover a capacitação de profissionais brasileiros e dos países Pan-Amazônicos de diversas áreas.
  • Participação de cursos internacionais de treinamento sobre estruturação da “Rede Pan Amazônica de Cooperação Técnica para Fortalecimento da Vigilância Ambiental” e o de “Treinamento em Epidemiologia e Saúde Ambiental do Mercúrio na Rede de Saúde Pública”.Parcerias institucionais  e apoio  financeiro  a pesquisas epidemiológicas e clínica  sobre a exposição humana e ambiental ao mercúrio, a fim de propor melhorias no Sistema Único de Saúde SUS.
  • Membro no grupo GTI-Tapajós, coordenado pelo Ministério de Minas e Energia, que promove a melhoria das condições de trabalho, sustentabilidade socioambiental, desenvolvimento metodológico e o uso racional do mercúrio em garimpos de ouro na região amazônica.
registrado em:
Fim do conteúdo da página