Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Vigilância em Saúde

VIVA Inquérito

Escrito por Alessandra Bernardes | Publicado: Quarta, 06 de Setembro de 2017, 11h28 | Última atualização em Quarta, 16 de Maio de 2018, 12h33

Vigilância e Acidentes em serviços sentinelas de urgência e emergência: VIVA Inquérito - Componente II

O Viva Inquérito tem o objetivo de analisar a tendência das violências e acidentes e descrever o perfil das pessoas que foram vítimas de violências (interpessoais ou autoprovocadas) e dos acidentes (trânsito, quedas, queimaduras, dentre outros) atendidas em unidades de urgência e emergência selecionadas. O Viva Inquérito foi realizado nos anos de 2006, 2007, 2009, 2011 e 2014. Inicialmente, o Viva Inquérito foi realizado anualmente (2006 – 2007) e, a partir de 2007, passou a ser realizado bianualmente e atualmente é realizada a cada três anos.
No ano de 2006, a pesquisa foi realizada em 65 serviços selecionados de 34 municípios e no Distrito Federal, abrangendo 23 unidades da Federação[1], totalizando 46.795 atendimentos registrados.

Em 2007, o número de serviços passou para 82 unidades de urgência e emergência distribuídas em 35 municípios e no Distrito Federal, num total de 24 unidades da Federação[2], com uma amostra de 59.683 atendimentos.

Em 2009, a pesquisa incluiu 136 serviços de urgência e emergência situados no Distrito Federal, capitais de Estados e municípios selecionados, os quais já haviam participado dos inquéritos anteriores, com uma amostra de 54.531 atendimentos. Neste ano, foram acrescidos municípios dos estados do Espírito Santo, Mato Grosso, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, para permitir a comparação entre capitais e municípios do interior do estado. Ainda neste ano, a pesquisa realizada em Teresina-PI abrangeu todos os serviços de urgência e emergência da rede pública, enquanto em Campinas-SP foram incluídas todas as unidades de urgência e emergência para permitir um comparativo entre os serviços públicos e privados.

Dando continuidade à Vigilância de Violências e Acidentes (VIVA) nas portas de entrada dos serviços de urgência e emergência sentinela em municípios brasileiros, o VIVA Inquérito foi realizado no ano de 2011, em 24 capitais[3], no Distrito Federal (DF) e em 11 municípios selecionados, num total de 105 serviços de urgência e emergência.

Em 2014, a pesquisa foi realizada em 24 capitais, no Distrito Federal e em 11 municípios selecionados, totalizando 114 serviços.

Em 2017, a pesquisa foi realizada em 23 capitais capitais, no Distrito Federal e 13 municípios selecionados, totalizando XXXXX serviços. Os resultados do Inquérito serão divulgados no segundo semestre de 2018.

Objetivos

O objetivo principal é caracterizar as pessoas que foram vítimas de violências e acidentes atendidas em serviços de urgência e emergência selecionados em capitais e municípios do Brasil, em turnos sorteados, no período de trinta dias consecutivos.

Os objetivos específicos são:

  • Descrever o perfil epidemiológico das vítimas de violências e acidentes;
  • Identificar fatores de risco e de proteção associados à ocorrência de violências e acidentes;
  • Propor medidas específicas de vigilância e prevenção de violências e acidentes e de promoção da saúde e cultura da paz.

Definição de caso

Os atendimentos foram classificados em dois grupos: violências e acidentes. Definiu-se violência como “o uso da força contra um grupo ou uma comunidade, que resulte ou tenha qualquer possibilidade de resultar em lesão, morte, dano psicológico, deficiência de desenvolvimento ou privação”. Acidente foi definido como “evento não intencional e evitável, causador de lesões físicas e emocionais, no âmbito doméstico ou social como trabalho, escola, esporte e lazer”.

Foram consideradas as definições constantes da décima revisão da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas relacionados à Saúde (CID –10), referentes ao capítulo XX – Causas externas de morbidade e mortalidade. Entre os eventos de causas acidentais, foram incluídos: acidentes de transporte (V01-V99), quedas (W00-W19), queimaduras (W85-W99, X00-X19) e demais eventos acidentais, como cortes com objetos perfuro cortantes, queda de objetos sobre pessoa, envenenamento acidental, sufocação, afogamento entre outros. Os eventos violentos foram classificados em lesões autoprovocadas voluntariamente/tentativa de suicídio (X60-X84), agressões (X85-Y09), maus-tratos (Y05-Y07) e intervenção legal (Y35).

Acesso à tabulação de dados do VIVA Inquérito no Tabnet

Documentos relacionados

Referências

[1] Acre, Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia, Santa Catarina, Sergipe, São Paulo, Tocantins.

[2] Incluíram-se: Amapá, Rio Grande do Sul e Roraima.

[3] Os resultados de São Paulo (SP) foram analisados separadamente devido ao não cumprimento dos critérios de seleção de serviços de urgência e emergência propostos nos métodos do Viva Inquérito 2011. Manaus (AM) não realizou a pesquisa por dificuldades operacionais no trabalho de campo.
registrado em:
Fim do conteúdo da página